Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 12

 A ESPADA E A PAREDE

 

 

 
D. Teresa, primeira rainha de Portugal
 
 
O imperialismo castelhano não dorme. Padece de insónia desde o dia 18 de Junho de 1116, data em que D. Urraca, rainha de Leão e Castela[1], se irritou com o facto de o Papa Pascoal II ter endereçado uma carta a sua meia-irmã D. Teresa na qualidade de Rainha de Portugal.
 
Sim, desde então que Portugal é uma espinha atravessada na garganta espanhola e se nós hoje nos preocupamos com estratégias de defesa, tempos houve em que o ataque foi a norma portuguesa. No sentido bélico, sempre tivemos que reagir à agressão castelhana; no sentido diplomático, foram muitas as tentativas para estabelecer a União Ibérica sob o controlo do trono português. Contudo, a única vez que tal ocorreu foi no sentido inverso ao sonhado pelos reis portugueses e, mesmo assim, Filipe II de Espanha viu-se obrigado a grandes subornos para alcançar os seus desígnios. Ficou célebre a sua expressão quando disse do trono de Portugal que «herdei-o, comprei-o e paguei-o».
 
Conscientes da pequenez portuguesa face ao vizinho terrestre, cedo os nossos dirigentes compreenderam que Portugal teria que ganhar dimensão ultramarina para poder enfrentar a espada espanhola. Essa epopeia começou em Ceuta no ano de 1415 mostrando que não temíamos a parede que o mar então representava.
 
A conquista de um Império foi a garantia da soberania nacional; a manutenção desse Império foi a razão de ser de Portugal como Nação soberana; a perda desse Império poderia muito provavelmente significar a passagem a mera região espanhola.
 
Não vamos agora ajuizar sobre as alternativas evolucionistas que durante o século XX se poderiam ter colocado; basta-nos constatar que essa era a visão histórica que prevaleceu até que Salazar formou opinião e passado algum tempo chegou ao Poder. O que agora nos interessa é perceber a lógica da decisão tomada em 1961 transcrita na célebre frase: - PARA ANGOLA RAPIDAMENTE E EM FORÇA!
 
Poderia não estar politicamente correcta nas arenas internacionais mas fazia tanto sentido interno quanto a outra polémica frase que dela resultava mas de cariz externo que nos colocava ORGULHOSAMENTE SÓS.
 
Sim, estávamos entre a espada espanhola e a parede americana que tanto cobiçava as riquezas angolanas.
 
Assim foi que nos últimos tempos de governação efectiva, José Gonçalo Correia de Oliveira, Ministro da Economia, se me queixava: - O Doutor Salazar só se interessa por política externa e não dá despacho ao resto do Governo.
 
Um ditador dá sempre despacho e não faz mesmo outra coisa.
 
Seria ele ainda um ditador?
 
Lisboa, Junho de 2009
 
Henrique Salles da Fonseca
 
 
BIBLIOGRAFIA:
 
D. TERESA, A PRIMEIRA RAINHA DE PORTUGAL, Cassotti, Marsilio –
– ed. A esfera dos livros, Lisboa, 1ª edição Junho de 2008


[1] -Por sucessão de sua Pai, o rei D. Afonso VI

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2004
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D