Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

REFLECTINDO...

 

 
 
1. CAMPANHA PIMBA
 
 
Porque em Portugal continua a ser impossível a emergência de um grito de revolta liberdadeiro, como se expressa no chamado partido pirata da democracia sueca (http://www.piratpartiet.se), sou obrigado a sorrir entristecidamente com a polémica que rodeia o imposto “vital”, quase tão nebuloso para as massas que vão às feiras, quanto o testamento homónimo que o parlamento aprovou.
 
Noto que, na verdade, já pagamos impostos europeus, sem qualquer clandestinidade, desde a hora da adesão. Porque toda transferência de soberania para uma comunidade política supra-estadual implica a inevitável democracia fiscal desta, apenas lamentando não haver um adequado imposto mundial que bem poderia incidir sobre as transacções bolsistas, conforme propostas de um prémio Nobel. Um qualquer federalista ou um qualquer adepto de certos segmentos de república universal não pode desejar outra coisa, caso não padeça do pecado da hipocrisia.
 
Claro que o Professor Vital, ao pisar o risco dos qualificativos serenos e ao confundir o partido concorrente com as zonas de roubalheira, ficou tão excitado que até trocou o Leste com o Oeste alentejanos dizendo que as Minas de São Domingos são as de Aljustrel, talvez porque no subconsciente estavam as dos romances do volfrâmio de mestre Aquilino Ribeiro, que até rimam com Cova da Beira. Naturalmente, o adversário chama um figo a esses jogos florais e, com o verrinoso da Foz do Douro, mas sem pronúncia à moda do Norte, replicará com nova facada verbal, para que Manuel Alegre conclua, e muito bem, que nenhum deles está a querer discutir o mandato para a Europa que pedem ao povo. Por estas e por muitas outras, somos obrigados a concluir que esta campanha não tem passado de um péssimo filme de série B, dependente das cenas de outras longas metragens, desde o BPN ao abortado parto da eleição do novo Provedor de Justiça, neste mais do mesmo que nos vai minguando em entusiasmo cívico.
 
 
2. NACIONALISTA E FEDERALISTA
 
 
Europeu, num qualquer canto de Portugal, assumo o projecto das doze estrelas como uma nação de nações e não como um rolo compressor apátrida que, ao unidimensionalizar-nos, como súbditos de uma hierarquia das potências, incluindo a das multinacionais partidárias, nos faz esquecer o essencial de um projecto de uma democracia de muitas democracias, que não pode ficar-se pela retórica de um qualquer tratado que paire acima dos cidadãos como papagaio de papel.
 
Pior ainda se transformarmos o Parlamento Europeu num caixote doirado da história do PREC, ou num museu de figuras de cêra da nostalgia revolucionária, para onde se mandam reservistas como prémio de fim carreira, ou simples emplastros que se escondem atrás dos cabeças de lista. Infelizmente, o PS, o CDS e o PSD, essas secções domésticas da oligarquia multinacional partidária que esmaga o sonho dos pais-fundadores da Europa, quase estão a jogar para o empate, a fim de não descerem de divisão, reduzindo o voto a mero cheque em branco e escondendo um programa tão clandestino quanto a falta de cumprimento da palavra dada sobre o referendo, só porque o tratado foi “porreiro, pá!”.
 
Este défice de povo nunca poderá ser disfarçado por uma multidão de dois mil camaradas em excursão, com enganos de agenda numa qualquer feira do queijo, ou com o recato de uns colóquios de alcatifa e "zoom" de telejornal, para uma qualquer frase da noite, perante uma centena de convidados. Ao menos Jerónimo esmagou, expressando a sua soberania de rua com oitenta e cinco mil manifestantes, coisa que só os cem mil devotos de Nossa Senhora de Fátima conseguem igualar. 
 
Preferia discutir as pluralidades de pertenças das saudades de futuro, dado que só através da nação podemos enraizar a urgente super-nação de uma Europa como república maior, a caminho da urgente república universal, porque podemos, como o País Basco ou a Catalunha, ser simultaneamente nacionalistas e federalistas, sem cedermos ao populismo e às ditas extremas reaccionárias, ou revolucionárias, com que nos desesperam algumas candidaturas lusitanas.
 
 
3. PIRRO VENCERÁ!
 
Quando o pelotão da campanha ainda continua em berraria, por causa do mensurável empate técnico, é natural o exagero de propaganda dos que esperam o falso sebastianismo de uma vitória ao “sprint” por um qualquer Pirro, do PS ou do PSD. Aliás, quase todos os outros povos das sete partidas da Europa têm atestado a mesma indiferença por uma entidade que quer assumir a democracia de um modelo, mas que é manipulada pela tecnoburocracia da comissão, enquanto, nos interstícios, se regressou claramente ao directório das potências, neste projecto europeu de muitas velocidades e outras tantas hipocrisias.
 
Embora se confirme que continuaremos o país mais hipocritamente à esquerda da Europa, sofrendo as agruras da desertificação dos restos de meritocracia, parece inevitável que, por cá, persistirão os estrategistas da derrota, clamando que o “welfare” dos outros vai subsidiar a preguiça da nossa privatização de lucros, com nacionalização dos prejuízos, em regime de rotativismo de devoristas. A Europa do bismarckiano aparelho de poder, assente num formidável modelo de principado, está definitivamente usurpada por uma clandestina hierarquia neofeudal que esmaga as repúblicas. E a partidocracia multinacional, que aqui tem como simples secções o PS, o PSD, o CDS e o MPT, apenas confirma que estes feitores dos ricos são mais sintomas do que causas de uma entropia, plena de lixo.
 
Os habituais caçadores de eurocépticos e anti-europeístas ficaram, portanto, desempregados, face ao presente vazio de sonho e de ideia de Europa, pelo que apenas sentimos que, nestes falsos encontros mediatos com os eleitores e contribuintes, a que chamam eleições europeias, são mais eficazes as espadas da barganha e da pressão, mesmo que desembainhadas desajeitadamente pelo propagandismo da cartilha situacionista da santa aliança do pensamento único, a que nos deu a falsa constituição europeia e o frustrado tratado do Mar da Palha.
 
  José Adelino Maltez
 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D