Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS XXIV

 

 
TEOLOGIA DA ECONOMIA II
Parte III
(Continuação)
Tudo e Nada
A - O Lucro
 
 
“O povo é humanitário. O que há de mais
fundamental na criatura do povo é a atenção
estreita aos seus interesses, e a exclusão,
praticada sempre que possível, dos interesses
alheios” (O Livro do desassossego) [1]
 
 
Do Lucro e das variantes técnicas não vos vou fazer uma dissertação sobre as suas origens desde o “do ut des” [2] ou desde o aparecimento da primeira moeda [3]; isso fica para a apreciação de economistas, gestores, banqueiros, accionistas, empresários e quantos estão ligados ao fenómeno económico-financeiro.
 
O Lucro existe, sob variadas formas, qualquer que seja o modelo de economia; sem este, afinal, não eram compreensíveis o desenvolvimento económico e a circulação de capitais; e, porque existe, falarei dele... evitando o uso de termos técnicos[4]. Ou melhor, farei uma abordagem sobre como deveria ser aproveitado, em minha opinião, o Lucro.
 
Como expliquei períodos atrás, “Tudo e Nada” em título desta Parte III significa “riqueza epobreza”. Não me incomoda que haja ricos, mas incomoda-me que haja pobres. A miséria, o estado de pobreza extrema, não tem, segundo muitos, história; ou melhor, não tem direito à História; mas aí estão os campos de refugiados da Somália a confrontar-nos com o contrário; História que é a infâmia da Humanidade e permitida por nós, a Humanidade. Porém, se pobreza significa sacrifício e enormes dificuldades de sobrevivência, também, dessa faixa social emergem Homens do Futuro, como Albert Camus [5] que, corajosamente, vencem esse estigma [5].
 
Cabe aqui abordar, também, sem receio ou populismos demagógicos os classificados de ricos e, extirpadas aquelas frases bombásticas que são tiques das esquerdas intelectuais de: “os ricos que paguem a crise”; baboseiras que, felizmente, já não se ouvem amiúde, como no advento da nossa jovem democracia. Os ricos, com o seu dinheiro são uma das alavancas das economias porque detêm empresas e fazem girar o capital, o que significa que contribuem com o seu trabalho e fortuna para que as economias funcionem e haja desenvolvimento. É discutível se contribuem o suficiente, mas é inegável que contribuem [6]. Pagam impostos e se os pagam, não fugindo desse dever de cidadania, partilham com o Estado a subsistência da Comunidade, permitindo a este ter dinheiro para gerir o Bem Comum. Preocupa-me, isso sim, a gestão do erário público, feita pelo Estado (Governos) e o destino que se dá aos milhões de euros colectados por via do IRS, IRC, IMI, IVA, mais taxas, coimas e multas.
 
Actualmente, fala-se muito em baixar os impostos. Não creio que seja a altura ideal para fazê-lo, mas está na hora, apesar de ano após ano ser promessa eleitoral, está na hora, dizia eu, de reduzir a despesa e escolher bem os seus objectivos intervencionistas, sob pena de comprometermos cada vez mais, o futuro das gerações vindouras. Sempre fui defensor do imposto único sobre o rendimento e que na génese deste imposto se aliviasse o mais possível a quota contributiva da matéria colectável referente aos rendimentos exclusivamente provenientes do trabalho. Todo o modelo e critérios de despesa deveriam ser revistos. Poderá levar anos a alterar esta maneira de gerir, mas, terá de ser alterada. Mais duas ou três gerações pelo menos; porém, a questão reside sempre, qualquer que seja o modelo de Estado que tivermos, nesta forma como se gerem os dinheiros públicos. Há uma maneira de estar portuguesmente anquilosada e distorcida! Fernando Pessoa refere, com insistência, nos seus textos “o provincianismo português”.
 
Lucros onde ir buscar receitas existem, mas malbaratam-se recursos financeiros, desviando-os do objectivo último para que foram encaixados. Uma das maneiras de prender os governantes à natureza da receita era consigna-la, contrariando a regra orçamental da não consignação. Teriam de enquadrar a despesa nos objectivos da receita. Um exemplo: o imposto sobre veículos devia ser consignado à construção e reparação de estradas, às entidades fiscalizadoras do trânsito, p.ex., as multas de trânsito deveriam ser canalizadas para escolas de condução, hospitais, apoio às vítimas de acidentes, etc... O desvio da receita só seria aceite em casos excepcionais devidamente fundamentados. Emperraria a máquina do Estado? Pois, a intenção é essa, não sermos tão expeditos a gastar dinheiro... Uma minha Amiga gere, por ex., as suas despesas de casa por envelopes catalogados e tem o dinheiro destinado para cobrir os vários encargos que tem distribuído pelos envelopes. A minha Amiga, sem conhecimentos técnicos de procedimentos de contabilidade, instituiu, para si, a contabilidade digráfica e criou centros de custos.
 
Mas, regressando ao lucro e repassando as informações do mercado de capitais, as instituições financeiras e bancárias nacionais tiveram, segundo a LUSA, um lucro cerca de 2,9 biliões de euros em 2008, 40% a menos que no ano 2007. Mesmo assim e com perdas, é muito dinheiro.
 
(continua)
 
 Luís Santiago
 
[1] “Citações e Pensamentos de Fernando Pessoa”, pág. 54, Casa das Letras, 2ª Edição – Maio
de 2009;
[2] Troca directa: “dou para que me dês”;
[3] A primeira moeda conhecida foi o machado de silex;
[4] Recordo um livro que li – não me lembro do autor nem do título – que nos falava de
sociedades secretas e da linguagem dos sábios só inteligível entre estes;
[5] Prémio Nobel. Recomendo a Leitura do romance autobiográfico “O Primeiro Homem”;
[6] Capa da Revista “Exame” de Agosto 2009 – “Os 25 mais ricos de Portugal – As suas fortunas
perderam 8,5% do seu valor. Ainda assim totalizam 17718 milhões de euros, o que equivale a
10,7% do PIB de 2008”. Notícia nas págs. 34 a 42.
 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D