Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Burricadas 56

 

os passivos do nosso descontentamento -V
 
v        E nós, por cá?
v        Convenhamos. Esta crise surpreendeu-nos em mau momento: uma Dívida Pública muito acima do que seria prudente e sensato; Bancos excessivamente endividados no mercado internacional; as Empresas a dependerem totalmente do crédito bancário para o seu dia a dia; boa parte da população às voltas para pagar as suas hipotecas; um número de Famílias sobre-endividadas que já se faz notar nas estatísticas.
v        Uma economia mergulhada em dívidas - e, em tantos casos, com fracas perspectivas de vir, algum dia, a livrar-se delas - não é, propriamente, a melhor trincheira para resistir a uma crise que tem as suas origens, precisamente, no endividamento.
v        O endividamento dos Bancos merece uma atenção especial. Foram eles a principal causa, e o grande financiador, de uma longa sucessão de deficits da BTC/Balança de Transacções Correntes bem acima dos 8% do PIB (anos houve em que estes deficits ultrapassaram a fasquia dos 10%, chegando mesmo aos 12%) – o sinal mais claro do desnorte em que a economia portuguesa tem vivido desde que aderiu à zona Euro.
v        São eles, Bancos, deixados com rédea livre, os promotores e os maiores beneficiários deste estado de coisas - e sem disporem de Capitais Próprios para tal. Como é que isto tem sido possível? Resposta: Graças à inépcia do Regulador e à complacência do Supervisor.
v        De facto, tem sido dada cobertura a procedimentos contabilísticos que disfarçam evidentes insuficiências de Capital:
-            Empréstimos subordinados e outros expedientes a fazerem as vezes de Capitais Próprios;
-            Custos sem valor de mercado (logo, irrecuperáveis) classificados como Imobilizado Incorpóreo;
-            Gastos em imóveis arrendados (e, por isso, investimentos perdidos a favor dos senhorios) contabilizados como Imobilizado Corpóreo;
-            Em matéria de pensões (e de outras despesas asseguradas ao pessoal reformado), responsabilidades adquiridas por serviços passados ainda a pesar como dívida não especificada nos Balanços de vários Bancos;
-            Provisões constituídas inferiores às perdas prováveis nas carteiras de crédito bancário (à luz dos dados históricos, e sem entrar em linha de conta com o efeito do ciclo económico - logo, da própria crise);
-            Contas “de saco” recheadas de valores que, há muito, deveriam ter sido abatidos ao Balanço;
-            Lançamento “fora do Balanço” (extra-contabilístico) de passivos que só na aparência são contingentes.
v        Estaremos nós, a nossa organização como Estado de Direito, preparados para ultrapassar esta crise com danos graves, mas suportáveis? Duvido. Uma crise com esta magnitude exige instrumentos jurídicos extremamente aperfeiçoados, e sistemas judiciais expeditos para os aplicar com coerência, equidade e precisão cirúrgica.
v        Refiro-me, sobretudo: (1) a uma lei de falências desenhada para devolver prontamente à actividade económica os patrimónios atingidos; (2) a uma lei do arrendamento urbano que favoreça a mobilidade geográfica; (3) a um regime tributário das Empresas construído em torno da neutralidade fiscal entre juros e dividendos; (4) a esquemas de regulação bem rodados e credíveis; e (5) a uma cultura de prestação de contas e à disciplina do mercado.
v        Dê-se de barato a vertente cultural, que não se mudam hábitos de séculos da noite para o dia. Quanto ao resto, o problema não reside no facto de essas leis, esses regimes, essa regulação serem desconhecidos entre nós. Conhecemo-los bem. Só que concebidos, e praticados, como se tivessem por propósito escondido agravar os efeitos das crises que sobre nós se abatam - e tolher toda e qualquer reacção que possamos esboçar.
v        A lei e a prática judicial comprazem-se em deixar o património do insolvente a apodrecer, de mão morta, perante a passividade, ou a impotência, dos credores. Com a inevitável onda de falências que se avizinha, é fácil imaginar (mas impossível estimar) quantos bens de capital, capital físico, serão perdidos para sempre, reduzindo o produto potencial (saberá o legislador o que isso é?) – e deixando-nos ainda mais pobres.
v        A lei do arrendamento mantém aprisionadas no passado centenas de milhares de habitações, e empurra-nos para a aquisição de casa própria. Endivida-nos e bloqueia a mobilidade geográfico - um dos meios mais eficazes para mitigar os efeitos de qualquer crise.
v        A tributação directa das empresas, ao penalizar os dividendos, premeia subrepticiamente o endividamento – dando ao tecido empresarial português uma configuração particular, e particularmente frágil.
v        E quase por justiça divina, são o Fisco e a Banca os primeiros prejudicados com tamanha propensão para o endividamento. Aquele, porque se defronta com a opacidade própria das “empresas de patrão”, e a evasão fiscal que daí resulta. Esta, porque fica exposta a maiores riscos justamente numa altura em que, para segurar as suas fontes de financiamento externo, mais necessita de demonstrar a qualidade dos seus Balanços.
v        A regulação, quando é credível (logo, eficaz), diminui a conflitualidade, liberta os tribunais e assegura a todos iguais oportunidades. Quando não é – e em Portugal não é – torna-se, ela própria causa de litígio, protege à outrance o que está e entrava a mudança (a “destruição criadora” de Schumpeter), que é a outra face da crise.
v        Exemplo do que não deve, não pode ser feito é o que acontece quando se descobre (sempre de um dia para o outro - porque, entre nós, tais episódios são como a morte súbita, acts of God) que um Banco (ou outra qualquer Instituição Financeira), não tem ponta por onde se lhe pegue. Prolonga-se a situação até ao impensável, na esperança de que sobrevenha não se sabe bem o quê, posto que nada se faz de concreto para atalhar o mal.
v        E, entretanto, a descrença e o descrédito alastram ao ritmo a que o dinheiro dos contribuintes vai sendo vertido para financiar não só o que já não tem remédio, mas também o que custam as inúteis tentativas para reanimar mortos-vivos.
v        Todos, por cá e lá fora, estamos a redescobrir, agora, que, quando um Banco não se sustenta por ele próprio e os seus accionistas não têm nem saber, nem vontade, nem dinheiro para o repor no bom caminho, só há três medidas a tomar: (1) proteger o dinheiro dos depositantes (para manter incólume o sistema de pagamentos), fazendo avançar prontamente as garantias dos depósitos; (2) garantir também as posições interbancárias líquidas para conter o risco sistémico (o que, parece, não foi feito no caso Lehman Brothers); (3) colocar o Banco em liquidação forçada, com a imediata destituição dos seus órgãos sociais e auditores externos.
v        Seguir-se-á, então, o apuramento das responsabilidades pessoais. (cont.)
Fevereiro de 2009
 A. PALHINHA MACHADO

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D