Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

HERÓIS DE CÁ - 1

A RALÉ DOS BISONHOS 

 
 
Em 1910, Portugal tinha uma taxa de analfabetismo adulto (1) que rondava os 90%; os restantes 10% eram maioritariamente constituidos por padres, freiras e militares. Ou seja, eramos um país em que imperava a boçalidade, o pé-descalço; não passávamos de uma ralé de bisonhos tementes da ira divina ou do castigo temporal exercido pelos Padres de aldeia em função de um código que o povo não entendia facilmente (2).
 
Ficava quem se submetesse, emigravam os insubmissos. Por alguma razão, dentre todos os europeus, fomos os primeiros a fazer um Império e os últimos a desfazê-lo. Mas também houve insubmissos que ficaram; a muitos destes se lhes chamou revolucionários.
 

Os insubmissos emigravam

 

Ser-se revolucionário significa possuir um raciocínio especulativo, não aceitar o dogma. E este tanto pode ser de índole religiosa como meramente social: o que se baseia na Fé; o do statu quo. E não há incompatibilidades nem qualquer relação biunívoca entre estes dois tipos de dogmas: pode-se aceitar o dogma religioso e ter um pensamento social crítico; pode-se ser ateu e socialmente enquadrado; pode-se ser totalmente revolucionário. Quem for totalmente acrítico, dogmático, não é revolucionário.
 
Perante a debilíssima rede escolar então existente, quem vivesse fora dos grandes centros urbanos e quisesse estudar para progredir socialmente, tinha que recorrer aos Seminários ou à carreira das armas. Os insubmissos que optassem pela via religiosa não tomavam ordens; os que optassem pela vida militar assumiam ipso factu um estilo de vida com enormes conveniências sociais nomeadamente um enquadramento institucional praticamente ímpar no resto do país. Eis como o Clero se manteve imune a insubmissos; eis como no Exército e na Marinha apareceram muitos revolucionários cuja insubmissão só ia sendo controlada pela rígida disciplina militar.
 
Este, o Portugal dos finais da monarquia: uma elite politicamente dominante encabeçada pelo Rei conjugada com um Clero socialmente dominante, conjugação esta apoiada num Exército destinado à contenção dos revolucionários, estes também manipuladores da ralé dos bisonhos.
 
Entre os finais do séc. XIX e os princípios do séc. XX, os revolucionários portugueses – tanto civis como militares – eram quase todos republicanos e no dia 5 de Outubro de 1910 saiu vencedora com relativa facilidade a República que destronou D. Manuel II, o último Rei de Portugal.
 
Posto o statu quo em causa, abrem-se as portas aos desencontros, ao desequilíbrio, ao tiroteio. Essa a tónica da nossa I República, arena livre dos insubmissos, calvário de muitos portugueses honrados e também ela canhão para a carne de muitos bisonhos.
 
Neste cenário se cruzaram personalidades magníficas aparentemente em posições antagónicas mas, na essência, com um mesmo objectivo: o bem de Portugal.
 
A eles me referirei mais logo…
 
Lisboa, Abril de 2009
 
 Henrique Salles da Fonseca
 


(1) - Analfabetismo estatístico – actualmente, a definição corresponde ao maior de 14 anos de idade que não sabe ler nem escrever; no tempo do Doutor Salazar, se o adulto (maior de 21 anos) soubesse assinar («desenhar» o nome) não era considerado analfabeto; antes do consulado salazarista, maiores de 21 anos de idade que não soubessem ler nem escrever
(2) - Com a vitória do liberalismo, os Senhores locais deixaram de exercer o poder judicial em nome do Rei

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D