Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Olha lá os reis

 

 

            - Olha lá os reis, que estão a ser recebidos sabe por quem?
            Não sabia.
         - Então não viu o noticiário?
            Não tinha visto, confirmei tristemente, com o peso na consciência. Desculpei-me:
            - A essa hora dá o “Allô, allô” e logo a seguir o “Sherlock Holmes”, não posso prescindir.
            - Mas já deram tanta vez!
            - O que é bom nunca cansa. De resto, é mais uma necessidade de evasão das brutalidades da vida que me faz perder, às vezes os noticiários. Mas eles vão repetir.
 
            Estávamos a falar do aumento de inscrições na disciplina de espanhol em substituição do francês, nas escolas e logo a minha amiga considerou que não tarda aí a integração do nosso Portugal na Espanha.
 
            Estrebuchei de raiva, incapaz de assumir tal perspectiva. Continuou, indiferente ao meu estrebuchar:
            - Então não sabe? Recebidos na Madeira, por aquele doido do Jardim. Ele tem que se portar bem à mesa, tem que ter cuidado!
            - Ah! Os Reis de Espanha já estão habituados às parolices, mesmo em espanhol. O Rei Juan Carlos até mandou calar o Hugo Chaves, cheio de razões para isso. À Madeira vai só de visita, e o Alberto João sabe com quem lida. Servilismos são connosco e o Jardim não foge à regra, se lhe convier.
            - É verdade, mas eu acho que é o doido que ainda faz obra!
            - Mas foi ele a recebê-los?
            - Não, o Cavaco foi lá à Madeira, com a esposa, prestar vassalagem. Não vi o Jardim. Mas ele deve ir a qualquer repasto de gala.
            - Esperemos, então, que se porte à altura e que não trate desta vez o Presidente por Sr. Silva.
 
            Vivemos num país em franca erosão, é certo, mas não se pode admitir tudo, mesmo ao Jardim, que, embora rei na sua quinta, não lhe dá isso o direito de desconsiderar o Presidente do seu país da maneira como o faz.
 
            A propósito disso, porque me parece que ambos o amam, já que pertencem à velha guarda que respeitava o solo pátrio, vou contar uma fábula de La Fontaine sobre a necessidade de sermos todos solidários, para salvaguardarmos a nossa independência e as nossas vidas, embora em diferentes escalões:
            É a história de um burro que levava o dono no dorso, ao mercado, acompanhados do cão. O dono adormeceu e o burro não esperou mais: pôs-se a roer os cardos à volta, até ficar de papo cheio. O cão pediu então: - “Baixa-te um pouco para eu poder comer do pão do cesto.” – “Estás maluco, respondeu o burro. “Espera que o nosso amo acorde primeiro”. O cão, esfomeado, submeteu-se, não estando em condições de competir, por ser baixo. Nisto, um lobo aparece ao longe. –“Amigo, pede o burro apavorado, defende-nos do lobo.” – “Ná, agora não posso, que estou debilitado. Espera que o nosso amo acorde primeiro. Podes sempre ferrar um par de coices no lobo.” Mas o lobo foi-se ao burro que nem sequer teve tempo para tugir, quanto mais para escoucear! E o lobo o levou na goela, que estava também a precisar de retemperar as forças da sobrevivência.
 
            Tinha razão o cão. A solidariedade é imprescindível, nesta coisa da sobrevivência, na luta contra o inimigo. Se o burro que leva o dono quer tudo para si e trata com cinismo o cão, chegada a ocasião quem fica cínico é o cão, como aliás lhe compete por etimologia.
 
            E lá vai tudo por água abaixo, a ponto de nos perguntarmos, por o desconhecermos, preocupados com mais este alerta integracionista que várias vezes tenho escutado à minha amiga e que faz parte de uma corrente antiga de iberismo salvador: “Que mais nos irá acontecer? Será que vamos parar à boca do lobo?”
                                                                         
     Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador


contador de visitas para site

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D