Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

BURRICADAS 59

 

dinheiro, esse desconhecido - II
 
 
v        Há boas razões para que a verdadeira dimensão da crise tenha apanhado tudo e todos de surpresa:
-        Ninguém se tinha apercebido de que uma fatia cada vez maior das responsabilidades entre Bancos (os CDS, por exemplo) não passava pelo sistema interbancário - e, por consequência, não estava registada nos livros dos Bancos Centrais;
-        O volume dos créditos recíprocos entre Bancos era, por isso, muito superior àquele que os Bancos Centrais imaginavam;
-        Essa teia de créditos cruzados saltava fronteiras – e isso também não aparecia nos livros de nenhum Banco Central;
-        Mas, acima de tudo, os Bancos em melhor estado, com as barbas chamuscadas, começaram a levar muito a sério os preceitos do Basileia II, tornaram-se hipersensíveis ao risco e preocuparam-se em preservar a todo o custo as suas bases de capital.
v        Na realidade, o Basileia II veio fixar uma relação estreita entre Capitais Próprios e risco. Hoje, os Bancos estão obrigados: (1) a divulgar regularmente os riscos a que se encontrem expostos e as perdas que esperam sofrer em consequência desses riscos; (2) a dispor de Capitais Próprios adequados às perdas não provisionadas que daí possam resultar; (3) a tratar os Bancos contrapartes como outras mais entidades causadoras de risco.
v        Perante isto:
-        Os “Bancos em melhor estado” tudo têm feito para proteger os seus Capitais Próprios, e é natural que procedam com cautela, que não se exponham a novos riscos, até verem em que param as modas (atitude tanto mais sensata quando era, e é previsível que os Bancos aflitos vão ter de vender ao desbarato alguns activos bastante apetitosos);
-        Os “Bancos aflitos”, esses, querem, primeiro, pôr as suas casas em ordem (o que significa reforçar Capitais Próprios e reduzir a exposição ao risco), antes de retomarem o business as usual.
v        Daí, esta paragem súbita nas operações de crédito bancário a que se assiste – cujo efeito imediato só poderia ser o que está à vista: a contracção da oferta de ME e, consequentemente, do volume de dinheiro em circulação (as operações de crédito bancário são a principal fonte de emissão do dinheiro que circula). Por uma vez, desde há muitos anos, a ME extingue-se a um ritmo superior àquele a que vai sendo criada.
v        E foi assim que a crise saltou do interior do sistema interbancário, onde pontua um reduzido bando de cartolas, para a esfera real da economia, atingindo-nos a todos, de uma maneira ou de outra.
v        Num ápice, ficou evidente que o volume e a distribuição dos dinheiros, quer no interior do sistema interbancário (MEBC), quer entre pessoas e empresas (MF e ME), conta – e conta muito (contrariando o que a teoria económica vem tentando demonstrar desde há décadas).
v        E começa a ser claro, também, que as taxas directoras dos Bancos Centrais, como instrumentos de política monetária, não têm, afinal, as virtudes mágicas que se lhes atribuía:
-            Entre elas e aquilo que o endividamento custa ao comum mortal está o risco e o preço do risco – variáveis que as Autoridades Monetárias mal conseguem influenciar;
-            Quando muito, as taxas directoras estimulam, ou demovem, a procura de dinheiro - mais a procura por Bancos (MEBC) do que por pessoas e empresas (ME);
-            A oferta de ME (o grosso do volume do dinheiro em circulação, recordo) tem, afinal, um limite – aquele que é fixado simultaneamente pelos Capitais Próprios dos Bancos (um limite prudencial) e pela atitude de cada Banco face ao risco (este, um limite eminentemente comportamental, logo, volátil);
v        Por outro lado, a MEBC que é injectada nos Bancos só pode extravasar para a esfera real da economia sob a forma de ME. Ora, a ME que aumenta o volume de dinheiro em circulação é só aquela: (1) que tem origem nas operações de crédito bancário; (2) que corresponde ao endividamento de pessoas e empresas (o endividamento é uma das maneiras de a procura de dinheiro ficar satisfeita); (3) que é a outra face do risco de crédito a que os Bancos ficam expostos; (4) que cativa (ou “consome”) Capitais Próprios.
v        Acontece porém que, desde há anos, boa parte do consumo final assenta no endividamento: casas, automóveis, bens duradouros, gadgets electrónicos, turismo (só para dar alguns exemplos conhecidos), tudo é adquirido com recurso ao endividamento.
v        Visto sob outro ângulo, indústrias (em sentido amplo) há com grande peso no PIB e no emprego que serão forçadas a reduzir em muito o nível de actividade (ou mesmo a encerrar), se os compradores finais não encontrarem Bancos dispostos a financiá-los.
v        E a recessão terá dado assim os primeiros passos, começando por atingir com grande severidade toda a fileira dessas tais indústrias que, mesmo sem estarem elas próprias especialmente endividadas, dependem do crédito bancário para escoarem as suas produções.
v        A recessão é, então, uma fatalidade? É. Pelo menos naqueles países e naquelas regiões onde toda a actividade económica gire em torno de indústrias cuja procura final só é solvente se for financiada - e naquelas economias, como a portuguesa, onde o endividamento de empresas e pessoas seja excessivo.
v        A diluição do sobre-endividamento é condição sine qua non para que as economias vençam a recessão e para que a estabilidade regresse aos sistemas interbancários. Um processo mais ou menos doloroso, conforme o grau de endividamento, a maior ou menor capacidade competitiva do sector de bens transaccionáveis, o nível de capitalização dos Bancos (face aos riscos que os seus Balanços abriguem) e a habilidade de quem governar.
v        Poderão os “Bancos em melhor estado” refugiar-se indefinidamente em aplicações sem risco? Não – e este é o lado bom da questão. Dificilmente, as aplicações sem risco permitirão aos Bancos (excepção feita a um ou outro Banco boutique) pagar as suas estruturas (sempre pesadas) e remunerar decentemente os seus accionistas (sempre insatisfeitos).
v        O que é dizer: em breve, os Bancos terão de regressar ao mercado e terão de voltar a correr riscos – mesmo que a ideia os não entusiasme por aí além. Se quiserem permanecer solventes e rentáveis, não têm outro caminho. (cont.)
 
Junho de 2009
 
 A. Palhinha Machado

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D