Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

OS MEDIA E O COMPORTAMENTO DA CRIANÇA

 

Os meios de comunicação são forças muito poderosas, que conseguem vencer pais, família, amigos, professores, conhecidos... e até uma nação.
 
A nossa cultura é muito permissiva, permito-me dizer promiscua, "é proibido proibir" alguém o disse, é URGENTE não ouvir este conselho.
 
 A CRIANÇA ouve, vê e lê, a toda a hora, anúncios que promovem os brinquedos bélicos, os heróis aguerridos, a agressividade, a lei do mais "esperto", a irresponsabilidade, a adulteração das palavras e dos seus significados, as frases com conotações sexuais, a beleza física, a comida "pré-fabricada",... Vê pessoas promovidas a "heróis da nação" por actos que de heróico nada têm.
 
 
 
Pensemos na obesidade que ataca cada vez mais as nossas crianças, que lhes afecta a saúde e, consequentemente, a qualidade de vida, o que tem reflexos na delapidação do nosso erário público. 
 
Passar horas em frente de um televisor, ou de um computador, impede-as de: ler um livro, ouvir contar uma história, falar com um amigo imaginário, sonhar que voam, colher uma flor, afagar um cão, acalentar uma boneca,  brincar às casinhas, jogar à bola, andar de bicicleta, trepar a uma árvore, escalar um muro...
 
Há estudos que comprovam que este imobilismo, muitas vezes acompanhado pelo consumo compulsivo de pipocas, de Chipicaos, de gomas, de chocolates,... aumenta e muito o índice de massa corporal, deste aumento até à obesidade vai um pequeno passo.
 
É tão fácil passar um fim-de-semana inteiro em frente de um ecrã! Não é que a CRIANÇA não gostasse de ir brincar para outro lugar, até talvez gostasse, mas sempre que começa um novo filme ou um novo jogo, a dopamina (*) actua sobre os tecidos cerebrais e antes que ela se aperceba já o Sol "foi dormir".
 
Cada "dia" que passa, neste corre-corre da vida moderna, o tempo para a CRIANÇA dedicar à actividade física e mental vai sendo cada vez mais curto.
 
Pensemos na violência que tanto tem alimentado os media, com relatos que vão ao absurdo do pormenor.
 
Não é apanágio dos dias de hoje os pais queixarem-se contra a pressão da sociedade. Actualmente há uma diferença, para além da alteração de determinados valores sociais, há a proliferação da tecnologia, que os desvaloriza.
 
Existem cada vez mais crianças a usarem linguagem agressiva, quer no modo como é expressa corporalmente, quer nas palavras usadas, a desrespeitarem e a ameaçarem fisicamente os outros. Muitas destas crianças não estão com este tipo de atitude a reproduzirem o que vêem ou ouvem em casa, estão a reproduzir o que vêem e ouvem nos meios de comunicação.
 
Infelizmente, sempre houve, há e haverá crianças com perturbações a cometerem actos semelhantes ou ainda piores, capazes de comportamentos extremos e que não foram influenciadas pelos media.
 
Como definir o que é um comportamento extremo? Este depende sempre do que é normal. Se na sociedade em que está inserida, é "normal" a aceitação de insultos, de confrontos verbais e físicos, o comportamento extremo pode ir até à situação de crianças que matam outras crianças, o que infelizmente, é cada vez mais frequente em países como os Estados Unidos, a Inglaterra e outros.
 
A ligação entre os meios de comunicação e as atitudes e comportamentos tem sido motor de arranque para investigações bastante aprofundadas, exaustivas e cientificamente comprovadas.
 
E que dizer do desempenho escolar?
 
A capacidade de leitura das nossas crianças tem vindo a diminuir e a culpa, infelizmente, não é apenas dos professores, a solução seria muito mais fácil. Saber ler requer tempo, são necessários, em média, quatro ou cinco anos para se adquirir a capacidade básica de leitura.
 
A televisão e o computador oferecem uma informação imediata, não é necessário esforço, é um caminho fácil por isso a CRIANÇA pouco motivada para a leitura, sente-se frustrada e desiste do "esforço" muito facilmente.
 
Há, evidentemente, muitos outros factores que estão por trás da crise de leitura das nossas crianças, mas, uma coisa é certa, se elas passarem muito tempo em frente ao televisor ou ao computador, essa capacidade não se desenvolve ou então, a duração desse desenvolvimento é extremamente longa, com grandes custos para todos nós.
 
Nem tudo está perdido!
 
Como fazer frente a este panorama? Como minimizar os efeitos negativos apontados?
 
A educação de uma CRIANÇA não passa por a desligarmos totalmente dos media. Tal seria impossível, além disso, estes meios podem oferecer oportunidades de informação bastante preciosas.
 
Há que ponderar num equilíbrio, orientá-la de forma a saber tomar decisões que a tornem num cidadão responsável.
 
Sem conhecer receitas e sem grandes pretensões, vou enumerar princípios simples, do conhecimento de todos, com base no bom senso:
 
  • Ter sempre presente que uma mensagem é, normalmente, compreendida de forma diferente por uma criança de 3 anos e outra de 7 ( a título de exemplo);
  • Estabelecer regras, que devem ser explicadas, a limitarem o número de horas que podem ser dedicadas aos meios de comunicação;
  • Durante as refeições meios de comunicação "fora de serviço";
  • No quarto da criança, computador, televisão ou jogos de vídeo não devem entrar;
  • Estar atento ao tipo de programas a que a criança pode aceder;
  • Ter regras bastante precisas sobre o uso da Internet;
  • Saber dizer NÃO.
                                         ..........
 
CORRAM PAIS! Há muito que passou a hora de ligar, ou desligar, o bem estar físico e psíquico dos vossos filhos com os media.
 
 Maria Teresa Monteiro
 
 (*) A dopamina é um neuro-transmissor, que tem como função estimular o sistema nervoso central; está por detrás da dependência do jogo (incluindo os tecnológicos), do sexo, do álcool e de outras drogas. Numa linguagem "vulgar" pode dizer-se que é o químico do cérebro "feliz".
 
 
 
 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D