Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

“O ser humano foi malfeitinho”

 

 Banquete dos Deuses - Frans Floris, 1550
Museu Real de Beslas Artes, Antuérpia
Imagm de
Web Gallery of Art
 
 
Julgava eu que a razão da observação, não em tom carinhoso, aliás pouco costumeiro nela, mas em tom muito irónico, dizia respeito às nossas mazelas de povo sujeito a um triste panorama de desequilíbrios, ou, mais elegantemente, de “décalages” embrutecedores – sociais, económicos, culturais, policiais, jurídicos, prisionais, hospitalares, fenomenais, em suma – que mesmo sem estetoscópio – fonendoscópio em designação mais preciosa – ela vai descortinando no seu dia-a-dia atento às entaladelas, de hoje em dia, da maioria.
 
Não dizia respeito. Tratava-se apenas das quatro refeições que ingerimos diariamente e que obrigam a uma sobrecarga de carregos e gastos, para manter uma casa a girar com o dinamismo necessário.
 
E assim: - O ser humano foi malfeitinho. Porque come demais. A vida da mulher é uma calamidade. A mulher que tem filhos, que trabalha, tem uma vida sacrificada. E a razão principal é essa. Comemos demais.” 
 
         Utilizei o lugar comum sobre os que às vezes nem uma refeição ingerem, eu própria também atenta às “décalages” sociais e não só às nacionais mas também às internacionais, mas não lhe interessaram, de momento, as misérias dos esfomeados, sabendo, embora, que muitos são, manifestamente apoiada a sua confiança na erradicação da fome, nos povos ricos que enviam os cereais – e as armas, estas como medida profiláctica que fará reduzir o quantitativo dos sacos dos comestíveis a enviar.
 
Estava cansada de compras, preferia não ter que fazer nada, sobretudo em termos de alimentação do corpo, mais votada ao alimento espiritual que a imprensa escrita, falada e visionada nos carreia em exagero sem tréguas, provocando a revolta nas falas.
 
Eu não se me dá o alimento, às vezes mesmo num excesso condenável, como o colesterol acusa. Mas gosto de repartir com os que me são queridos. Tenho mais jeito para doçuras, o que se vê no meu feitio acomodatício, ela prefere os salgados, mas a elegância física revela que nem mesmo nesses se apoia, sempre parca e disciplinada.
 
“O ser humano malfeitinho porque come demais?”
 
Tem razão, a minha amiga. Mas esqueceu-se de expor sobre as comezainas que a cada passo têm lugar no convívio humano, sobretudo no votado às altas lides de governação, de qualquer coisa que seja – nação, banca, empresa nacional ou particular, disputas pelo guinness book – e de que Vieira aponta mesmo a antropofagia no magnífico “Sermão de Santo António aos Peixes”, de que não resisto a trazer à luz o intróito – “Olhai, peixes, lá do mar para a terra. Não, não: não é isso que vos digo. Vós virais os olhos para os matos e para o sertão? Para cá, para cá; para a cidade é que haveis de olhar. Cuidais que só os Tapuias se comem uns aos outros? Muito maior açougue é o de cá, muito mais se comem os Brancos.... - e o seu final de desmesura triunfalmente conceituosa e actualidade perfeita: “enfim, ainda o pobre defunto o não comeu a terra e já o tem comido toda a terra”.
 
Estamos lá todos. O Padre António Vieira bem sabia, génio de predestinação.
                                                                                                            Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D