Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS XX

 

TEOLOGIA DA ECONOMIA II
Parte II
A Parúsia [1]
 
 
No entanto, com referência ao
amor fraternal, não necessitais
de que vos escrevamos, porque
vós mesmos sois ensinados por
Deus a vos amardes uns aos
outros” Tessalonicences, 9
 
 
 
Continuando, então, na esteira das últimas palavras que vos deixei, as escolhas e as
oportunidades que nos são oferecidas à nossa inteligência, gostaria de continuar a dar--vos a minha modesta opinião sobre a Encíclica “Caritas in Veritate” de Bento XVI; opinião que me surge num plano diferente de qualquer ideologia político-partidária, porque esta palavra do Papa não deve ser observada sob o ponto de vista político, dado se dirigir aos Povos da Terra, como Comunidade Global e, não só exclusivamente à Comunidade Cristã. As questões são colocadas universalmente a todos nós, sem excepção; em resumo, à Humanidade. Mas... a Encíclica é um documento político? Claro que é, contudo, não tem forçosamente, de ter uma análise política! Diria melhor, a Encíclica está acima da política! O que me atrai, na leitura da “Caritas in Veritate”, é que da palavra do Sumo Pontífice agiganta-se um ser humano de grande sensibilidade que nos vem dizer que a Economia não é um fim, mas um meio, que é preciso coragem para mudar as regras e assumir valores que já existem, mas, que estão esquecidos da prática do dia a dia, relegados para um plano exclusivamente material. Este é o descobrir de uma conclusão que está latente há muito tempo na consciência dos Homens. A Parúsia, a necessidade de voltar a acreditar numa nova mensagem; passa pelo abrir as portas do Inferno, condição “sine qua non” para que a segunda vinda de Jesus ocorra. Mas, estas, as portas do Inferno, já não estão abertas? O crash da economia mundial resultante da vigarice instalada que usou os 5% de ingenuidade e boa-fé de alguns e 95% da ganância estimulada de outros não é já uma hecatombe infernal que aumentou a miséria e o desemprego? [2] Os surtos epidémicos e as pandemias; as doenças que avassalam, mormente os povos do continente africano; a fome e a guerra não são um horror infernal dantesco?
 
 Imagem de Bento XVI
 
A actual Encíclica vem clamar por uma nova ordem económica mundial... Esta, a Palavra bebida na fonte epistolar de São Paulo não é mais do que o sentir da necessidade de conforto e de confiança no futuro em que todos nós carecemos de acreditar. Resta saber se a Igreja Católica é capaz de tomar a atitude que a mensagem da Encíclica encerra e pressupõe; atitude esta já profetizada no Livro “As Sandálias do Pescador” de Morris West [3].
 
Bento XVI colocou a sua Igreja na situação de ter de ser parte activa na solução do problema; de tomar a iniciativa de congregar as outras Igrejas do Mundo, na mesma missão solidária e corajosa de se despojarem da solenidade e secularidade, e praticarem, pragmática e efectivamente, a Caridade, sem atitudes hesitantes e dúbias.
 
As obras sociais das várias Igrejas, já de si uma grande e importante ajuda, não são, hoje, suficientes para acudir à miséria que se espalhou pelos Povos da Terra. As Igrejas precisam de, em conjunto, alertar os Governos das Nações e afirmarem-lhes a sua vontade de ajudar, presencialmente e em força; mas, solicitando que a Justiça funcione, na vigilância e na prevenção de comportamentos desviantes e que assegure o castigo desses mesmos comportamentos, com leis internacionais mais interventoras e duras.

 

 
Não é suposto que o nível tecnológico que alcançámos nos ajude a acreditar que a inteligência humana tem capacidade para solucionar estes terríveis problemas? Ou, o nosso cada vez maior conhecimento cientifico é uma barreira a que os sentimentos de Amor, Fraternidade e Humanidade permaneçam envergonhados no nosso consciente?
 
A barbárie não pode sobrepor-se à inteligência. Seria desumanamente ilógico! Sobre esses combates falar-vos-ei de seguida, assim como, abordarei o entendimento que tenho de expressões por mim usadas, identificadas como bons Sentimentos e boas
Emoções.
 
O conforto do Espírito [4] é agora menos premente e urgente do que o combate à fome, às doenças e às suas origens... trata-se de pôr em prática o amor fraternal de que nos fala São Paulo e que existe em todos nós, para lá dos defeitos que cada um de nós possa ter...
 
 Luís Santiago
 
[1] O título desta II Parte é justificado porque considero esta Encíclica como um acontecimento que se assemelha a uma nova aparição da Igreja Católica, mais humana e sensível ao sofrimento dos Povos (não quero dizer que não o fosse antes, mas não tão claramente expressa como na mensagem de Bento XVI); esta Igreja que se tem apresentado dogmática, inflexível quanto a questões de modernidade e que, por isso, perde vocações por falta de capacidade de adaptação aos desafios em evolução do Mundo. Esta nova Igreja, se assim podemos afirmar, despe, na Encíclica, as roupas da solenidade e secularidade. E porque o Papa Bento XVI escolheu São Paulo e os ensinamentos das suas cartas como bandeira da “Caritas in Veritate”; e, ainda, por que é São Paulo que fala aos Tessalonicences, da Segunda Parúsia;
[2] O índice de pobreza, em Portugal, aproxima-se dos 20%, começando a atingir, cada vez mais, os jovens à procura de primeiro emprego;
[3] Morris West, num cenário de crise internacional, em que a China como potência mundial emergente está a braços com o espectro da fome, que será o rastilho para a III Guerra mundial, vem colocar no Vaticano, em plena “Guerra Fria” um Papa de origem soviética preso na Sibéria, que terá como missão, apaziguar o conflito eminente. A solução do Papa é oferecer a Tiara de São Pedro como garantia de que a Igreja Católica assegurará a ajuda mundial à China para ultrapassar a crise da falta de alimentos. Através de um Padre, que se torna Secretário do novo Papa eleito, Morris West traz-nos, a par da história central do livro, a ideia de um novo Cristo; o Cristo Cósmico, segundo o Autor;
[4] Não podemos, contudo abandonar o Espírito, mas, este só se fortalecerá tratando-se as necessidades físicas. : “Mens sana in corpore sano

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D