Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CRÓNICA DO BRASIL

 

Povo
 
Diz o bom e erudito Aurélio amigo, que «povo» é um conjunto de indivíduos que falam a mesma língua, têm costumes e hábitos idênticos, afinidade de interesses, uma história e tradição comuns.
Como estas circunstâncias não se coadunam com as gentes que habitam um território conhecido pelo nome de Brasil, os big lideres têm vindo, sistematicamente, a alienar partes do território, em favor de outros povos que, na realidade, em nada se identificam com a maioria dos habitantes deste Mundus Novus.
 
Começa logo pela premissa de que muitos, muitos, não falam a língua oficial, o português, logo, aos olhos dos supremos juristas da terra, começam por se desencaixar do povo brasileiro. Depois, no que diz respeito a hábitos idênticos, muito menos, e então sobre história e tradição comuns... nem se fala. Resta a afinidade de interesses, e aí é c'a porca troce a cauda!
 
Os interesses à volta da Reserva da Raposa do Sul são semelhantes aos que estão a aflorar agora depois de milénios congelados, no Ártico, onde se sabe que há petróleo, ouro, urânio, nióbio e de onde vão desaparecer os ursos, substituídos pelos grandes conglomerados exploradores de riquezas.
 
Tal qual a Raposa do Sul. Não tarda a chegada de "missionários", do tipo daqueles ingleses bonzinhos que foram missionar em África no século XIX e se apoderaram de mais de metade do continente.
 
No entanto há qualquer coisa que começa a identificar, unificando, os costumes e a tradição de elevada porcentagem da restante população chamada brasiliense, que são os moralmente elevados e altamente culturais programas de televiasão Big Brother Brasil, que, além de terem profundos objetivos educacionais - basta o nome em inglês para provocar uma corrida à cultura inglesa - leva os babacas a considerarem que neste país (país?) um dia serão todos brôderes!  Mentira. As garotas e os garotos do BBB viram celebridades e o povo... vibra de entusiasmo e aprova o (des)governo.
 
Enquanto Obama, para levantar a economia e a hegemonia dos EUA, aposta firmemente em educação, investigação, saúde e obras de infra-estrutura, o nosso (des)governo, tal como previ, afirmei e foi publicado há seis anos, não fez ABSOLUTAMENTE nada nestes anos todos, guardando uma grossa fatia do orçamento para obras eleitoreiras em final de mandato, a inaugurar em ano de eleições!
 
Propõe agora construir um milhão de casas populares - ninguém sabe com que dinheiro - mas a reserva do orçamento para aumento do funcionalismo público é cinco vezes maior do que o valor, hipotético, destas necessárias casas.
 
Isto significa:
1.- enquanto não houver adequada instrução, da primária ao superior, o povo BBB vai aplaudir o demagogo kxk, o samba e o futebol porque de pouco ou nada mais entende;
2.- a maioria do «povo brasiliense» acaba se transformando em funcionário público e junto com os beneficiários das bolsas família, bolsas dos mensalões, bolsas dos correios, das eternas e imensas propinas, das bolsas-cuecas, da possibilidade de enriquecimento mais rápido que um pequeno relâmpago de trovoada, como aconteceu ao filho do big kxk, que foi de empregado primário num zoológico a grande fazendeiro latifundiário e exportador de carne para a Europa em menos de 24 horas - votará SEMPRE na continuação do status quo que o alimenta e de quem pouco ou nada se exige;
3.- com a imensa inflação da máquina governamental, com elementos escolhidos entre os apaniguados, controlando o país de norte a sul, favorecendo as sociedades poderosas, sobretudo os bancos, com os juros mais altos do mundo e ainda subsidiando movimentos terroristas capazes de enfrentar as Forças Armadas, se as houvesse bem estruturadas, é evidente que o Brasil não tem por onde enxergar e almejar subir para o patamar das nações desenvolvidas, apesar de ser considerado hoje o celeiro do mundo!
 
Dizem os árabes, desde há muitos anos, que a civilização ocidental está chegando ao fim, porque não possui mais aquele acervo de valores que lhe deu sua proeminência. (Sayyd Qutb, Cairo, 1964).
 
O Brasil não tem esse acervo. Podia ter um ainda mais rico, com a mistura de povos que o constitui. Mas não. Despreza-o, como despreza a sua história ensinando-a deturpada.
 
A esperança está, muito ténue, na diversidade de imigrantes que aqui procuraram refúgio, depois de terem vivido diversas formas de insegurança e/ou perseguição nos seus países de origem, desde a Inquisição, à fome na Europa no século XIX, às políticas, à esperança de um El Dorado, etc., e hoje o que querem é paz.
 
No tipo de governo actual, aliás (des)governo, a esperança até há pouco estava na emigração, que a crise mundial está a afectar.
Dentro, para progredir, evidente, na função pública, basta «matricular-se», não em qualquer escola, mas nos partidos que são os «senhores da terra»!
 
Ou então no futebol ou no BBB.
 
Viva a cultura.
 
Rio de Janeiro, 26 de Março de 2009
 
 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D