Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

As crises dos outros – II

 

 
 
A crise financeira asiática de 1997 foi mais fácil e prontamente debelada em Hong Kong, na Coreia do Sul e na Tailândia do que nas restantes economias nacionais. No primeiro apontamento sobre o assunto (A Bem da Nação, 5 de Fevereiro de 2009, http://abemdanacao.blogs.sapo.pt/335324.html) indicou-se a razão que determinou esta celeridade de recuperação no caso de Hong-Kong. Ali tinha havido uma mudança de regime e o novo Governo não teve a menor dúvida em deixar cair os bancos e as empresas em dificuldades. “As autoridades nada fizeram para salvar as empresas e bancos; deixaram-nos falir. Os accionistas, empregados e credores destas empresas pagaram o preço da crise e esta passou”. O odioso ficou como o antigo regime colonial que não soube a tempo evitar o desastre.
 
A Tailândia e a Coreia do Sul recorreram a um processo que tem algo de parecido com a prática dos nossos reis medievos: o recurso a «juízes de fora». Na Tailândia, os gestores bancários que levaram os bancos à falência foram prontamente dispensados e substituídos por funcionários públicos. O crédito foi direccionado para as empresas com maior capacidade de enfrentar a crise e gradualmente a economia voltou à normalidade. Na Coreia do Sul, a economia estava na sua quase totalidade nas mãos das “Chaebol», conglomerados financeiro-industriais fechados, quase todos propriedade familiar, que se regem por normas e processos específicos, sem interferência ou com mínima interferência das autoridades. Eram quase soberanas. Segundo o depoimento Simon Johnson, professor do MIT, School of Management – reproduzido pelo IHT, de 21 do corrente – em 1997, perante a derrocada da moeda local, as autoridades coreanas não tiveram a menor dúvida: passaram a intervir deliberadamente onde até aí não intervinham. Não se deixaram intimidar pela complexidade e segredo dos processos das «Chaebol»; dispensaram imediatamente os respectivos gestores financeiros e substituíram-nos por gestores não conotados com o grupo, incluindo estrangeiros. A venda de participações no capital de bancos das «Chaebol» a grupos estrangeiros foi encorajada com o duplo objectivo de substituir gestores e dar maior solidez à estrutura financeira própria. No processo, algumas «Chaebol» faliram, mas as que ultrapassaram a crise estão hoje mais fortes do que nunca. A crise regrediu rapidamente e o crescimento económico continuou.
 
Enquanto isto, na Indonésia, os grandes bancos, a nata financeira - os "só nós" -  foram constantemente socorridos e os gestores mantidos, a título de que só eles sabiam lidar com a situação. Só os pequenos bancos e pequenas empresas foram deixados ao seu destino. Como resultado, o descrédito interno e externo foi total e a economia local ainda hoje não se recompôs.
Daqui conclui Simon Johnson: "o remédio mais directo para consertar uma instituição financeira consiste em afastar imediatamente os que a levaram à ruína".
 
21 de Março
 
General Domingos de Oliveira - A bem da Nação Luís Soares de Oliveira 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D