Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

As crises dos outros – II

 

 
 
A crise financeira asiática de 1997 foi mais fácil e prontamente debelada em Hong Kong, na Coreia do Sul e na Tailândia do que nas restantes economias nacionais. No primeiro apontamento sobre o assunto (A Bem da Nação, 5 de Fevereiro de 2009, http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/335324.html) indicou-se a razão que determinou esta celeridade de recuperação no caso de Hong-Kong. Ali tinha havido uma mudança de regime e o novo Governo não teve a menor dúvida em deixar cair os bancos e as empresas em dificuldades. “As autoridades nada fizeram para salvar as empresas e bancos; deixaram-nos falir. Os accionistas, empregados e credores destas empresas pagaram o preço da crise e esta passou”. O odioso ficou como o antigo regime colonial que não soube a tempo evitar o desastre.
 
A Tailândia e a Coreia do Sul recorreram a um processo que tem algo de parecido com a prática dos nossos reis medievos: o recurso a «juízes de fora». Na Tailândia, os gestores bancários que levaram os bancos à falência foram prontamente dispensados e substituídos por funcionários públicos. O crédito foi direccionado para as empresas com maior capacidade de enfrentar a crise e gradualmente a economia voltou à normalidade. Na Coreia do Sul, a economia estava na sua quase totalidade nas mãos das “Chaebol», conglomerados financeiro-industriais fechados, quase todos propriedade familiar, que se regem por normas e processos específicos, sem interferência ou com mínima interferência das autoridades. Eram quase soberanas. Segundo o depoimento Simon Johnson, professor do MIT, School of Management – reproduzido pelo IHT, de 21 do corrente – em 1997, perante a derrocada da moeda local, as autoridades coreanas não tiveram a menor dúvida: passaram a intervir deliberadamente onde até aí não intervinham. Não se deixaram intimidar pela complexidade e segredo dos processos das «Chaebol»; dispensaram imediatamente os respectivos gestores financeiros e substituíram-nos por gestores não conotados com o grupo, incluindo estrangeiros. A venda de participações no capital de bancos das «Chaebol» a grupos estrangeiros foi encorajada com o duplo objectivo de substituir gestores e dar maior solidez à estrutura financeira própria. No processo, algumas «Chaebol» faliram, mas as que ultrapassaram a crise estão hoje mais fortes do que nunca. A crise regrediu rapidamente e o crescimento económico continuou.
 
Enquanto isto, na Indonésia, os grandes bancos, a nata financeira - os "só nós" -  foram constantemente socorridos e os gestores mantidos, a título de que só eles sabiam lidar com a situação. Só os pequenos bancos e pequenas empresas foram deixados ao seu destino. Como resultado, o descrédito interno e externo foi total e a economia local ainda hoje não se recompôs.
Daqui conclui Simon Johnson: "o remédio mais directo para consertar uma instituição financeira consiste em afastar imediatamente os que a levaram à ruína".
 
21 de Março
 
General Domingos de Oliveira - A bem da Nação Luís Soares de Oliveira 
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D