Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A VOZ DA SABEDORIA

 

A mim ainda ninguém me explicou
 
 
            Lá está a minha amiga a exigir explicações. Gratuitas ainda por cima, as minhas, que o meu esforço de esclarecimento é todo à borla. Mas também porque a maioria das vezes não obtém resultado positivo com ela, que se julga superior em competências, só porque tem uns meses mais do que eu e lê e ouve mais imprensa diária.
 
            - “Ainda ninguém me explicou cabalmente as vantagens do novo aeroporto nem do TGV”.
 
O TGV que nos querem impôr...
 
... e o TGV para que temos dinheiro
 
            Apreciei o “cabalmente”.
 
            - “Ora essa! Estão fartos de o dizer, com o nosso PM à cabeça! O TGV permite uma maior rapidez, entre Lisboa e Madrid e entre Lisboa e Porto, com ligação a Vigo. Num ápice, estaremos na Europa. Já viu as nossas possibilidades de evasão ao nível europeu? Maior que a do Cesário: “Ocorrem-me em revista exposições, países: / Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!” Agora até podemos ir parar a Vladivostok, tomar a carreira para o Japão, dar um salto ao Alasca, um ver se te avias de experiências viageiras na aldeia global. Quanto ao aeroporto, servirá de escoadouro do tráfego aéreo – e do tráfico de qualquer via – para libertar o espaço aéreo da capital.”           
            - “Pois! Mas quem paga isso?”
            - “Acho que a União paga vinte por cento, não sei se já pagou há anos e até se eles já foram desviados para outros fins.”
            - “Ai, não! Não podem ter sido! Tudo menos isso, que a União exige as contas correctas! Esses dinheiros dos empréstimos para os fins a que se destinam são sagrados, eu sei. Mas...e o resto?”
            -“Qual resto?”
            - “Os oitenta por cento, claro!”
            - “ Ah! Isso vai-se pagando, com mais uns impostos aqui, mais umas dívidas aos fornecedores e aos trabalhadores além, vai ver que se consegue.”
            - “Vê-se mesmo que somos um país de novos-ricos, que construíram auto-estradas em excesso, talvez pelo muito que padeceram com a falta delas nos tempos fascistas.”
 
            Nada a contenta, protesta sempre.
 
            - “Eu tive um professor de italiano, nos meus tempos de estudante – tinha um Fiat que era o “non plus ultra” da beleza automóvel, para leigos como eu – que costumava afirmar que um país sem estradas não se desenvolvia. Vivi sempre com esta imagem do progresso ligado às vias, e quando chegámos à administração do Dr. Cavaco e Silva e dei um passeio pelas terras, passando pelas aldeias do abandono fascista, fiquei muito feliz, ao notar a rede de autovias”.
            - “Pois, mas quando não se pode, tem que se racionalizar! Estamos encravados até dizer chega! e vamos encravar-nos mais ainda com meios de transporte ou espaços aéreos que o nosso bolso não contempla!”
            - “Ah! Mas é que não conhece a opinião dos que afirmam que os que subtraíram em fraudes de bradar aos céus e que são tantos que dava para, com esses dinheiros que eles deviam ser forçados a repor, pagar os tais gastos da nossa megalomania e mais as dívidas das Câmaras e ainda sobraria para repor as fábricas a produzir e os trabalhadores a trabalhar, e ainda com umas sobras para os pobrezinhos desabituados de trabalhar.”
            - “Isso parece história de magia, ou de fadas que também são magia. Os que mergulharam no saco roto das massas não vão repor os dinheiros subtraídos; e tudo o resto é fantasia.”
 
            Nada a fazer, com a minha amiga. Quando diz que não acredita no milagre não acredita mesmo. Eu sinto-me na pele do chinêzinho Badaró: “Como ispilico?”
 
Berta Brás

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D