Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A REVOLUÇÃO CULTURAL PORTUGUESA - 2ª PARTE

 
 
1901
Apesar do êxito da política externa de D Carlos, os desentendimentos nos partidos monárquicos afetam negativamente a monarquia:   dá-se a dissidência de João Franco (anticlientelista) no Partido Regenerador seguida, um ano mais tarde, da defecção oportunista de José Alpoim, no Partido Progressista.
 
O “clientelismo” político que então infetava a sociedade civil   resultaria talvez do impacto produzido pela Revolução Industrial, em curso avançado na Europa, sobre uma sociedade de cariz eminentemente rural como era a portuguesa. A industrialização, por um lado, provocou o aviltamento dos preços agrícolas enquanto que, por outro, agudizou o apetite pelas comodidades que a indústria fazia afluir com abundância crescente aos mercados. A vontade de acompanhar os padrões de vida e culturais europeus instalou-se em Portugal antes que se desenvolvesse internamente a capacidade de criação de riqueza. Criou-se assim um desequilíbrio estrutural que o tempo agravou. Em tais circunstâncias, para aqueles que não tinham energia e iniciativa para emigrarem para o Brasil ou para as colónias, as sinecuras e prebendas do Estado apresentavam-se como a única via de salvação.
 
1902
Desenha-se um movimento pró moralização da vida pública que tem como referencia a figura de Mousinho de Albuquerque. D. Carlos nomeia o ilustre militar aio do Príncipe Real.
Uma nova geração de lideres assume o comando do Partido Republicano e inaugura uma estratégia de intervenção sistemática da “rua” na vida política do país. Destacam-se Afonso Costa, António José de Almeida e o médico Miguel Bombarda.
 
1903
Abril - Eduardo VII de Inglaterra dá início à sua visita a Lisboa, primeira etapa da viagem que empreendeu pela Europa em prol do restabelecimento do equilíbrio necessário à preservação da paz.
 
 
Dez.  - Afonso XIII de Espanha visita Lisboa
 
1904
Nov. - D. Carlos retribui a visita de Eduardo VII
 
1905
O Príncipe Real visita as colónias portuguesas de África.
o Kaiser Guilherme II da Alemanha visita Lisboa, onde se apresenta envergando o uniforme de coronel de Cavalaria do Exército Português
O Presidente da República Francesa, Loubet, visita Lisboa.
 
É patente que D. Carlos desempenha um papel cada vez mais importante no quadro político euro-atlântico.
 
1906
Perante a passividade do Rei, Mousinho suicida-se
O Príncipe Real, D.Luís Filipe, faz o tirocínio de subalterno no Regimento dos Lanceiros de el-Rei.
Início da campanha republicana contra os adianta-
mentos à Coroa
 
 
1907
Maio-  O Rei dissolve as cortes e instala a ditadura de João Franco
 
Alves Roçadas termina a pacificação do Sul de Angola
 
Greve Académica de Coimbra
 
 
 
1908
Jan, 28- Tentativa fracassada de golpe republicano em Lisboa; presos os principais chefes republicanos
 
Fevº,1 - Regicídio: o Rei e o Príncipe Real assassinados no Terreiro do Paço
 
 
D. Manuel II ascende ao trono e restabelece a constitucionalidade.
 
Os prisioneiros de 28 de Janeiro são postos em liberdade
 
 
1909
Lançado no Porto o movimento cultural da Renascença Portuguesa encabeçado por Leonardo Coimbra, António Sérgio, Augusto Casimiro e João de Barros.
Os intelectuais portugueses reagem ao positivismo importado do centro da Europa e propõe o “saudosismo” naturalista de Teixeira de Pascoaes com referência cultural portuguesa. António Sérgio desligar-se-ia mais tarde do movimento para regresar ao racionalismo que inspirou a Seara Nova
 
 
 
1910
Abril - Rebenta o escândalo do Crédito Predial, prova evidente de que a monarquia constitucional não tem meios de assegurar a fiabilidade do sistema financeiro.
 
Outº,4/5 - Golpe republicano, organizado pelo Almirante Cândido dos Reis. A grande maioria dos oficiais de Marinha absteve-se, contrariamente ao esperado pelo cabecilha da revolução, o que leva aos seu suicidio. Porém,  Mendes Cabeçadas apossa-se do cruzador “ Adamastor”, surto no Tejo, em frente de Alcântara e, com dois tiros certeiros sobre o Palácio das Necessidades, atinge o quarto de cama do rei e derruba o mastro que hasteava o estandarte real. Escassas forças revolucionárias, chefiadas por Machado dos Santos, concentram-se na Rotunda.
O rei D. Manuel, segue o aconselho de tomar o caminho da Ericeira acompanhado da rainha mãe. Por fim,   o rei e a sua comitiva embarca No iate real e abandona o país rumo a Gibraltar.
 
Na madrugada de 5, o cônsul da Alemanha toma a iniciativa de pedir a suspensão de hostilidades no centro de Lisboa, para evacuação de feridos. Massas populares aproveitam imediatamente o ensejo e saem para a rua para manifestarem a sua solidariedade com os revoltosos.
 
José Relvas proclama a República, nos Paços do Concelho de Lisboa.
 
Teófilo Braga assume a chefia do Governo provisório, cabendo a Afonso Costa a pasta da Justiça
 
 
Outono - Restituídos à liberdade os membros de associações secretas presos pela monarquia; desterrados os juízes que, sob a monarquia, haviam condenado os prisioneiros políticos; proscritas as ordens religiosas.
 
1911
Fev. - Destituído o Bispo do Porto, D. António Barroso, missionário de grande prestígio.
 
 
Abril - O governo provisório da República aprova a Lei de Separação da Igreja e do Estado, elaborada por Afonso Costa.
 
 
 
 
Luís Soares de Oliveira

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D