Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

De quem é a razão?

                         

 
        Dos laboratórios ou do governo?  
 
 
 
               
 
                                  
 

 
As doenças antigas estão voltando e o tratamento delas já é conhecido e até barato. Em muitos casos, necessita-se só de educação sanitária e medicação genérica, atitudes de ordem social que dependem de vontade política do governo  para resolvê-los.  
Acusando as indústrias farmacêuticas de lucros exorbitantes, o que em alguns casos é verdadeiro, o governo estimulou a indústria dos genéricos e pensa até em diminuir o ICMS para oferecer medicamentos mais baratos, o que é muito bom para a população, cada vez mais envelhecida e consumidora desses produtos.
 
Mas sem fazer-me de advogada do diabo, não posso deixar de lembrar que mesmo havendo muita verdade nos fatos relatados, a realidade  é que a humanidade paga caro pelas conquistas da civilização.  Poluição e agressão ao meio ambiente, destruição das florestas, trazendo agentes patológicos para os meios urbanos, mutações e experiências genéticas são fatores que trazem novas doenças que precisam ser conhecidas para serem combatidas, e  isso só se consegue com altos investimentos em pesquisas.  E o que está havendo é que infelizmente os governos cada vez mais passam para os particulares esses atributos, por serem onerosos e demorados . O tempo e o dinheiro aplicados nessas pesquisas, testes, aceitação e regulamentação pela FDA, produção, aceitação popular,  têem que ter volta e lucro . Só assim no mundo capitalista onde vivemos temos geração de empregos na área da ciência e recursos  terapêuticos para as "novidades" nosológicas que surgem todos os dias.
 
 Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 22/06/09
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D