Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 24

 HEDONE E A FÉNIX

 
 
 
A História não pode ser distorcida ou branqueada, deve ser escrita com verdade e interpretada com pudor.
 
Se em Portugal o processo político seguiria a partir de 1976 por vias pacíficas, já o mesmo se não poderia vir a dizer de Angola, Moçambique, Timor e Guiné-Bissau onde grassaram flagelos humanos de clamorosa dimensão. Apareça alguém a citar a «descolonização exemplar» e terá por certo os descendentes de milhares de mortos a desmenti-lo.
 
Quanto a nós, sem armas, não se tratava de lamber as feridas deixadas pela peleja calada em Novembro de 1975: era a ocasião de definirmos um modelo de sobrevivência que assegurasse a soberania nacional tomando como base uma dimensão territorial pouco maior do que aquela que tínhamos em 1415. E se não podíamos contar com as riquezas naturais espalhadas pelo Império que deixáramos de gerir, o que fazer?
 
Em terminologia moderna, a resposta é: não podendo contar com o hardware, haveria que cuidar do software. Mais prosaicamente: tinham-se ido os anéis, tratássemos dos dedos.
 
Das riquezas naturais restava o amealhado por uma política mercantilista e relacionamento financeiro com o exterior controlado em exclusivo pelo Banco de Portugal[1] em cujas caves se acumularam centenas de toneladas de ouro[2]. Eis a «pesada herança» que alguns abutres se apressariam a tentar desbaratar.
 
Nas riquezas humanas prevalecia uma grande desorientação. A começar pelos desalojados[3] do Império que num ápice se viram esbulhados de tudo o que haviam amealhado ao longo de vidas de trabalho na construção de “novos Brasís” passando pelos que cá estávamos ainda meio atordoados com as zaragatas por que acabáramos de passar e até àqueles que tudo haviam perdido na Reforma Agrária e nas demais nacionalizações, intervenções, saneamentos e aposentações compulsivas.
 
Portugal estava em cinzas físicas e morais. Tornava-se imperioso e urgente remotivar a Nação.
 
Perfiladas as várias hipóteses com respaldo internacional desde o comunismo[4] à democracia-cristã passando pelo socialismo e pela social-democracia, todos se apresentaram com as soluções típicas das respectivas orientações doutrinárias. Já tínhamos optado por um regime parlamentarista (apesar de apregoado como semi-presidencialista), faltava agora definir um modelo que assegurasse a soberania nacional.
 
As alternativas que se perfilaram à escolha dos eleitores não deram muitas hipóteses de escolha pois os comunistas apregoavam algo ao estilo salazarista do «orgulhosamente sós» enquanto não pudessem voltar a impor a tenaz, a hipótese atlantista padecia então de clara precocidade uma vez que os PALOP’s ainda não estavam em condições de rejeitar a esfera soviética e todos os demais Partidos (PS, PPD e CDS) preconizavam uma aproximação à CEE – Comunidade Económica Europeia.
 
Mesmo os euro-cépticos (eu, por exemplo) optámos pela aproximação à CEE pois isso significava que seríamos uma democracia parlamentar e que não cairíamos nas mãos da URSS.
 
E como os principais oradores diziam o mesmo, ganharia quem mais gritasse e mais prometesse. Em resumo, todos diziam que nós (os eleitores) tínhamos todos os direitos, tínhamos direito a tudo e JÁ!
 
Hedonismo primário, o mais prometido
 
Há quem lhe chame cultura post-moderna e outros eufemismos do género. Eu sou adepto da frontalidade e chamo-lhe demagogia e hedonismo, dupla dançante que ganhou as luzes da ribalta portuguesa e que sistematicamente cortava as asas à Fénix.
 
Para já, contávamos com promessas e cinzas...
 
Julho de 2009
 
 Henrique Salles da Fonseca


[1] - A que reportavam os outros dois emissores, o Banco de Angola e o Banco Nacional Ultramarino.
[2] - Essa riqueza não tinha só origem na exportação de bens mas também de serviços. Por exemplo, na remuneração do trabalho dos magaíças: a África do Sul pagava em ouro a Portugal o equivalente ao trabalho dos moçambicanos nas minas daquele país; os trabalhadores eram parcialmente pagos em Rands (argent de poche de que viviam enquanto emigrados) e complementarmente em Escudos moçambicanos emitidos pelo BNU (as verdadeiras poupanças com que se estabeleciam «no regresso a casa»).
[3] - Errada e quase pejorativamente apelidados de «retornados».
[4] - No rescaldo do 25 de Novembro de 1975 Melo Antunes, moderado Conselheiro da Revolução, «pedira» em entrevista na RTP que não baníssemos o PCP do teatro político. Na altura a ideia foi recebida com alguma estupefacção mas hoje sabemos que Melo Antunes teve razão: se o PCP tivesse regressado à clandestinidade, não ostentaria hoje a caducidade que evidencia.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D