Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS - XVII

 

 
Anno Elécti. - IV
 
Carta Aberta a todos os Eleitos e a um em especial, o Senhor actual primeiro-ministro:
 
Parte I
 
É Vossa Excelência, o Lídimo dos Eleitos!
 
Não vou fazer deste texto epistolar um comício, porque ao contrário do nosso Fernando Pessoa e parafraseando-o, dentro de mim, não me apetece fazer um comício. Não vou, por isso, usar o tom fácil do palavreado populista da esquerda intelectual; nem o tom castiço e caceteiro dos saudosos da cortina de ferro que se esfumou; nem o tom dos surdos como portas ou o cochichar dos melros europeístas. Tão pouco farei uso do tom, melhor diria do som de gavetas a fecharem-se sobre a papelada eleitoral de promessas convenientemente oportunas e atractivas, em que, pelo seu incumprimento, se vilipendiou a boa fé dos eleitores e das ideologias social democrata e socialista, para gáudio dos saudosistas das ditaduras; ardentemente, desejosos de modelos fasciszantes que nos conduzam os nossos destinos ansiosos por nos privar da nossa Liberdade. Venho, pois, falar-lhe a si, Eleito nº 1, e a todos os outros Eleitos, de medidas políticas; não de promessas, porque não é tempo de promessas, mas de acção. E aponto medidas políticas que deveriam constituir a matriz das tarefas inadiáveis dos Eleitos do meu País.
 
A primeira medida que cobro de V. Exª é a de pôr ordem no caos do nosso “ordenamento” jurídico. E esta medida é tão necessária e urgente como é sabido que um sistema jurídico-político, social e de justiça não sobrevive ao caos legislativo. Urge identificar, objectivamente, o Legislador; essa figura etérea que vive no limbo da consciência colectiva e que se metamorfoseou de tal forma que se lhe desconhece o ADN. E porquê? Porque a produção das leis é de tal maneira atrapalhada, casuística e confusa que as normas se sobrepõem sem coerência sistémica. Os Códigos deixaram de ser Códigos para se transformarem num monte de papelada avulsa sem nexo. Elaboram-se leis, não em função do saber geral de experiência comum feito e que tenham reflexo na Comunidade e o que desta elaboração, esta (a Comunidade) espera; mas, ao que parece, de casos concretos (será?), violando os sagrados princípios do Direito que são o da abstracção e da generalidade; recaindo sobre a Lei a perigosa suspeita de que é elaborada com algum objectivo concreto de beneficiar alguém, permitindo dar contornos reais à veracidade da célebre história da vírgula. E a redacção das normas? O Legislador não apresenta sinais de cultura básica, nem sabe de escrever na língua mater.
 
 
Em resumo, Lídimo Cidadão Eleito, é imprescindível controlar o Legislador, sobre esta matéria da língua escrita, criando no Parlamento uma Comissão Técnica de Redacção constituída, tão somente, por peritos em língua portuguesa e cuja “luz verde” seria obrigatória antes da publicação de qualquer diploma. É necessário criar, também, outra Comissão no Parlamento constituída, apenas, por juristas qualificados, que seria uma Comissão com as funções de evitar a sanha produtiva do Legislador que dispara normas a esmo sobre as mesmas matérias e algumas, claramente, contraditórias e antes que estas normas fossem dadas à estampa da publicação no Diário da República, com o único objectivo de ordenar o sistema jurídico de forma a dar-lhe coerência sistémica e sairmos do caos ora instalado, prejudicando a imagem e acção da Justiça, em especial, e do Legislador, em particular. Sei que as Comissões especializadas do Parlamento já existem, mas não com a performance que idealizo para estas. Sei que só podem ser constituídas por Eleitos, mas, nada impede que sejam convidados técnicos para as várias áreas do saber e que sejam remunerados dignamente para assessorem tecnicamente os Senhores Deputados, a quem a sua qualidade de Eleitos não lhes confere, nem se lhes exige todo o saber e omnisciência. E, por favor, não escolham Amigos; escolham gente capaz. Havendo gente capaz entre os Amigos não me repugna a escolha, desde que esta seja baseada em princípios éticos e competência profissional...
 
Deixo Vossa Excelência com o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende:
 
Não sei quem possa viver
neste reino já contente,
pois a desordem na gente
não quer leixar de crescer;
a qual vai tão sem medida
que se não pode sofrer:
não há i quem possa ter boa vida”.(*)
 
O trovador Duarte da Gama, não teria hoje a mesma concepção e, concluindo, trovaria assim: “Por esta cousa há i quem possa ter boa vida“.
 
 
Os meus respeitosos cumprimentos.        
 
 
 
 Luís Santiago
 
(*) Trovas de Duarte da Gama, pág. 330 do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende, Editora Ulisseia e Editorial Verbo, colecção Clássicos Verbo, 2006, introdução de Maria Ema Tarracha Ferreira.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D