Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS – XV

 

 
Anno Elécti. - II
 

“O Homem pode subir até aos mais altos cumes, mas não pode lá morar por muito tempo” Bernard Shaw, (1856-1950)

 
Somente aos mortos é permitido que se diga a verdade”. Mark Twain, já citado no meu último texto, tem razão, na sua sempre mordaz e acutilante ironia (*). Quando soubermos a verdade, mesmo verdade, sobre todas estas patifarias políticas que nos vêm sendo feitas já cá não estaremos; todas estas trapalhices serão contadas às nossas gerações futuras e só quando a História der lugar ao Conhecimento esclarecido e expurgado dos “contos de fadas” que proliferam na nossa História oficial. Bernard Shaw, citado neste texto, defensor de um socialismo que não este “socratismo”, não conhecia a figura do político português pós Estado Novo.
 
 
O político português pós Estado Novo veio para subir até aos mais altos cumes do interesse pessoal, para ficar ad aeternum no poder, partilhá-lo apenas com os amigosemorar por cá muito tempo. Escrito isto, venho recordar o que afirmei, neste blog, em 18 de Setembro de 2008, atitude em que continuo a insistir e acreditar: é preciso “Mudar o sistema político eleitoral”. O nosso óbice é que vimos a adiar esta premente tarefa, (que é difícil, claro!) de enfrentar a mudança. Não o fazer, já não é problema de apenas meia dúzia, mas, de todos nós, como sociedade responsável, como, aliás, muito bem destaca o Senhor Coronel Adriano Miranda Lima, no seu primeiro comentário ao meu texto anterior (PI XIV). E, seguindo o contexto do segundo e imediato comentário do Sr. Coronel, eu gostaria de salientar que as últimas linhas desse meu texto constituíram um apelo e um alerta, um tanto ou quanto piegas e dramático e reconheço-o, não que alguém assim os tivesse classificado; mas, porque é mesmo dramático e é, também, o que sinto na realidade.
 
Compreendo e aceito a exigência que se impõe de a solução ser procurada por todos nós... E se não o for? E se o que é o bom senso comum e o espírito patriótico se tiverem extinguido nesta voragem insana de embriaguez pelo Poder? Ou se destes só restar uma exígua parte tão necessária à força que devemos ter para nos erguer de novo, por colectivamente cansados e desiludidos? Não estaremos a ver a História a repetir-se, só que com outras roupagens? Começo pelos actuais e quinzenais debates parlamentares com o Governo, para lamentar a vazia retórica parlamentarista e a tradição barroca não renovada e recriada do tratamento de tantas excelências para cima e para baixo, para a direita e para a esquerda. Mas, nem isso; a tradição já não é o que era (passe o plágio publicitário). Os parlamentares de antanho, da primeira República tinham um discurso mais profundo, mais erudito, mercê da sua cultura e, não raras vezes, a sua oratória constitui obra prima de bem dizer e escrever português. Mas, na essência da res politica estaremos na mesma.
 
Os sintomas e os tiques são os mesmos na burrice da ausência de diálogo nacional construtivo. Não quiseram, nessa altura, fazer o inteligente sacrifício de se entenderem e abriram as portas ao Estado Novo. Os actuais debates são um “dejá vu” que veio, quiçá, para nos assombrar a memória colectiva. Convinha regressarmos a 1976, à Assembleia Constituinte, à então Constituição da República e às Leis elaboradas à sombra desta. O primeiro grande passo que abriu o caminho à situação em que estamos foi o de os parlamentares constituintes (alguns deles) forçarem e consagrarem no texto constitucional, uma Nação que teria como meta a via para o “Socialismo”, talvez pensassem ingenuamente (?) no socialismo doutrinário e não no socialismo ideológico. O que é facto é que quando foram eleitos, foram-no sem um mandato que expressa e inequivocamente lhes outorgasse essa orientação e essa vontade do Povo Português. Se bem me recordo, só os parlamentares do CDS tiveram a coragem, enfrentando um ambiente hostil, para recusar votar esse anátema antidemocrático imprimido e forçado no texto constitucional de 1976. Isso é passado, a questão foi resolvida, poder-me-ão dizer, mas perdeu-se muito tempo. Só um Povo consciente dos erros que fazem parte da sua memória colectiva, não os renegando, poderá merecer-se um futuro risonho. Tratámos logo no início da nossa jovem existência democrática de renegar Salazar, atirando tudo o que cheirasse a salazarismo para debaixo do tapete.
 
A ponte sobre o Tejo mudou gloriosamente de nome numa noite. O Fado, canção nacional, agora candidata a património cultural da Humanidade, foi companheiro e cúmplice da longa noite fascista, nas afirmações inflamadamente convencidas e “inteligentes” do pensamento “democrático” dominante dos novos senhores do novo apostolado político. Portugal, num ápice, passou a ser uma Nação de “antifascistas”. O Povo Alemão, ao contrário de nós, numa humilde assunção dos seus erros e horrores do passado, expôs ao mundo, corajosamente, Auschwitz, Treblinka, Dachau, entre outras provas da catástrofe mundial que provocaram e de que foram protagonistas. As verdadeiras inteligência e cultura são aquelas que se nos apresentam com humildade!
 
A eficácia da democracia depende da concordância entre o conteúdo programático partidário e a ética social e política da sua execução. No próximo texto continuarei por 1976 e seguintes, a suscitar-vos a atenção para alguns erros que, na minha opinião, não deviam ter acontecido e, também, na minha modesta opinião, as atitudes que devemos tomar para os ultrapassarmos.
(*) As Aventuras de Huckleberry Finn; o Autor explica num outro prefácio de uma outra obra sua que são textos baseados na Vida.
 
 Luís Santiago

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D