Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 3

 

 OH DA GUARDA!!!
 
Durante a I República portuguesa perdurou um clima de disputa parlamentar globalmente vã. Por essa razão, várias foram as tentativas de trazer de volta algum pragmatismo à governação do país.
 
Ora, os únicos portugueses laicos que naquela época possuíam enquadramento disciplinar eram os militares e como tinham sido educados num espírito de serviço, era a eles que os cansados da desordem recorriam para trazer de volta a estabilidade. As pessoas já não ansiavam por mais nada a não ser pela segurança de uma estabilidade sem mais derrubes de Governos, sem mais golpes e contra-golpes, sem mais desordem pública; queriam apenas que um Governo se mantivesse o tempo suficiente para poder governar. Ou seja, o que o cidadão comum queria era o estabelecimento de um padrão e isso o parlamentarismo republicano puro não estava a conseguir. Com a agravante de que não conseguia também produzir uma estabilidade governativa que permitisse a resolução dos problemas com que o país se defrontava.
 
Conta-se a história de um Ministro das Obras Públicas que ao tomar posse já sabia que não teria tempo para fazer nada de especial e que por isso mesmo, antes que o Governo caísse, se aplicou na adjudicação da construção de um chafariz público lá na terra de que era oriundo; e, sim, foi a única obra que produziu pois o Governo caiu logo de seguida. Conta-se… Conta-se tanta coisa que alguma há-de ser verdade.
 
As acções que os militares desenvolveram tiveram quase sempre um papel anti-parlamentar pois era nessa sede que, a contrario sensu, nascia a ingovernabilidade. Muitos foram os golpes de força: O General Pimenta de Castro[1]
 
General Joaquim Pimenta de Castro
(1846-1918)
 
 
formou Governo a pedido do Presidente Manuel de Arriaga mas poucos meses governou pois foi deposto por um sangrento golpe militar (o tristemente célebre Março de 1915) e Sidónio Pais[2] chegou ao Poder por via revolucionária (mais tarde foi eleito democraticamente) mas acabou assassinado naEstação do Rossio por um revolucionário percursor da Reforma Agrária no Alentejo.
 
Sidónio Bernardino Cardoso da Silva Pais
(1872-1918)
 
 
A ordem e a disciplina que os insubmissos equiparavam ao restabelecimento de uma sociedade imóvel não permitiram contudo grande obra aos militares que, vistos a esta distância de quase um século, não estavam especialmente preparados para a governação. Dificilmente conseguiam resolver os gravíssimos problemas que Portugal enfrentava, nomeadamente no seio das Finanças Públicas, do atraso geral e da reivindicação de melhores condições de vida. Portugal continuava a ser uma mole de boçalidade apenas pontuada por alguma erudição vaidosa.
 
No entanto, a I República produziu uma resolução estrutural: a participação portuguesa na Grande Guerra (1914-1918) com o objectivo de salvaguardar as Colónias. Depois do Ultimatum britânico e da questão do Mapa-Côr-de-Rosa, esta fórmula para a «salvação do Império» mereceu um acordo geral que serviu para algum restauro da dignidade nacional. Os políticos puseram-se finalmente de acordo perante a forte probabilidade de as grandes potências beligerantes dividirem entre si o Império Colonial Português caso nós não participássemos no esforço de guerra na Europa. E não só na Europa, também desenvolvemos campanhas militares no norte de Moçambique contra as pretensões do vizinho alemão na sua então colónia africana do Tanganica (parte continental da actual Tanzânia).
 
Foi neste cenário de guerra que alguns militares se destacaram e decidiram que era chegado o momento de se pronunciarem sobre o futuro de Portugal. O desgaste físico que o Exército sofreu e a degradação geral da Nação impunham uma atitude.
 
O Marechal Gomes da Costa assumiu a chefia de um movimento militar que desceu de Braga até Lisboa impondo pela força das armas uma nova ordem onde os políticos civis claramente tinham claudicado. Isso sucedeu em 28 de Maio de 1926 dando-se assim por finda a I República portuguesa. Começava o Estado Novo que em 25 de Abril de 1974 morreu de velho.
 
Lisboa, Maio de 2009
 
Henrique Salles da Fonseca


[1] - Para saber mais sobre o General Pimenta de Castro, ver http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Joaquim_Pereira_Pimenta_de_Castro
[2] - Para saber mais sobre o Presidente Sidónio Pais, ver http://pt.wikipedia.org/wiki/Sid%C3%B3nio_Bernardino_Cardoso_da_Silva_Pais
 
 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D