Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Burricadas 58

 

dinheiro, esse desconhecido – I
 
v        No meio de uma crise que se alimenta de dinheiro, afinal o que é o dinheiro - esse figurão que nos arrasta de crise em crise, seja ele pouco ou muito?
v        Antes de avançar neste terreno minado por tanto preconceito míope, dois conceitos úteis: poder liberatório (o poder de extinguir dívidas independentemente da vontade dos respectivos credores) e funções monetárias (que sublinham o facto de o poder liberatório se manifestar como contraprestação em qualquer troca mercantil, seja em que momento for). Função monetária é, pois, isto: servir de meio geral de troca e de reserva de valor.
v        Primeira grande surpresa, Leitor: Por cá, como por esse mundo fora, não há dinheiro, há dinheiros. E, excepção feita às moedinhas metálicas (ou “de trocos”), dinheiro é sempre um passivo, uma dívida, uma responsabilidade à vista de alguém: de um Banco Central ou de Bancos Comerciais (apropriadamente designados por Outras Instituições Monetárias).
v        O passivo com funções monetárias do Banco Central assume duas formas: (1) a vulgar “nota” (Moeda Fiduciária /MF) a que todos têm acesso - e que é um meio de pagamento absolutamente impessoal; (2) a Moeda Escritural do Banco Central (MEBC) que só os Bancos por ele supervisionados podem deter - e cuja utilização deixa sempre um rasto contabilístico.
v        Por sua vez, os passivos com funções monetárias dos Bancos (os depósitos à ordem) são inevitavelmente registos contabilísticos (Moeda Escritural /ME) em nome de entidades que não são Bancos – registos que não é possível movimentar anonimamente.
v        A esfera nominal de uma economia é, assim, formada por duas regiões: numa, o sistema interbancário, onde apenas o Banco Central e os Bancos têm assento – aí, só a MEBC possui funções monetárias; na outra, aberta a todos, Bancos e não Bancos, circulam, com iguais funções monetárias, a ME e a MF (que, somadas, fazem o volume de dinheiro em circulação) - livremente convertíveis, sem qualquer custo, na relação de 1:1.
v        Antigamente, quando um Banco Central queria injectar dinheiro na economia, fazia-o emitindo, principalmente, MF - o que implicava a impressão de notas (vem daí dizer-se, hoje ainda, “imprimir dinheiro”, “pôr as impressoras a trabalhar”, etc.).
v        E procedia assim por dois excelentes motivos: (1) os empréstimos entre Bancos eram raros (o sistema interbancário tinha uma expressão residual); (2) o dinheiro faltava porque pessoas e empresas acorriam aos Bancos para retirar o seu dinheiro (tecnicamente: num lapso de poucos dias, quase toda a ME era convertida em MF). Foi assim em 1929.
v        Na presente crise, tudo se passou de modo diferente:
-            Não houve ainda uma “corrida aos Bancos” (salvo os casos do Northern Rock, Indymac e poucos mais);
-            O sistema interbancário é, agora, extremamente denso, com os Bancos a emprestarem, continuamente, dinheiro uns aos outros em quase todos os prazos;
-            A falta de dinheiro começou, é certo, em quem não conseguia pagar aos Bancos aquilo que lhes devia, mas só veio à luz do dia no âmbito do sistema interbancário - com alguns Bancos a falharem pagamentos a outros Bancos;
-            O incumprimento anunciado de alguns Bancos de grande porte ameaçava desencadear incumprimentos em série (crise sistémica) e provocar o colapso de todo o sistema interbancário e, por arrastamento, do próprio sistema de pagamentos.
v        Perante um cenário destes, onde a falta que se fazia sentir era de MEBC, “imprimir dinheiro” (emitir MF) seria completamente inútil. O que havia a fazer era emitir MEBC para permitir que, no interior do sistema interbancário, os empréstimos que se iam vencendo fossem pontualmente pagos. É isto que os Bancos Centrais têm andado a fazer sem descanso, de há quase dois anos a esta parte.
v        Se, afinal, tudo se resumia a colocar uns quantos Bancos em condições de pagar pontualmente a outros Bancos, se para isso era necessário injectar dinheiro (MEBC) nos Bancos mais periclitantes, se doses astronómicas de dinheiro (MEBC) têm sido de facto injectadas a torto e a direito - porque é que a crise não é já coisa do passado? (cont.)
Junho de 2009
 
 A. Palhinha Machado
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D