Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 24

 HEDONE E A FÉNIX

 
 
 
A História não pode ser distorcida ou branqueada, deve ser escrita com verdade e interpretada com pudor.
 
Se em Portugal o processo político seguiria a partir de 1976 por vias pacíficas, já o mesmo se não poderia vir a dizer de Angola, Moçambique, Timor e Guiné-Bissau onde grassaram flagelos humanos de clamorosa dimensão. Apareça alguém a citar a «descolonização exemplar» e terá por certo os descendentes de milhares de mortos a desmenti-lo.
 
Quanto a nós, sem armas, não se tratava de lamber as feridas deixadas pela peleja calada em Novembro de 1975: era a ocasião de definirmos um modelo de sobrevivência que assegurasse a soberania nacional tomando como base uma dimensão territorial pouco maior do que aquela que tínhamos em 1415. E se não podíamos contar com as riquezas naturais espalhadas pelo Império que deixáramos de gerir, o que fazer?
 
Em terminologia moderna, a resposta é: não podendo contar com o hardware, haveria que cuidar do software. Mais prosaicamente: tinham-se ido os anéis, tratássemos dos dedos.
 
Das riquezas naturais restava o amealhado por uma política mercantilista e relacionamento financeiro com o exterior controlado em exclusivo pelo Banco de Portugal[1] em cujas caves se acumularam centenas de toneladas de ouro[2]. Eis a «pesada herança» que alguns abutres se apressariam a tentar desbaratar.
 
Nas riquezas humanas prevalecia uma grande desorientação. A começar pelos desalojados[3] do Império que num ápice se viram esbulhados de tudo o que haviam amealhado ao longo de vidas de trabalho na construção de “novos Brasís” passando pelos que cá estávamos ainda meio atordoados com as zaragatas por que acabáramos de passar e até àqueles que tudo haviam perdido na Reforma Agrária e nas demais nacionalizações, intervenções, saneamentos e aposentações compulsivas.
 
Portugal estava em cinzas físicas e morais. Tornava-se imperioso e urgente remotivar a Nação.
 
Perfiladas as várias hipóteses com respaldo internacional desde o comunismo[4] à democracia-cristã passando pelo socialismo e pela social-democracia, todos se apresentaram com as soluções típicas das respectivas orientações doutrinárias. Já tínhamos optado por um regime parlamentarista (apesar de apregoado como semi-presidencialista), faltava agora definir um modelo que assegurasse a soberania nacional.
 
As alternativas que se perfilaram à escolha dos eleitores não deram muitas hipóteses de escolha pois os comunistas apregoavam algo ao estilo salazarista do «orgulhosamente sós» enquanto não pudessem voltar a impor a tenaz, a hipótese atlantista padecia então de clara precocidade uma vez que os PALOP’s ainda não estavam em condições de rejeitar a esfera soviética e todos os demais Partidos (PS, PPD e CDS) preconizavam uma aproximação à CEE – Comunidade Económica Europeia.
 
Mesmo os euro-cépticos (eu, por exemplo) optámos pela aproximação à CEE pois isso significava que seríamos uma democracia parlamentar e que não cairíamos nas mãos da URSS.
 
E como os principais oradores diziam o mesmo, ganharia quem mais gritasse e mais prometesse. Em resumo, todos diziam que nós (os eleitores) tínhamos todos os direitos, tínhamos direito a tudo e JÁ!
 
Hedonismo primário, o mais prometido
 
Há quem lhe chame cultura post-moderna e outros eufemismos do género. Eu sou adepto da frontalidade e chamo-lhe demagogia e hedonismo, dupla dançante que ganhou as luzes da ribalta portuguesa e que sistematicamente cortava as asas à Fénix.
 
Para já, contávamos com promessas e cinzas...
 
Julho de 2009
 
 Henrique Salles da Fonseca


[1] - A que reportavam os outros dois emissores, o Banco de Angola e o Banco Nacional Ultramarino.
[2] - Essa riqueza não tinha só origem na exportação de bens mas também de serviços. Por exemplo, na remuneração do trabalho dos magaíças: a África do Sul pagava em ouro a Portugal o equivalente ao trabalho dos moçambicanos nas minas daquele país; os trabalhadores eram parcialmente pagos em Rands (argent de poche de que viviam enquanto emigrados) e complementarmente em Escudos moçambicanos emitidos pelo BNU (as verdadeiras poupanças com que se estabeleciam «no regresso a casa»).
[3] - Errada e quase pejorativamente apelidados de «retornados».
[4] - No rescaldo do 25 de Novembro de 1975 Melo Antunes, moderado Conselheiro da Revolução, «pedira» em entrevista na RTP que não baníssemos o PCP do teatro político. Na altura a ideia foi recebida com alguma estupefacção mas hoje sabemos que Melo Antunes teve razão: se o PCP tivesse regressado à clandestinidade, não ostentaria hoje a caducidade que evidencia.

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D