Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 9

FASCISMO NUNCA MAIS!

 

 

 

 

Conta-se que Dino Grandi[1]– Ministro dos Negócios Estrangeiros de Itália sob a égide de Mussolini e Presidente do Grande Conselho Fascista – terá chegado a dizer que «fascismo é a prática do improviso resultante da prodigiosa imaginação do Duce».
 
Toda a teorização é balofa perante esta definição.
 
O conceito de Estado, a subjugação da pessoa, o corporativismo, etc., foram «coisas» que Mussolini empiricamente fez para controlar o Poder e depois foi à procura duma justificação teórica. A verdade, contudo, terá estado na boca de Grandi. E só na dele.
 
Ora, se o pensamento crítico se caracteriza fundamentalmente pela ultrapassagem dos limites definidos pelas opções tradicionais contidas no dogma, estamos neste caso perante a imposição de uma situação dogmática – o Poder pessoal de Mussolini – cujos limites são ab initio desconhecidos mas a quem posteriormente (depois da imposição consumada) se procura atribuir algum enquadramento histórico e definir conteúdos. E isso é feito de preferência num plano abstracto para desse modo se pintar um cenário de teorização. Uma impostura em que são as consequências que definem a causa; inversão lógica, empirismo grosseiro. Total ausência de valor científico e processo repulsivo para qualquer hipótese de um eventual enquadramento académico.
 
O capricho do ditador, a ausência de norma que pudesse condicionar esse capricho, eram a pedra fundamental do regime fascista; o contrário do Estado de Direito, o oposto integral da equidade. Apenas uma regularidade: a arbitrariedade.
 
Nesta mesma categoria se enquadraram Hitler, Staline, Franco, Bocassa; Helena Ceauscescu, Chiang Ching (última mulher de Mão Tsé Tung) e Eva Péron cujos maridos oficialmente detinham o Poder mas que, afinal, eram elas a exercer com a maior impunidade. Abstenho-me de citar outras más fortunas que a Humanidade suportou…
 
Todos estes pesadelos alcançaram o Poder e definiram um dogma que consistia na sua própria detenção desse mesmo Poder. Baniram o pensamento crítico e quando ele ousou mostrar-se liquidaram-no tão radicalmente quanto julgaram necessário para a manutenção do dogma. A essência da missão era a manutenção do Poder e para que isso acontecesse tudo se justificava. Não olhar a meios para alcançar o objectivo, eis uma característica da prática fascista.
 
Passados aqueles ditadores em revista, reconhecemos-lhes uma característica comum: baixíssima intelectualidade. Apenas Franco possuía alguma instrução.
 
Todos aqueles casos malévolos foram revolucionários e invocaram a revolução para manterem viva a chama do Poder. Mas a partir do momento em que um novo padrão se define, a revolução morre e a vida passa a pautar-se nessa nova conformidade.Eis por que não faz qualquer espécie de sentido a gritaria tão habitual do género A revolução continua!Ora, se impuseram o seu padrão e o conservaram, então deixaram de ser revolucionários e passaram a ser conservadores – conservadores do seu próprio padrão, o vitorioso. Assim se cai no fascismo, o tal que não tem lado direito ou esquerdo e que se define apenas pelo capricho em total antinomia com o Estado de Direito.
 
Por tudo isto, clamo: - FASCISMO NUNCA MAIS!
 
Logicamente, excluo Salazar da categoria que venho referindo. E faço-o por várias razões a que me referirei mais logo…
 
Lisboa, Maio de 2009
 
 Henrique Salles da Fonseca


[1] - Mordano, 4 de Junho de 1895 — Bolonha, 21 de Maio de 1988

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D