Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O PRECONCEITO E AS COTAS

 

                             (Gravura de Jean Batiste Debret)

 

Para diminuir as diferenças socioeconómicas entre brancos, pobres, negros e egressos das escolas públicas, o governo federal propôs um projecto de lei que impõe a  oferta de cotas para esses grupos sociais nas universidades brasileiras.

 

Os prós e contras estão sendo debatidos pela sociedade e pelos políticos, mas a realidade é que, num país como o nosso, onde a grande maioria da população é pobre e mestiça, não vai ser fácil implementar essa decisão política.

Como serão os critérios, baseados em que parâmetros e fautores? Chegam-nos as dúvidas:

-Numa família mestiça, onde um filho tem pele branca e o outro preta, ambos têm direito à cota?

-Numa família mestiça, mas de pele branca, se algum deles se declarar negro, vai ter direito à cota?

E se for negro, mas com condição económica, se pedir cota, vai tê-la?

E se for branco, mas de família mestiça, com condição económica, se pedir vai recebê-la?

E que fazer com os negros, de genética branca europeia? Investigarão o DNA de todos que fizerem essa reivindicação?

Terão os egressos das  escolas públicas,  sabidamente mais deficitárias, condições de acompanhar as aulas nas escolas de nível superior?

-Como se comportarão os alunos que “ralaram” para entrar na Universidade em relação aos colegas que entraram pela “janela”, sem concorrência? Isso despertará sentimentos de revolta, de intolerância ou preconceito?

- O governo dará aos pobres o material de estudo e a ajuda financeira para mobilização e conclusão do curso escolhido?

 -Haverá  periódicas avaliações do aprendizado, para que  o aluno continue a receber ajuda, como nas bolsas de estudo? Ou a ajuda independe do aproveitamento?

- E formado, bastará um diploma para derrubar o preconceito?  

Todos sabem que não. Só o sucesso, a projecção ou a fama de um indivíduo numa comunidade o torna uma unanimidade, onde a cor, a condição social e a origem perdem a importância. Cai o preconceito frente à qualidade e representatividade do homem.

 

No Brasil, o preconceito racial só tomou forma explicita quando o negro  passou a existir no contexto social como cidadão, com direitos e deveres, após a assinatura da Lei Áurea (13/05/1888). Antes, como escravo, era considerado uma propriedade semovente. Numa sociedade de referências e valores brancos  tornou-se necessário acomoda-lo à nova realidade civil. Mas como fazer isso com povo arrancado da sua terra, separado de sua família,  sem referências  a não ser aquelas das senzalas?  Criaram-se medidas políticas para tentar equalizá-lo como os outros cidadãos, o que nunca se conseguiu, pois sempre falaram mais alto os interesses político-económicos e não os sócio-educacionais. Basta lembrar que o Brasil foi o ultimo país esclavagista a libertar os seus escravos, porque os grandes senhores rurais precisavam deles para trabalharem na terra, e nas áreas urbanas como mão de obra para os serviços gerais. 

 

A sociedade brasileira sempre jogou para “ baixo do tapete” o seu preconceito. Embora negado, era percebido de uma forma velada. Na constatação de que a maioria da população negra vivia nas  periferias e era a minoria nas escolas. Na ocupação dos trabalhos menos especializados e remunerados. O negro esteve praticamente ausente dos cargos político- administrativos de relevância do Estado e do âmbito privado. No quotidiano, era submetido a situações discriminatórias,  menosprezado nas escolhas, ridicularizado nas pilhérias e estórias.  A sociedade  empurrou-o   para a marginalidade, para os delitos, para as cadeias, onde era e ainda é maioria. Na actualidade, os que conseguem chegar à escola ficam menos tempo nela que os brancos,   porque precisam trabalhar para ganhar a vida. Quando atingem nível superior fazem cursos mais baratos,  menos qualificados e importantes, sob o aspecto científico e tecnológico. Ganham menos.  Quando constituem família têm mais dificuldade em colocar as crianças em boas escolas, mantendo o ciclo de pobreza e subdesenvolvimento.

 

Os negros enfrentavam preconceito até entre eles mesmos. No passado colonial, quando se tornavam gente de posses, o que era raro, o primeiro acto era comprar... escravos, para se elevarem socialmente.  Havia os capitães do mato e feitores que, muitos como ex-escravos, aceitavam trabalhar perseguindo e castigando o seu semelhante.  Até no culto à beleza, por muito tempo o ideal era ter características da raça branca. Conta-se que  Chica da Silva, uma negra alforriada, amante do rico contratador de diamantes, o português João Fernandes, vestia-se como uma branca da corte, usava peruca e tinha escravos ao seu serviço. Mesmo agora, quando um negro consegue uma projecção social elevada é olhado com desconfiança pelos irmãos de cor. Às vezes chega a ser repudiado como traidor dos costumes, torna-se um estranho no ninho.

 

Recentemente a comunidade negra vem se organizando e tentando recuperar seus valores e tradições de raiz. Reivindica direitos e o reconhecimento da História. O governo respondeu com a imposição da oferta de cotas nas Universidades.  Mas será que isso vai resolver as desigualdades sociais brasileiras? Penso que não. As necessidades civis são muitas e são básicas, independem da cor e credo dos seus cidadãos. Acredito que só levando para todas as cidades, da periferia ao campo, educação de nível básico de qualidade, gratuita e obrigatória para todas as crianças em idade escolar e oferecendo cursos técnicos especializados e gratuitos para a  juventude,  a nova geração ficará apta a obter melhores empregos e renda. Os cursos de nível superior são mais demorados e dão menos oferta de empregos, custam para ter retorno económico. Devem ser opção para uma vocação especial e para quem tem condições e tempo para  fazer super-especializações. O país está cheio de advogados, psicólogos, sociólogos e outros profissionais de nível universitário atrás de balcões, dirigindo táxis, vendendo e propagando produtos, por falta de empregos nas áreas estudadas e de condição abalizada para exercer a profissão. O Brasil precisa de técnicos, de profissionais especializados e não de inoperantes doutores.

 

Só através da educação efectiva da população, factor de mobilidade social,  é que se conseguirá diminuir as desigualdades socio-económicas entre os cidadãos,  nos ensinam os países que fizeram a lição com êxito.

 

 Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 02/07/09

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D