Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DOMÍNIO INGLÊS NO BRASIL

                            Parte 14 – Negociações

 

Final da parte 13: Apesar das dificuldades geradas por alguns comerciantes ingleses estabelecidos no Brasil e a agitação movida por alguns membros da Corte não simpatizantes da Inglaterra que tentavam dificultar as negociações entre o representante inglês (Strangford) e Sousa Coutinho acerca dos itens essenciais para compor a base do tratado, as negociações foram concluídas e o tratado foi firmado a 28 de Fevereiro de 1809.

 

Parte 14: (...) O tratado renovava a garantia de apoio da Inglaterra aos direitos da Casa de Bragança ao trono luso; fixava a continuidade dos direitos de comércio livre para a Inglaterra, mesmo no caso de retorno da Corte a Portugal; estabelecia o prazo de quinze anos para revisão e renovação do próprio tratado; reservava à Inglaterra o direito de excluir os súbditos e navios lusos do comércio com as suas colónias;  dava aos súbditos de ambas as nações direitos recíprocos de nação mais favorecida quanto ao comércio e à navegação; reduzia o volume de taxas postais e direitos de ancoragem para os navios ingleses nos portos portugueses, da metrópole e das colónias; equiparava os impostos sobre mercadorias importadas em navios ingleses aos pagos pelos navios lusos; proibia Portugal de restabelecer o antigo regime de monopólio comercial; regulava os privilégios dos súbditos britânicos residentes no Brasil; concedia a esses súbditos direito ao comércio a varejo nos portos e cidades de Portugal e colónias; concedia à Inglaterra o direito de nomear cônsules para todas as colónias lusas; confirmava o privilégio de funcionamento do juiz Conservador; regulava as imunidades diplomáticas; assegurava aos súbditos estrangeiros a liberdade de culto nos territórios portugueses; proibia a Inquisição no Brasil; incluía o convénio da linha de navegação entre a Inglaterra e o Brasil; regulava a extradição de criminosos; fixava a tarifa de 15% ad valorem para as importações inglesas em Portugal e suas colónias; firmava a impossibilidade da entrada de açúcar e café na Inglaterra para consumo interno, impondo a reexportação; dava direito de reexportação às mercadorias inglesas entradas e não consumidas em Portugal e suas colónias, com taxas favoráveis; permitia a Portugal a exclusão do consumo em seus domínios das mercadorias coloniais britânicas; declarava livre o porto da Ilha de Santa Catarina; reafirmava a intenção de tornar Goa porto livre; permitia aos súbditos britânicos comerciar nas possessões lusas da costa oriental da África; fixava a abolição gradual do tráfico de escravos; prometia os bons ofícios da Inglaterra para firmar a paz entre Portugal e a Porta Otomana; reconhecia Portugal o socorro e a assistência que havia recebido da Inglaterra, concedendo a esta, por isso, o direito de retirar madeira para os seus navios e construi-los nos portos brasileiros; regulava o problema de provisões para refresco dos navios ingleses estacionados no Brasil, por conta do governo português; reafirmava a validade de todos os antigos tratados firmados entre a Inglaterra e Portugal; aniquilava os privilégios da companhia dos vinhos do Porto, desistindo a Inglaterra, em compensação, de fundar fábricas nos domínios lusos; regulava o contrabando de guerra; determinava sobre naufrágios, pirataria e outros problemas, no caso de ruptura entre as partes contratantes; determinava que o tratado entraria em vigor na data de sua ratificação pela Inglaterra. (...) Havia ainda dois artigos secretos – um deles referia-se às indemnizações que a Inglaterra receberia pelos prejuízos sofridos pelos seus súbditos em Portugal; o outro estabelecia, por cinquenta anos, a soberania lusa sobre Bissau e Cacheu, em troca da promessa inglesa de bons ofícios para conseguir que Portugal obtivesse a restituição de Olivença e Turemenka e o restabelecimento dos antigos limites com a Guiana Francesa.

 

Continua

 Therezinha B. de Figueiredo

Belo Horizonte, 24 de Março de 2009.  

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D