Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS - XVII

 

 
Anno Elécti. - IV
 
Carta Aberta a todos os Eleitos e a um em especial, o Senhor actual primeiro-ministro:
 
Parte I
 
É Vossa Excelência, o Lídimo dos Eleitos!
 
Não vou fazer deste texto epistolar um comício, porque ao contrário do nosso Fernando Pessoa e parafraseando-o, dentro de mim, não me apetece fazer um comício. Não vou, por isso, usar o tom fácil do palavreado populista da esquerda intelectual; nem o tom castiço e caceteiro dos saudosos da cortina de ferro que se esfumou; nem o tom dos surdos como portas ou o cochichar dos melros europeístas. Tão pouco farei uso do tom, melhor diria do som de gavetas a fecharem-se sobre a papelada eleitoral de promessas convenientemente oportunas e atractivas, em que, pelo seu incumprimento, se vilipendiou a boa fé dos eleitores e das ideologias social democrata e socialista, para gáudio dos saudosistas das ditaduras; ardentemente, desejosos de modelos fasciszantes que nos conduzam os nossos destinos ansiosos por nos privar da nossa Liberdade. Venho, pois, falar-lhe a si, Eleito nº 1, e a todos os outros Eleitos, de medidas políticas; não de promessas, porque não é tempo de promessas, mas de acção. E aponto medidas políticas que deveriam constituir a matriz das tarefas inadiáveis dos Eleitos do meu País.
 
A primeira medida que cobro de V. Exª é a de pôr ordem no caos do nosso “ordenamento” jurídico. E esta medida é tão necessária e urgente como é sabido que um sistema jurídico-político, social e de justiça não sobrevive ao caos legislativo. Urge identificar, objectivamente, o Legislador; essa figura etérea que vive no limbo da consciência colectiva e que se metamorfoseou de tal forma que se lhe desconhece o ADN. E porquê? Porque a produção das leis é de tal maneira atrapalhada, casuística e confusa que as normas se sobrepõem sem coerência sistémica. Os Códigos deixaram de ser Códigos para se transformarem num monte de papelada avulsa sem nexo. Elaboram-se leis, não em função do saber geral de experiência comum feito e que tenham reflexo na Comunidade e o que desta elaboração, esta (a Comunidade) espera; mas, ao que parece, de casos concretos (será?), violando os sagrados princípios do Direito que são o da abstracção e da generalidade; recaindo sobre a Lei a perigosa suspeita de que é elaborada com algum objectivo concreto de beneficiar alguém, permitindo dar contornos reais à veracidade da célebre história da vírgula. E a redacção das normas? O Legislador não apresenta sinais de cultura básica, nem sabe de escrever na língua mater.
 
 
Em resumo, Lídimo Cidadão Eleito, é imprescindível controlar o Legislador, sobre esta matéria da língua escrita, criando no Parlamento uma Comissão Técnica de Redacção constituída, tão somente, por peritos em língua portuguesa e cuja “luz verde” seria obrigatória antes da publicação de qualquer diploma. É necessário criar, também, outra Comissão no Parlamento constituída, apenas, por juristas qualificados, que seria uma Comissão com as funções de evitar a sanha produtiva do Legislador que dispara normas a esmo sobre as mesmas matérias e algumas, claramente, contraditórias e antes que estas normas fossem dadas à estampa da publicação no Diário da República, com o único objectivo de ordenar o sistema jurídico de forma a dar-lhe coerência sistémica e sairmos do caos ora instalado, prejudicando a imagem e acção da Justiça, em especial, e do Legislador, em particular. Sei que as Comissões especializadas do Parlamento já existem, mas não com a performance que idealizo para estas. Sei que só podem ser constituídas por Eleitos, mas, nada impede que sejam convidados técnicos para as várias áreas do saber e que sejam remunerados dignamente para assessorem tecnicamente os Senhores Deputados, a quem a sua qualidade de Eleitos não lhes confere, nem se lhes exige todo o saber e omnisciência. E, por favor, não escolham Amigos; escolham gente capaz. Havendo gente capaz entre os Amigos não me repugna a escolha, desde que esta seja baseada em princípios éticos e competência profissional...
 
Deixo Vossa Excelência com o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende:
 
Não sei quem possa viver
neste reino já contente,
pois a desordem na gente
não quer leixar de crescer;
a qual vai tão sem medida
que se não pode sofrer:
não há i quem possa ter boa vida”.(*)
 
O trovador Duarte da Gama, não teria hoje a mesma concepção e, concluindo, trovaria assim: “Por esta cousa há i quem possa ter boa vida“.
 
 
Os meus respeitosos cumprimentos.        
 
 
 
 Luís Santiago
 
(*) Trovas de Duarte da Gama, pág. 330 do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, Editora Ulisseia e Editorial Verbo, colecção Clássicos Verbo, 2006, introdução de Maria Ema Tarracha Ferreira.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D