Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS CONFERÊNCIAS DE LISBOA – 6


Grande “Summer recess” este que eu fiz nas conferências a que assisto. A anterior foi em 13 de Abril e só em 12 de Setembro fiz a “rentrée” precisamente no Institut Franco-Portugais, aqui em Lisboa.

Organizada pelo IEEI – Instituto de Estudos Estratégicos Internacionais, teve a participação de Pierre Hassner, Investigador emeritus do CERI – Centre d’Etudes et de Recherches Internationales, de Olivier Mangin, Director da revista “Esprit” e de Marc-Olivier Padis, Chefe da Redacção da mesma revista. Houve mais um cavalheiro cujo nome me escapou que devia ser o “dono da casa” e que abriu a sessão para dar de imediato a palavra ao Dr. Álvaro Vasconcelos, moderador.

Do convite respigo que se tratava de debater “A Europa sem Constituição” e que o objectivo da iniciativa era o de juntar um grupo de personalidades francesas com o público português para uma discussão aberta sobre os grandes temas que marcam a actualidade europeia, sobretudo após a rejeição do Tratado Constitucional Europeu pelos eleitores franceses.

Europeístas convictos, consideraram ab initio o “Non” francês como um problema e dedicaram-se de modo interessante à dissecação das razões que levaram à rejeição francesa da Constituição Europeia.

A título de resumo, consideraram que a rejeição se ficou a dever a dois tipos de razões: as resultantes da mundialização económica e as “d’origine franco-française”.

Gostei imenso desta última expressão que significa as matérias intrinsecamente francesas, as endógenas da sociedade francesa. Vou nacionalizar a expressão e passarei a referir-me às questões “luso-portuguesas”.

A mundialização corresponde àquilo a que em Portugal chamamos de globalização; as questões “franco-françaises” têm muito a ver com a actual estrutura social francesa, nomeadamente a resultante da imigração de magrebinos e outros muçulmanos. A não integração de grandes massas imigrantes e a rejeição mesmo do modelo social europeu que os muçulmanos fazem, traz os franceses europeus em grande instabilidade, nomeadamente a nível da segurança. Tudo são motivos para o eleitor comum mostrar o seu descontentamento para com a classe política. Assim se vê a aposta crescente em novas expressões políticas como a de Le Pen por exemplo (mas outros também cujos nomes me escaparam) e a vitória do “Non” no referendo que, por acaso, se referia à Constituição Europeia.

E o que fazer agora? Essa a questão que tanto preocupa estes europeus federalistas.

Todos foram unânimes em dizer que a Europa tem que se afirmar como uma unidade política detentora da civilização europeia mas Olivier Mangin queixa-se de que não há um projecto verdadeiramente europeu e que a UE não passa de um somatório de projectos nacionais. O exemplo das Seguranças Sociais nacionais foi muito debatido sugerindo que o “sentido europeu” poderia ser conseguido se houvesse uma Segurança Social Europeia mas logo houve quem evidenciasse os inconvenientes que daí resultariam: as falências de umas não seriam suficientemente compensadas pela saúde das que apresentam bons resultados pelo que o resultado global seria pior do que a actual situação. Os outros intervenientes – incluindo o próprio moderador – bem se esforçaram na tentativa de mostrarem à assistência que existe um modelo europeu mas eu creio que a razão ficou do lado de Mangin.

1ª Conclusão: os europeístas continuam a pensar que podem insistir na fuga para a frente e não perceberam ainda que chegou ao fim a tradicional política europeia do facto consumado.

2ª Conclusão: modelo europeu, procura-se.

Lisboa, 14 de Setembro de 2005

Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D