Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

David e Golias

 

 Confronto em África
 
O livro de Witney Schneidman, “Confronto em África”, editado em português pela Tribuna, 2005 - de que só agora tomei conhecimento –, constitui excelente exemplo de objectividade e exactidão (quase [1]) em matéria de relato histórico. Diria mesmo que no que toca ao braço-de-ferro luso-americano suscitado por John Kennedy e continuado posteriormente por  diversos grupos americanos constitui a melhor peça de toda a abundante literatura produzida sobre o assunto. A luta entre Kennedy, Presidente da nação mais poderosa do mundo, e Salazar, chefe de um governo falho de força militar moderna visível, está magistralmente descrita e mostra como o pequeno David soube usar a sua “funda” diplomática para "cegar" o gigante Golias e frustrá-lo nos seus intentos.
    
Schneidman fez parte da direcção do State Department durante a administração Clinton e posteriormente especializou-se em assuntos africanos. Além de um doutoramento nos EUA, tem um mestrado na Universidade de Dar-es-Salaam. Reúne pois fortes credenciais para se ocupar destas matérias. Eu sinto-me em boa posição para poder avaliar da veracidade do relato e da lucidez da conclusão pois testemunhei os principais factos registados pelo autor. Estava como observador no Conselho de Segurança das NU quando o delegado da Libéria propôs – com geral surpresa – uma reunião do dito Conselho para se ocupar da situação em Angola [Fevereiro 1961]. Até aí, pensava-se que em Angola estava tudo sossegado. [Na realidade, tinha havido um ataque às prisões em Luanda mas a notícia de tal feito não chegara Nova York.] O pedido da reunião foi  pois o toque da trombeta  anunciador do início das hostilidades no terreno e de tudo o mais que aconteceu dentro e fora do território. Pouco depois,  fui eu transferido para Washington que Kennedy transformara em quartel-general das cruzadas em que se empenhou contra Salazar, Fidel Castro e Ho Chi Minh. Posteriormente fui nomeado chefe da repartição política África-Ásia (ao tempo designada por Negócios Políticos Ultramarinos) onde continuei a acompanhar até 1965 a luta diplomática suscitada pelo Império Português.  
 
Como Schneidman regista, as campanhas em que Kennedy se empenhou foram-lhe funestas. Os sucessores de Kennedy afastariam a questão portuguesa da Casa Branca e Nixon – que se rendeu a Ho Chi Minh – acabaria por apoiar a posição portuguesa em África.
 
O relato de Schneidman sobre a evolução da situação no terreno já não me parece tão exacto como a sua narração do processo diplomático. O autor fala de grande actividade militar em Angola nos anos 1972 /73, enquanto eu, que viajei intensamente por toda Angola nesse tempo, não notei ali o menor sinal de agitação. Actividade militar havia em Moçambique e na Guiné. Diria contudo que o autor está certo quando aponta a chegada à Guiné do míssil russo Sam 07 como o facto que tornou irreversível a vitória final dos movimentos nacionalistas africanos. A tecnologia não cede o seu lugar.
 
Havia muito a referir sobre tudo isto; entendo porém que não nos devemos enfronhar demasiado nas brumas do passado. Daí não vem grande benefício. O passado não explica o presente. Quem diria que este nosso presente seria o futuro daquele passado? De tudo o que aconteceu eu guardo o sentimento gratificante de que, numa determinada altura, a minha vida se cruzou com o destino histórico do meu país e isso conferiu-lhe transcendência. Se foi uma hora  gloriosa ou uma hora triste é secundário. O que ficará para a história é a forma como se viveu o momento e não me resta dúvida que, sob a batuta de Salazar,  o fizemos com dignidade.
 
Morrer sim, mas devagar.
 
Estoril, 25 de Julho  2007
 
General Domingos de Oliveira - A bem da Nação Luís Soares de Oliveira

 

1] As pequenas falhas que notei na parte diplomática não têm consequência de maior. Garin não era o embaixador em Washington em 1961 (p. 59). O convite para encontrar os estudantes angolanos na Universidade de Lincoln foi dirigido a Teotónio Pereira e este embora não tenha comparecido pessoalmente enviou-me a mim – ao tempo 1º Secretário da Embaixada – para o representar. A Universidade convidou o Rev. Mac Veigh, ex-missionário em Angola e realizou-se  uma sessão de apresentações e debate da situação angolana perante os corpos docente e discente da Universidade. Nunca me esquecerei de tal experiência. Acabou bem. No final, no Campus, os estudantes angolanos rodearam-me e, entre outras coisas, queriam saber se o Benfica tinha ganho a Taça dos Campeões europeus. “Ganhou”, disse-lhes eu e a notícia produziu vibrante manifestação de regozijo. O corpo discente da Universidade olhou-nos com espanto e indisfarçáveis sinais de receio. A conversa decorria em português e os doutos professores não sabiam do que falávamos.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D