Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Os Açores de hoje e os Açores de ontem

 

 

 

  Foto retirada do livro AMBIENTES AÇORIANOS, ( pág. 57) de Francisco Ernesto de Oliveira Martins

 

 

Os Açores de hoje são muito diferentes dos Açores de outrora. Estradas bem asfaltadas e cuidadas no lugar das de terra e pedras. Casas modernas, adaptadas com todo o conforto, substituíram as acanhadas e frias moradias de pedra. O alimento ontem escasso e caro, hoje, importado, pode-se obter a qualquer hora. As distâncias longas e intermináveis, vencidas com as embarcações, se reduziram para minutos ou poucas horas com os aviões. O estudo tornou-se mais acessível e prolongado, com o incremento de escolas públicas de qualidade e a Universidade dos Açores, em Ponta Delgada. E o mais importante, as conquistas dos benefícios sociais e da cidadania estão aí para todas as gentes, garantindo-lhes a dignidade e suprindo as carências do dia a dia.

 

Já os antigos açorianos não tiveram essa sorte. Lutaram muito para se fixarem na terra e tirar dela e do mar a sobrevivência. Enfrentaram os caprichos da natureza, as dificuldades do território, passaram fome. Por longos anos conviveram com o ostracismo que se abateu sobre as ilhas. Quando precisaram emigrar, regaram com suor e sangue a nova terra, ajudaram na construção de outras nações. Pela necessidade muitas vezes se anularam e se submeteram. Mas foram eles que propagaram a língua, a cultura e a fé do seu povo, como marcas de sua presença em todas as partes do mundo aonde chegaram. Resgatar a saga e memória desses antepassados é preservar a identidade do povo açoriano. Só assim as jovens gerações, do conforto e da tecnologia, podem avaliar a qualidade de suas raízes, quem são e de quem provieram.

 

Já os descendentes dos emigrantes, que nasceram e vivem lá fora, têm uma outra forma genética e psicológica de ser. São produtos da miscigenação e de outro ambiente. Não são os açorianos de hoje e nem os de antigamente.  É um novo povo, que se reconhece como filho da nova terra, apesar das origens ilhoas. No entanto, quando conhecem a história dos seus avós, aprendem a valorizar mais as suas raízes, a derrubar enganosos preconceitos.

 

Como açoriana que viveu a infância nos Açores e que voltou à sua terra já madura, como turista, vejo as diferenças das épocas. A importação de linguajar, modos e costumes, a adopção de outras comodidades e modernidades estrangeiras. A construção de casas com outra arquitectura, a inserção de diferentes hábitos alimentares e culturais são coisas que estão alterando perigosamente o perfil físico e antropológico dos Açores. Deve-se desenvolver sem perder a identidade. Talvez por isso, é que os governos regionais de certas ilhas, como Pico, Faial, São Miguel,..., investem forte nos intercâmbios culturais com Santa Catarina (Brasil). A finalidade é de fazer o caminho inverso da emigração, trazendo de volta a cultura e a arquitectura açorianas antigas, preservadas ali durante séculos graças ao abandono e esquecimento daquele povo colonizador que ocupou parte do sul brasileiro.  É uma tentativa açoriana de reavivar as raízes. É uma forma de mostrar aos Manezinhos de Florianópolis as suas origens.  

 

 Maria Eduarda Fagundes

Uberaba, 24 de Junho de 2009.

 

 Açores de hoje

 

 Flores, Açores 2007 ( foto de Maria Eduarda Fagundes)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D