Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

“O 25 DE ABRIL E A HISTÓRIA”

 

                       (de António José Saraiva)
 
                                      A MINHA OPINIÃO
 
Estive para comentar o artigo “O 25 de Abril e a História”, de António José Saraiva, mas o meu texto foi crescendo com o fermento do entusiasmo, depressa ultrapassando os propósitos de um simples comentário. E assim optei por um artigo.
Adriano Miranda Lima
 
 
 
O que é dito por António José Saraiva, ou apenas insinuado, faz-me lembrar as seguintes palavras do general Franco quando lhe deram a notícia do golpe militar ocorrido em Portugal: “Ah, não vai acontecer nada de importante porque eles são cobardes”. Ou foram estas as palavras do Caudilho ou foram outras similares, mas a acusação de cobardia era bem explícita e intencional.
 
Ora, se tem algum cabimento, caberia a alguém mais capacitado passar em revista este libelo de cobarde e encontrar-lhe possíveis causas psicológicas, sociológicas ou antropológicas, ao passo que o desabafo de Franco temos apenas de o pôr na conta de um qualquer insanável recalcamento que a história do conflito entre os dois povos peninsulares explica sem margem para dúvidas. Penso que qualquer historiador isento poderá fazer toda a sorte de extrapolações, mas certamente que o apodo de cobarde em lugar nenhum encontrará razões para colar ao povo português.
 
Dito isto, e uma vez que, para o autor, o 25 de Abril terá feito eclodir as nossas fraquezas, inclusivamente a da cobardia, parece assim implícito que a “longa noite fascista” teve o mérito de uma domesticação psicológica, a ponto de obnubilar debilidades congénitas porventura ignoradas ou simplesmente adormecidas. Retrocedendo aos tempos ante-Liberalismo, séculos e séculos sucessivos, também, e por análogo raciocínio, é lícito perguntar se não foi a ausência das liberdades políticas que o futuro traria que permitiu páginas da história portuguesa em que tudo se pode encontrar menos cobardia, pusilanimidade ou conformismo com o destino.
 
Bem, pode ser prematura a extrapolação, mas é bem possível que tenhamos uma certa dificuldade genética em lidar com a democracia e as liberdades cívicas, pois que é a partir do Liberalismo que os nossos problemas parecem começar a agudizar-se, pela simples razão de, no confronto livre e aberto de ideias, raramente alcançarmos a percepção de que para lá das divergências ideológicas prevalece inapelavelmente o interesse nacional. Salazar percebeu isso e se não colocou o país entre os mais prósperos da Europa teve ao menos o mérito de reorganizar uma casa que a I República deixara em fanicos. Nenhum historiador pode negá-lo.
 
O golpe militar de 25 de Abril abriu esperanças legítimas que depressa foram estilhaçadas com o emergir na cena nacional do partidarismo político na sua pior feição. Ninguém pode ignorar que o Partido Comunista e algumas desaustinadas forças da extrema-esquerda desarticularam o pensamento original sobre a descolonização. A partir do momento em que o inexperiente MFA se deixou influenciar e contaminar, tudo se perdeu, tudo se precipitou. Nisto, subscrevo o que diz o autor e não é preciso acrescentar mais palavras. Foi efectivamente por culpa e ingenuidade de alguns militares do MFA, que, efectivamente, os “cravos do 25 de Abril, que muitos, candidamente, tomaram por símbolo de uma Primavera, fanaram-se sobre um monte de esterco”. Sobre isso não há nada a dizer.
 
Quanto à cobardia, que tem uma vertente física e uma vertente moral, julgo ter uma palavra a dizer. Comandei homens em Angola e em Moçambique, sempre em zonas de campanha, e posso afirmar, com muito orgulho e satisfação, que nunca vi casos de cobardia evidente entre os meus soldados. Medo todos temos, seres humanos que somos, mas cobardia é outra coisa.
 
Saí de Moçambique em Maio de 1974, sendo a minha Companhia rendida por outra que tinha participado em Lisboa em patrulhamentos de rua que se seguiram ao golpe militar. Essa e outras Companhias destinadas a render unidades no Ultramar tomaram parte nesse tipo de missões em Lisboa, mas ficaram irremediavelmente marcadas pelos germes da revolução, tanto no bom como no mau sentido. Do mau apercebi-me logo quando a recebi onde estava, no mato profundo. Os soldados e alguns Quadros inferiores apresentaram-se com pouco aprumo militar e denotando um comportamento a descambar para a indisciplina, não tardando a reparar que o Comandante da Companhia e os subalternos estavam aparentemente fragilizados. Na véspera de deixarmos o local, um soldado, minha ordenança, disse-me: “Sabe, meu Capitão, os gajos desta companhia andam a dizer que quando saírem os “velhinhos” vão mostrar ao seu Capitão e oficiais como é que vão ser as regras”. Fiquei estupefacto e não me surpreendeu, um ano depois, tomar conhecimento de um inacreditável episódio ocorrido com essa Companhia. Um certo dia, e quando as negociações para a descolonização estavam ainda em curso, uma força da FRELIMO aproximou-se dos arredores do quartel dessa Companhia, com intenções não muito claras mas em que não havia qualquer propósito bélico. Os furriéis e os soldados, na sua maioria já “revolucionários”, temeram o pior e resolveram o inconcebível. Prenderam o seu Capitão e os oficiais subalternos e, precipitadamente, embarcaram em todas as viaturas disponíveis, fugindo desordeiramente em direcção à localidade mais próxima, uma vila chamada Marrupa, onde havia um comando de Batalhão. A população local, temendo o pior, optou também pela debandada, ela que antes depositou toda a confiança na força militar antiga e suas antecessoras, com as quais, aliás, viveram em relativa harmonia e sem incidentes. Os que puderam enfiaram-se no espaço sobrante das viaturas militares, outros fugiram mesmo a pé, nomeadamente os guardas cipaios (guardas administrativos), que mais do que ninguém teriam razões para recear represálias da FRELIMO, visto que não só serviram o Administrador colonial local como eram os guias das várias operações militares. O Administrador ficou no seu posto, aguardando o desfecho dos acontecimentos. Muitos anos mais tarde, viria a encontrá-lo em Lisboa e contou-me mais pormenores do acontecimento, que agora não vêm a propósito. Disse-me que não foi molestado pelos homens da FRELIMO e que estes confessaram a sua perplexidade pela debandada dos militares e de grande parte da população.
 
Marrupa, Província do Niassa, Moçambique
 
 
Isto que acabo de contar é, de facto, um minúsculo exemplo destas palavras do autor deste artigo: “Os militares portugueses, sem nenhum motivo para isso, fugiram como pardais, largando armas e calçado, abandonando os portugueses e africanos que confiavam neles. Foi a maior vergonha de que há memória desde Alcácer Quibir.” Sim, é irrefutável e não tenhamos medo das palavras: VERGONHA. Em toda a extensão e em toda a substância da palavra.
 
Mas por que razão os mesmos militares, filhos do mesmo povo que, estoicamente, se sujeitou a 13 anos de uma guerra sem esperanças em 3 teatros de operações, viriam a ter comportamentos tão indignos de si próprios como da sua História? Culpa dos militares e do povo? Seguramente que não. E podemos rotular de cobardes muitos comportamentos indignos que macularam a honra de alguns sectores das Forças Armadas naqueles acontecimentos que já se perdem na memória dos 35 anos já decorridos?
 
É muito complicado psicanalisar certos comportamentos gerados pela confusão e complexidade dos fenómenos sociais, pelo que prefiro voltar à tese que atrás aflorei. Isto é, aos efeitos da fruição inconsciente da democracia, das liberdades cívicas, bens que nos são preciosos para galgar o caminho do futuro, mas cujo alcance real não é bem compreendido por alguns.
 
Em 25 de Abril, o Partido Comunista Português, conforme diz e bem o autor, achou que devia hipotecar os interesses do seu país às estratégias expansionistas da União Soviética. Com isso, influenciaram e conspurcaram a mente sedenta de progresso e mudança de alguns militares e a mancha depressa se propagou e contaminou as Forças Armadas, até que um rebate de consciência institucional e nacional permitiu trazer ordem onde se instalara a confusão e o desnorte. 
 
Hoje, passados 35 anos desde a restauração das liberdades, compete-nos reflectir, discutir, escrever. É o que fez o António José Saraiva no seu artigo “O 25 de Abril e a História”. Diz ele: “as nossas dificuldades presentes, que vão agravar-se no futuro próximo, merecemo-las, moralmente. Mas elas são uma prova e uma oportunidade. Se formos capazes do sacrifício necessário para as superar, então poderemos considerar-nos desipotecados e dignos do nome de povo livre e de Nação independente”. Acho que, se analisarmos a história do século XX, o seu último quartel só nos oferece razões para optimismo e esperança, bastando comparar e sopesar factos e acontecimentos na sua ocorrência causal e sequencial. A I República soçobrou e justificou um longo regime autoritário, adiando as nossas esperanças de uma democracia europeia como as outras. O 25 de Abril abriu uma porta e por ela lobrigámos caminhos que vêm sendo trilhados com erros de percurso, sim, mas seguramente com sucessos que só um cego pode negar. Trinta e cinco anos de vida é já um tempo que nos dá um certo conforto e confiança.
 
No entanto, reconheço que permanecem ainda alguns sintomas da nossa dificuldade congénita em lidar com a democracia, sendo prova disso o uso desmedido e irresponsável que alguns continuam a fazer das liberdades, assim como a radicalização das querelas e conflitos partidários. Mas estou seguro de que estes 35 anos que passaram são irreversíveis na sua marcha. Com as dificuldades normais de percurso, com as crises e as conjunturas adversas, vamos por certo aprender continuamente, amadurecer a nossa consciência colectiva, tornar cada vez mais sólidos os ganhos e as conquistas rumo ao futuro. E é tempo de parar de lastimar e lamber feridas constantemente.
 
 Adriano Miranda Lima
 

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D