Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PERPLEXIDADE DA CRISE

 Timothy Geithner

Secretário do Tesouro americano

 
 
E afinal vamos ter inflação? Paul Krugman diz que não (IHT, 30/05). Os bancos recebem dinheiro do estado em troca dos produtos tóxicos mas não usam esse dinheiro para aumentar o crédito aos clientes. Contabilizam o prejuízo (os accionistas que paguem) e devolvem o dinheiro ao Estado, mediante compra de obrigações do Tesouro. Portanto, o estado não imprime dinheiro, nem vai precisar de o fazer uma vez que o processo decorre sem agravamento exorbitante da dívida pública.
 
Muito bonito, mas falta aqui uma peça. O estado trocou activos líquidos – dinheiro – por activos de valor duvidoso quase certamente nulo  – dívidas incobráveis. Quem vai suportar o prejuízo? O contribuinte, claro; não há alternativa. Teremos então aumento de impostos em vez de inflação galopante.
 
E não só. Floyd Norris, o analista de estatísticas, mostra que a ”maldade” dos empréstimos bancários não cessa de se agravar. Não porque os bancos façam novos empréstimos de risco mas porque os que anteriormente eram normais tornaram-se duvidosos por mor da crise. São efeitos danosos de segunda geração que nos põem de sobreaviso. O túnel mantém-se escuro. Continuamos a caminhar de surpresa em surpresa. A ciência económica, pelos vistos,  ainda não ultrapassou a fase do palpite.
 
 Luís Soares de Oliveira
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D