Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Pirataria de hoje e de ontem

  

 
 
 
Notícias veiculadas recentemente na mídia têm levado a público o retorno de uma actividade milenar: a pirataria. O palco, o mar, lugar de difícil controle, os actores, os somali, povo sofrido que passa por enormes dificuldades de pão e de governação desde a queda da ditadura de Mohamed Siad Barre em 1991. Dizem que o que fazem no mar é consequência dos problemas que passam em terra. Porém, não deve ser essa a saída. Seria corrigir um erro com outro erro. Provavelmente a resposta seria devolver-lhes a cidadania. E para isso seria preciso muito trabalho e vontade política, coisa que vai contra interesses de gente que não se importa com a miséria que aflige esse povo.
 
Segundo Peter Lehr, especialista em estudos de pirataria da Universidade St. Andrews na Escócia, a actividade começou com assaltos a cargueiros de um pequeno número de pobres pescadores que viram suas águas contaminadas e sua comunidade arrasada. Com o sucesso da empreitada, passaram a ser patrocinados, com armas sofisticadas, por homens sem lei, que viram a oportunidade de ganho fácil. Hoje, com tanto lucro, são os piratas que financiam os homens de guerra da Somália. Nas cidades base das operações piratas, EYL e HARARDERE, mansões e carrões são ostentados pelos somalis que se utilizam desse meio de vida, contrastando enormemente com o resto da população que vive na pobreza, à espera de ajuda externa. (Revista Veja 22 abril/2009, pg 82).
 
Mas a costa berbere (Tunísia, Argel e Marrocos) tem história antiga de pirataria. Do século XVI ao século XVIII, essa gente cruenta e destemida frequentou as águas do Mediterrâneo e do Atlântico, à caça de riquezas e de cristãos. Pilhavam e levavam cativos para o comércio de escravos ou para futuro resgate, em geral pago pela Fazenda das Coroas Cristãs, pela Igreja e pelos próprios reféns ou /e família.
 
 Após o descobrimento do caminho marítimo para Índias, as rotas e as paragens das naus, abarrotadas de riquezas, ficaram muito visadas. Portugal e Espanha eram as vitimas preferidas daqueles tempos. Os motivos eram vários.  A disputa pela soberania nos mares, a expulsão dos mouros e judeus da Espanha, com a formação de um grupo de gente sem eira e nem beira, a eterna guerra entre cristianismo e o islanismo, a “exclusividade” na exploração das riquezas do Novo Mundo.
Quando os paises ibéricos passaram a ser regidos pela mesma Coroa, os portugueses passaram também a sofrer ataques dos inimigos dos Filipes. Eram os protestantes do norte, os mouros e judeus do mediterrâneo, que passaram a espreitar e a assaltar as rotas atlânticas e a periferia portuguesa, ponto  mais vulnerável e desprotegido do reino. Foi assim que os Açores se
tornaram alvo da pirataria. Quando não conseguiam a gorda presa que vinha das Índias ou das Américas, os piratas, que ficavam longos períodos à espreita no mar, às vezes contentavam-se em saquear as desprotegidas ilhas, quando estas não se associavam a eles, com ajuda de água e víveres. Como no caso exemplar da Ilha das Flores, quando o capitão-mor Tomé de Fraga deu sua filha em casamento, por amor ou por necessidade, ao corsário Peter Easton, quando este frequentava  as águas florentinas. E o que dizer de um vigário do Corvo, que à troca de generosas moedas de ouro, não hesitou em desobedecer às ordens régias e abasteceu o navio do pirata Almeidinha.
 
Os tempos passaram, os danos materiais e humanos foram imensos, mas a pirataria continua sendo o recurso marginal de
românticos, governos e empresas, para explorar os mais vulneráveis, para atingir os seus intentos ou chegar ao lucro fácil, sempre sob a égide da coação e do medo.
 
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 12/05/09
 
Dados:
Revista Veja 22/04/09
O Faial e a Periferia Açoriana (dos séculos XV a XIX)
Ilha das Flores: da redescoberta à atualidade (Francisco Antonio Nunes Pimentel Gomes).
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D