Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 26

 

HORÁCIO
Carpe diem quam minimum credula postero...
Aproveita o dia, confia o mínimo no amanhã...
 
 
E a tradução livre em português da poesia de Horácio (65 - 8 AC) continua assim:
 
Não perguntes, é proibido saber o fim que os deuses nos darão, a mim ou a ti, 
Leucone, com os adivinhos de Babilónia não brinque. 
É melhor apenas lidares com o que se cruza no teu caminho,
Se muitos Invernos Júpiter te dará ou se este é o último 
Que agora bate nas rochas da praia com as ondas do mar Tirreno. 
Sê sábio, bebe o teu vinho e para o curto prazo
Refaz as tuas esperanças. 
Mesmo enquanto falamos, o tempo ciumento está a fugir de nós. 
Aproveita o dia, confia o mínimo no amanhã...
 
O poeta romano significava com isto que se deve aproveitar de imediato tudo o que a vida oferece sem pensar no futuro.
 
A roda da vida demorou quase vinte e dois séculos a cumprir uma volta. Ou será que fomos nós, os vivos neste início do séc. XXI, que desbaratámos todo esse tempo voltando hoje a glorificar o hedonismo horaciano? Se a roda do tempo continuar a girar ao contrário, quanto faltará para regressarmos à pedra lascada?
 
Neutralizada a ira divina pela laicização da Ética e pela amoralização, nada mais fácil do que enveredar por uma via de exploração máxima de todos os prazeres que esta única passagem pela vida possa proporcionar. E quando refiro prazeres não tenho apenas em conta os que levaram Sodoma e Gomorra à perdição pois basta a ganância que desvaira gatunos travestidos de banqueiros para quantificarmos a calamidade a que chegámos nesta época em que escrevo.
 
Quando cidadãos prudentes, sensatos e poupados entregam na melhor boa-fé as poupanças de uma vida de trabalho nas mãos de um cleptomaníaco com tabuleta de banqueiro à porta para repentinamente concluírem que tudo lhes foi roubado, podem vir todas as Autoridades em defesa do Sistema e do seu árduo trabalho de fiscalização que ninguém mais acreditará nem no Sistema nem na competência do Fiscal. A descredibilização a que os gananciosos conduziram o Sistema transformando as praças financeiras no açougue em que são desmanchadas as poupadas e inocentes rezes por mãos cruéis de magarefes engravatados e a mais que evidente incompetência das Autoridades fiscalizadoras impõe o repensamento de um e a imediata substituição da outra.
 
É fundamental retomarmos a via da seriedade e da nítida separação do bem relativamente ao mal já que o desvaire confunde aqueles para quem os conceitos são nebulosos.
 
Assim, não fazendo hoje o mínimo sentido pugnar pelo regresso a qualquer tipo de hierocracia nem sequer bulir com o agnosticismo generalizado, deixemos circular a ideia de que «as coisas não são boas ou más porque Deus as mande ou as proíba, antes as manda porque são boas e as proíbe porque são más.»[1]
 
Se quisermos, poderemos a partir daqui refundar uma Moral agnóstica.
 
Tavira, Agosto de 2009
 Henrique Salles da Fonseca


[1] - Frase de L. González-Carvajal Santabárbara in “Ideas y creencias del hombre actual” transcrita a págs. 121 de “1810-1910-2010 DATAS E DESAFIOS” de D. Manuel Clemente, Bispo do Porto

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D