Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

David e Golias

 

 Confronto em África
 
O livro de Witney Schneidman, “Confronto em África”, editado em português pela Tribuna, 2005 - de que só agora tomei conhecimento –, constitui excelente exemplo de objectividade e exactidão (quase [1]) em matéria de relato histórico. Diria mesmo que no que toca ao braço-de-ferro luso-americano suscitado por John Kennedy e continuado posteriormente por  diversos grupos americanos constitui a melhor peça de toda a abundante literatura produzida sobre o assunto. A luta entre Kennedy, Presidente da nação mais poderosa do mundo, e Salazar, chefe de um governo falho de força militar moderna visível, está magistralmente descrita e mostra como o pequeno David soube usar a sua “funda” diplomática para "cegar" o gigante Golias e frustrá-lo nos seus intentos.
    
Schneidman fez parte da direcção do State Department durante a administração Clinton e posteriormente especializou-se em assuntos africanos. Além de um doutoramento nos EUA, tem um mestrado na Universidade de Dar-es-Salaam. Reúne pois fortes credenciais para se ocupar destas matérias. Eu sinto-me em boa posição para poder avaliar da veracidade do relato e da lucidez da conclusão pois testemunhei os principais factos registados pelo autor. Estava como observador no Conselho de Segurança das NU quando o delegado da Libéria propôs – com geral surpresa – uma reunião do dito Conselho para se ocupar da situação em Angola [Fevereiro 1961]. Até aí, pensava-se que em Angola estava tudo sossegado. [Na realidade, tinha havido um ataque às prisões em Luanda mas a notícia de tal feito não chegara Nova York.] O pedido da reunião foi  pois o toque da trombeta  anunciador do início das hostilidades no terreno e de tudo o mais que aconteceu dentro e fora do território. Pouco depois,  fui eu transferido para Washington que Kennedy transformara em quartel-general das cruzadas em que se empenhou contra Salazar, Fidel Castro e Ho Chi Minh. Posteriormente fui nomeado chefe da repartição política África-Ásia (ao tempo designada por Negócios Políticos Ultramarinos) onde continuei a acompanhar até 1965 a luta diplomática suscitada pelo Império Português.  
 
Como Schneidman regista, as campanhas em que Kennedy se empenhou foram-lhe funestas. Os sucessores de Kennedy afastariam a questão portuguesa da Casa Branca e Nixon – que se rendeu a Ho Chi Minh – acabaria por apoiar a posição portuguesa em África.
 
O relato de Schneidman sobre a evolução da situação no terreno já não me parece tão exacto como a sua narração do processo diplomático. O autor fala de grande actividade militar em Angola nos anos 1972 /73, enquanto eu, que viajei intensamente por toda Angola nesse tempo, não notei ali o menor sinal de agitação. Actividade militar havia em Moçambique e na Guiné. Diria contudo que o autor está certo quando aponta a chegada à Guiné do míssil russo Sam 07 como o facto que tornou irreversível a vitória final dos movimentos nacionalistas africanos. A tecnologia não cede o seu lugar.
 
Havia muito a referir sobre tudo isto; entendo porém que não nos devemos enfronhar demasiado nas brumas do passado. Daí não vem grande benefício. O passado não explica o presente. Quem diria que este nosso presente seria o futuro daquele passado? De tudo o que aconteceu eu guardo o sentimento gratificante de que, numa determinada altura, a minha vida se cruzou com o destino histórico do meu país e isso conferiu-lhe transcendência. Se foi uma hora  gloriosa ou uma hora triste é secundário. O que ficará para a história é a forma como se viveu o momento e não me resta dúvida que, sob a batuta de Salazar,  o fizemos com dignidade.
 
Morrer sim, mas devagar.
 
Estoril, 25 de Julho  2007
 
General Domingos de Oliveira - A bem da Nação Luís Soares de Oliveira

 

1] As pequenas falhas que notei na parte diplomática não têm consequência de maior. Garin não era o embaixador em Washington em 1961 (p. 59). O convite para encontrar os estudantes angolanos na Universidade de Lincoln foi dirigido a Teotónio Pereira e este embora não tenha comparecido pessoalmente enviou-me a mim – ao tempo 1º Secretário da Embaixada – para o representar. A Universidade convidou o Rev. Mac Veigh, ex-missionário em Angola e realizou-se  uma sessão de apresentações e debate da situação angolana perante os corpos docente e discente da Universidade. Nunca me esquecerei de tal experiência. Acabou bem. No final, no Campus, os estudantes angolanos rodearam-me e, entre outras coisas, queriam saber se o Benfica tinha ganho a Taça dos Campeões europeus. “Ganhou”, disse-lhes eu e a notícia produziu vibrante manifestação de regozijo. O corpo discente da Universidade olhou-nos com espanto e indisfarçáveis sinais de receio. A conversa decorria em português e os doutos professores não sabiam do que falávamos.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D