Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

“O 25 DE ABRIL E A HISTÓRIA”

 

                       (de António José Saraiva)
 
                                      A MINHA OPINIÃO
 
Estive para comentar o artigo “O 25 de Abril e a História”, de António José Saraiva, mas o meu texto foi crescendo com o fermento do entusiasmo, depressa ultrapassando os propósitos de um simples comentário. E assim optei por um artigo.
Adriano Miranda Lima
 
 
 
O que é dito por António José Saraiva, ou apenas insinuado, faz-me lembrar as seguintes palavras do general Franco quando lhe deram a notícia do golpe militar ocorrido em Portugal: “Ah, não vai acontecer nada de importante porque eles são cobardes”. Ou foram estas as palavras do Caudilho ou foram outras similares, mas a acusação de cobardia era bem explícita e intencional.
 
Ora, se tem algum cabimento, caberia a alguém mais capacitado passar em revista este libelo de cobarde e encontrar-lhe possíveis causas psicológicas, sociológicas ou antropológicas, ao passo que o desabafo de Franco temos apenas de o pôr na conta de um qualquer insanável recalcamento que a história do conflito entre os dois povos peninsulares explica sem margem para dúvidas. Penso que qualquer historiador isento poderá fazer toda a sorte de extrapolações, mas certamente que o apodo de cobarde em lugar nenhum encontrará razões para colar ao povo português.
 
Dito isto, e uma vez que, para o autor, o 25 de Abril terá feito eclodir as nossas fraquezas, inclusivamente a da cobardia, parece assim implícito que a “longa noite fascista” teve o mérito de uma domesticação psicológica, a ponto de obnubilar debilidades congénitas porventura ignoradas ou simplesmente adormecidas. Retrocedendo aos tempos ante-Liberalismo, séculos e séculos sucessivos, também, e por análogo raciocínio, é lícito perguntar se não foi a ausência das liberdades políticas que o futuro traria que permitiu páginas da história portuguesa em que tudo se pode encontrar menos cobardia, pusilanimidade ou conformismo com o destino.
 
Bem, pode ser prematura a extrapolação, mas é bem possível que tenhamos uma certa dificuldade genética em lidar com a democracia e as liberdades cívicas, pois que é a partir do Liberalismo que os nossos problemas parecem começar a agudizar-se, pela simples razão de, no confronto livre e aberto de ideias, raramente alcançarmos a percepção de que para lá das divergências ideológicas prevalece inapelavelmente o interesse nacional. Salazar percebeu isso e se não colocou o país entre os mais prósperos da Europa teve ao menos o mérito de reorganizar uma casa que a I República deixara em fanicos. Nenhum historiador pode negá-lo.
 
O golpe militar de 25 de Abril abriu esperanças legítimas que depressa foram estilhaçadas com o emergir na cena nacional do partidarismo político na sua pior feição. Ninguém pode ignorar que o Partido Comunista e algumas desaustinadas forças da extrema-esquerda desarticularam o pensamento original sobre a descolonização. A partir do momento em que o inexperiente MFA se deixou influenciar e contaminar, tudo se perdeu, tudo se precipitou. Nisto, subscrevo o que diz o autor e não é preciso acrescentar mais palavras. Foi efectivamente por culpa e ingenuidade de alguns militares do MFA, que, efectivamente, os “cravos do 25 de Abril, que muitos, candidamente, tomaram por símbolo de uma Primavera, fanaram-se sobre um monte de esterco”. Sobre isso não há nada a dizer.
 
Quanto à cobardia, que tem uma vertente física e uma vertente moral, julgo ter uma palavra a dizer. Comandei homens em Angola e em Moçambique, sempre em zonas de campanha, e posso afirmar, com muito orgulho e satisfação, que nunca vi casos de cobardia evidente entre os meus soldados. Medo todos temos, seres humanos que somos, mas cobardia é outra coisa.
 
Saí de Moçambique em Maio de 1974, sendo a minha Companhia rendida por outra que tinha participado em Lisboa em patrulhamentos de rua que se seguiram ao golpe militar. Essa e outras Companhias destinadas a render unidades no Ultramar tomaram parte nesse tipo de missões em Lisboa, mas ficaram irremediavelmente marcadas pelos germes da revolução, tanto no bom como no mau sentido. Do mau apercebi-me logo quando a recebi onde estava, no mato profundo. Os soldados e alguns Quadros inferiores apresentaram-se com pouco aprumo militar e denotando um comportamento a descambar para a indisciplina, não tardando a reparar que o Comandante da Companhia e os subalternos estavam aparentemente fragilizados. Na véspera de deixarmos o local, um soldado, minha ordenança, disse-me: “Sabe, meu Capitão, os gajos desta companhia andam a dizer que quando saírem os “velhinhos” vão mostrar ao seu Capitão e oficiais como é que vão ser as regras”. Fiquei estupefacto e não me surpreendeu, um ano depois, tomar conhecimento de um inacreditável episódio ocorrido com essa Companhia. Um certo dia, e quando as negociações para a descolonização estavam ainda em curso, uma força da FRELIMO aproximou-se dos arredores do quartel dessa Companhia, com intenções não muito claras mas em que não havia qualquer propósito bélico. Os furriéis e os soldados, na sua maioria já “revolucionários”, temeram o pior e resolveram o inconcebível. Prenderam o seu Capitão e os oficiais subalternos e, precipitadamente, embarcaram em todas as viaturas disponíveis, fugindo desordeiramente em direcção à localidade mais próxima, uma vila chamada Marrupa, onde havia um comando de Batalhão. A população local, temendo o pior, optou também pela debandada, ela que antes depositou toda a confiança na força militar antiga e suas antecessoras, com as quais, aliás, viveram em relativa harmonia e sem incidentes. Os que puderam enfiaram-se no espaço sobrante das viaturas militares, outros fugiram mesmo a pé, nomeadamente os guardas cipaios (guardas administrativos), que mais do que ninguém teriam razões para recear represálias da FRELIMO, visto que não só serviram o Administrador colonial local como eram os guias das várias operações militares. O Administrador ficou no seu posto, aguardando o desfecho dos acontecimentos. Muitos anos mais tarde, viria a encontrá-lo em Lisboa e contou-me mais pormenores do acontecimento, que agora não vêm a propósito. Disse-me que não foi molestado pelos homens da FRELIMO e que estes confessaram a sua perplexidade pela debandada dos militares e de grande parte da população.
 
Marrupa, Província do Niassa, Moçambique
 
 
Isto que acabo de contar é, de facto, um minúsculo exemplo destas palavras do autor deste artigo: “Os militares portugueses, sem nenhum motivo para isso, fugiram como pardais, largando armas e calçado, abandonando os portugueses e africanos que confiavam neles. Foi a maior vergonha de que há memória desde Alcácer Quibir.” Sim, é irrefutável e não tenhamos medo das palavras: VERGONHA. Em toda a extensão e em toda a substância da palavra.
 
Mas por que razão os mesmos militares, filhos do mesmo povo que, estoicamente, se sujeitou a 13 anos de uma guerra sem esperanças em 3 teatros de operações, viriam a ter comportamentos tão indignos de si próprios como da sua História? Culpa dos militares e do povo? Seguramente que não. E podemos rotular de cobardes muitos comportamentos indignos que macularam a honra de alguns sectores das Forças Armadas naqueles acontecimentos que já se perdem na memória dos 35 anos já decorridos?
 
É muito complicado psicanalisar certos comportamentos gerados pela confusão e complexidade dos fenómenos sociais, pelo que prefiro voltar à tese que atrás aflorei. Isto é, aos efeitos da fruição inconsciente da democracia, das liberdades cívicas, bens que nos são preciosos para galgar o caminho do futuro, mas cujo alcance real não é bem compreendido por alguns.
 
Em 25 de Abril, o Partido Comunista Português, conforme diz e bem o autor, achou que devia hipotecar os interesses do seu país às estratégias expansionistas da União Soviética. Com isso, influenciaram e conspurcaram a mente sedenta de progresso e mudança de alguns militares e a mancha depressa se propagou e contaminou as Forças Armadas, até que um rebate de consciência institucional e nacional permitiu trazer ordem onde se instalara a confusão e o desnorte. 
 
Hoje, passados 35 anos desde a restauração das liberdades, compete-nos reflectir, discutir, escrever. É o que fez o António José Saraiva no seu artigo “O 25 de Abril e a História”. Diz ele: “as nossas dificuldades presentes, que vão agravar-se no futuro próximo, merecemo-las, moralmente. Mas elas são uma prova e uma oportunidade. Se formos capazes do sacrifício necessário para as superar, então poderemos considerar-nos desipotecados e dignos do nome de povo livre e de Nação independente”. Acho que, se analisarmos a história do século XX, o seu último quartel só nos oferece razões para optimismo e esperança, bastando comparar e sopesar factos e acontecimentos na sua ocorrência causal e sequencial. A I República soçobrou e justificou um longo regime autoritário, adiando as nossas esperanças de uma democracia europeia como as outras. O 25 de Abril abriu uma porta e por ela lobrigámos caminhos que vêm sendo trilhados com erros de percurso, sim, mas seguramente com sucessos que só um cego pode negar. Trinta e cinco anos de vida é já um tempo que nos dá um certo conforto e confiança.
 
No entanto, reconheço que permanecem ainda alguns sintomas da nossa dificuldade congénita em lidar com a democracia, sendo prova disso o uso desmedido e irresponsável que alguns continuam a fazer das liberdades, assim como a radicalização das querelas e conflitos partidários. Mas estou seguro de que estes 35 anos que passaram são irreversíveis na sua marcha. Com as dificuldades normais de percurso, com as crises e as conjunturas adversas, vamos por certo aprender continuamente, amadurecer a nossa consciência colectiva, tornar cada vez mais sólidos os ganhos e as conquistas rumo ao futuro. E é tempo de parar de lastimar e lamber feridas constantemente.
 
 Adriano Miranda Lima
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D