Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 8

 

TOMÁS DA FONSECA - IV
 
 Clique na imagem para a ampliar
Abel Salazar com Tomás da Fonseca
 
Chegado à vida com o propósito de contribuir para a modernização da sociedade portuguesa, trazia na sua bagagem uma forte moral cristã, uma opinião muito negativa quanto à acção social da Igreja e um empenhado anti-clericalismo, uma Fé totalmente abalada e uma profunda adesão ao conceito republicano da «liberdade, igualdade e fraternidade».
 
Com forte pensamento crítico sobre os dogmas nacionais, não hesitou em colaborar na busca de novos caminhos que conduzissem Portugal ao ressurgimento. Mas considerando que o dogma fornece coordenadas que permitem a exploração de vias potencialmente caóticas, nunca abdicou da ética por que se regeu desde a infância e navegou com relativa serenidade por entre os escolhos do nihilismo revolucionário em busca das novas regularidades por que pugnava.
 
Assim, firme na defesa das suas ideias e munido de uma coragem moral que desafiou todas as vicissitudes, teve um papel preponderante na geração que fez a República sempre lutando pelos Direitos do Homem como eles muito mais tarde haveriam de ser universalmente declarados pela ONU[1].
 
Em 1910 foi Chefe do Gabinete do primeiro Presidente do Ministério republicano, Dr. Teófilo Braga e em 1916 foi eleito Senador pelo Distrito de Viseu.
 
 
Em 1918, por se opor à ditadura de Sidónio Pais, foi preso durante dois meses na cadeia civil de Coimbra em simultâneo com o seu cunhado José Lopes de Oliveira, período em que se dedicou a ensinar as primeiras letras aos presos de delito comum analfabetos seus companheiros de cela.
 
 
Professor de raros recursos pedagógicos, a sua ligação ao ensino foi um acto contínuo e em 1922 publicou o livro “História da Civilização” que pouco depois foi adoptado como livro escolar. Dentre as grandes questões a que nunca se furtou, ficou famosa a polémica que desenvolveu com João de Deus Ramos sobre o ensino religioso nas escolas.
 
Contando com o apoio de Francisco Grandella, promoveu a instalação de inúmeras escolas primárias de modo a combater o analfabetismo, causa por que pugnou até ao final da vida.
 
Feroz opositor das ditaduras, foi perseguido pelas suas ideias políticas liberais durante o consulado salazarista. Os seus livros foram alvo de censura e proibição. Contudo, nas mais 12 vezes que foi encarcerado não voltou a ser misturado com presos de delito comum e muito se ria com o facto de os próprios guardas prisionais à socapa lhe pedirem autógrafos em exemplares escondidos dos seus livros. Nunca foi torturado e a família sempre foi autorizada a visitá-lo.
 
Associá-lo a qualquer regime totalitário como o PCP[2] tentou, é denegri-lo, apanhá-lo à traição, não respeitar os seus ideais de liberdade absoluta, democracia pluralista, cultura crítica e anti-dogmática.
 
A título póstumo foi-lhe concedida a Ordem da Liberdade[3] e essa, sim, não se confunde com qualquer opção autocrática, monolítica ou obscurantista.
 
Maio de 2009
 
Henrique Salles da Fonseca
 
ALGUMA BIBLIOGRAFIA:

AGIOLÓGIO RÚSTICO, I. Santos da Minha Terra – Contos inspirados em figuras da sua terra natal, Mortágua.
ÁGUAS NOVAS – Peça em 4 actos. "Na esperança de que possa servir de refrigério, tanto aos humildes que têm fome de pão, como aos vencidos com sede de justiça".
ÁGUAS PASSADAS – Compilação de textos sobre a luta anti-clerical.
BANCARROTA – Exame à escrita das agências divinas.
OS DESERDADOS – Poesia, com um prefácio de Guerra Junqueiro.
FÁTIMA – Cartas ao Cardeal Patriarca de Lisboa
FILHA DE LABÃO – romance.  
GUERRA JUNQUEIRO – Como ele escrevia. Considerações sobre o manuscrito de "Os Simples"; cartas inéditas.
A IGREJA E O CONDESTÁVEL – Uma das suas mais procuradas obras.
MEMORIAS DUM CHEFE DE GABINETE – Segundo Lopes de Oliveira, encontram-se nesta obra "não só lembranças do seu passado, da sua nobre vida, mas também eloquentes páginas da própria história da República.”
A PEDIR CHUVA... – Palestra a propósito do uso das orações destinadas à imploração das chuvas em tempo de seca, integrada na «Biblioteca de Fomento Rural»
O PINHEIRO – Palestra aos seus vizinhos da Montanha, 1948, sobre a boa utilização das florestas em Portugal.
O SANTO CONDESTAVEL. Alegações do cardeal diabo – Um dos seus mais polémicos estudos históricos dedicado "Á memória dos mártires que a Inquisição queimou nas fogueiras acesas pela Igreja"
 


[1] - 10 de Dezembro de 1948
[2] - Partido Comunista Português
[3] - Diário da República, 2ª Série, 12 de Dezembro de 1984

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D