Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 8

 

TOMÁS DA FONSECA - IV
 
 Clique na imagem para a ampliar
Abel Salazar com Tomás da Fonseca
 
Chegado à vida com o propósito de contribuir para a modernização da sociedade portuguesa, trazia na sua bagagem uma forte moral cristã, uma opinião muito negativa quanto à acção social da Igreja e um empenhado anti-clericalismo, uma Fé totalmente abalada e uma profunda adesão ao conceito republicano da «liberdade, igualdade e fraternidade».
 
Com forte pensamento crítico sobre os dogmas nacionais, não hesitou em colaborar na busca de novos caminhos que conduzissem Portugal ao ressurgimento. Mas considerando que o dogma fornece coordenadas que permitem a exploração de vias potencialmente caóticas, nunca abdicou da ética por que se regeu desde a infância e navegou com relativa serenidade por entre os escolhos do nihilismo revolucionário em busca das novas regularidades por que pugnava.
 
Assim, firme na defesa das suas ideias e munido de uma coragem moral que desafiou todas as vicissitudes, teve um papel preponderante na geração que fez a República sempre lutando pelos Direitos do Homem como eles muito mais tarde haveriam de ser universalmente declarados pela ONU[1].
 
Em 1910 foi Chefe do Gabinete do primeiro Presidente do Ministério republicano, Dr. Teófilo Braga e em 1916 foi eleito Senador pelo Distrito de Viseu.
 
 
Em 1918, por se opor à ditadura de Sidónio Pais, foi preso durante dois meses na cadeia civil de Coimbra em simultâneo com o seu cunhado José Lopes de Oliveira, período em que se dedicou a ensinar as primeiras letras aos presos de delito comum analfabetos seus companheiros de cela.
 
 
Professor de raros recursos pedagógicos, a sua ligação ao ensino foi um acto contínuo e em 1922 publicou o livro “História da Civilização” que pouco depois foi adoptado como livro escolar. Dentre as grandes questões a que nunca se furtou, ficou famosa a polémica que desenvolveu com João de Deus Ramos sobre o ensino religioso nas escolas.
 
Contando com o apoio de Francisco Grandella, promoveu a instalação de inúmeras escolas primárias de modo a combater o analfabetismo, causa por que pugnou até ao final da vida.
 
Feroz opositor das ditaduras, foi perseguido pelas suas ideias políticas liberais durante o consulado salazarista. Os seus livros foram alvo de censura e proibição. Contudo, nas mais 12 vezes que foi encarcerado não voltou a ser misturado com presos de delito comum e muito se ria com o facto de os próprios guardas prisionais à socapa lhe pedirem autógrafos em exemplares escondidos dos seus livros. Nunca foi torturado e a família sempre foi autorizada a visitá-lo.
 
Associá-lo a qualquer regime totalitário como o PCP[2] tentou, é denegri-lo, apanhá-lo à traição, não respeitar os seus ideais de liberdade absoluta, democracia pluralista, cultura crítica e anti-dogmática.
 
A título póstumo foi-lhe concedida a Ordem da Liberdade[3] e essa, sim, não se confunde com qualquer opção autocrática, monolítica ou obscurantista.
 
Maio de 2009
 
Henrique Salles da Fonseca
 
ALGUMA BIBLIOGRAFIA:

AGIOLÓGIO RÚSTICO, I. Santos da Minha Terra – Contos inspirados em figuras da sua terra natal, Mortágua.
ÁGUAS NOVAS – Peça em 4 actos. "Na esperança de que possa servir de refrigério, tanto aos humildes que têm fome de pão, como aos vencidos com sede de justiça".
ÁGUAS PASSADAS – Compilação de textos sobre a luta anti-clerical.
BANCARROTA – Exame à escrita das agências divinas.
OS DESERDADOS – Poesia, com um prefácio de Guerra Junqueiro.
FÁTIMA – Cartas ao Cardeal Patriarca de Lisboa
FILHA DE LABÃO – romance.  
GUERRA JUNQUEIRO – Como ele escrevia. Considerações sobre o manuscrito de "Os Simples"; cartas inéditas.
A IGREJA E O CONDESTÁVEL – Uma das suas mais procuradas obras.
MEMORIAS DUM CHEFE DE GABINETE – Segundo Lopes de Oliveira, encontram-se nesta obra "não só lembranças do seu passado, da sua nobre vida, mas também eloquentes páginas da própria história da República.”
A PEDIR CHUVA... – Palestra a propósito do uso das orações destinadas à imploração das chuvas em tempo de seca, integrada na «Biblioteca de Fomento Rural»
O PINHEIRO – Palestra aos seus vizinhos da Montanha, 1948, sobre a boa utilização das florestas em Portugal.
O SANTO CONDESTAVEL. Alegações do cardeal diabo – Um dos seus mais polémicos estudos históricos dedicado "Á memória dos mártires que a Inquisição queimou nas fogueiras acesas pela Igreja"
 


[1] - 10 de Dezembro de 1948
[2] - Partido Comunista Português
[3] - Diário da República, 2ª Série, 12 de Dezembro de 1984

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D