Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

burricadas 54

 

os passivos do nosso descontentamento - III
 
v        Não tanto pela crise, mas pelo modo como ela está a ser combatida, cada economia nacional (refiro-me às economias mais desenvolvidas, bem entendido) encontra-se, nos dias de hoje, partida em três pedaços praticamente estanques:
-            O sistema bancário em sentido restrito – onde a liquidez que o Banco Central emite a ele retorna de imediato sob a forma de reservas excedentárias (mais raramente, através da aquisição de TBC/Títulos do Banco Central), ou fica a circular timidamente (isto é, por prazos curtos) nos mercados interbancários;
-            O triângulo formado pelo Banco Central, a Banca Comercial e o Tesouro – com os Bancos Comerciais a utilizarem a liquidez que recebem do Banco Central para subscrever as sucessivas emissões de Dívida Pública (uma maneira despreocupada, mas infalível, de monetizar Dívida Pública);
-            E tudo o resto - agora à míngua de liquidez, porque tem de continuar a servir as suas dívidas, mas não consegue colocar nova dívida (salvo quando passa a ficar coberta por mais uma garantia do Estado).
v        É difícil perceber como, por esta via, a conjuntura económica (o tal “resto”) estabilizará suficientemente para que todos (Banca e Investidores) voltem a fazer uma ideia razoável dos riscos a que se expõem, e consigam atribuir preços confiáveis a esses riscos. Esta mistura de Dívida Pública, garantias do Estado e injecções de liquidez é, não explosiva, mas implosiva.
v        Obviamente, há um patamar abaixo do qual a actividade económica não cairá – porque, com crise ou sem ela, a vida continua (mal, mas continua). Contrariamente ao que aconteceu no passado, porém, a dinâmica demográfica das economias ocidentais (com excepção da norte-americana) já não é de molde a induzir um estímulo autónomo (a procura residencial) que amorteça a crise.
v        A vida continuará também para a Banca - o que implica pagar periodicamente ao seu pessoal e continuar a comprar uma multiplicidade de bens e serviços. Ora, as margens (apesar de tudo, magras) que a triangulação da Dívida Pública lhe vai proporcionando dificilmente darão para suportar por muito tempo estruturas que os “anos dourados” empolaram. A perspectiva é, assim, de despedimentos em grande escala – onde a legislação aplicável o permitir.
v        Mas, cedo ou tarde, a pressão do passado (o peso da estrutura, o serviço da dívida titulada, a insatisfação de accionistas habituados a dividendos mais fartos) trará de volta o apetite, talvez reticente, pelo risco e as operações de crédito bancário - para alívio daquele “resto” onde as conjunturas, afinal, se definem. Neste ponto, vamos todos redescobrir que, no domínio da economia e da finança, é preciso ser paciente e dar tempo ao tempo.
v        Tempo é também uma variável fulcral da acção dos Governos, sobretudo hoje em dia. Tempo e pontaria - para que a Despesa Pública acerte nas zonas mais densas do tecido económico: aquelas para as quais converge o maior número de actividades, a montante e a jusante; aquelas mais trabalho-intensivas; aquelas, enfim, onde cada cêntimo gasto desencadeia uma miríade de trocas monetárias (como vulgarmente se diz: onde o dinheiro se multiplica). E quais são elas? Ouço o Leitor perguntar.
v        A resposta variará de país para país. Mas duas são, com certeza: a construção residencial e a agricultura moderna. Da primeira, talvez não seja bom falar por uns tempos. Quanto à segunda, felizes são os países que ainda a conservem de boa saúde.
v        As trocas transfronteiriças, não sendo propriamente uma dessas zonas (o conceito de comércio internacional é demasiado vago), são, apesar disso, determinantes a vários títulos:
-            Os países podem querer manter dentro das suas fronteiras os efeitos dos estímulos que financiem com o dinheiro dos seus contribuintes (o regresso do proteccionismo);
-            As maiores economias podem hesitar, pensando que uma boa parte dos seus esforços orçamentais irá perder-se em benefício dos seus parceiros comerciais (a síndrome do líder relutante);
-            O saldo da BTC/Balança de Transacções Correntes, em todas as circunstâncias, será a medida do sucesso (ou do falhanço) do combate à crise, a nível nacional;
-            A evolução dos desequilíbrios entre as BTC das economias com maior peso no comércio internacional será, por sua vez, a medida do sucesso (ou do falhanço) das acções concertadas para combater uma crise que é manifestamente global.
v        Bem vistas as coisas, não são só os Bancos Comerciais que devem testar, regularmente, a sua prontidão em cenários de crise financeira (stress tests). Os Governos e os Bancos Centrais também – e em conjunto, para não se atrapalharem mutuamente quando a necessidade apertar. Quem diria? (cont.)
Fevereiro de 2009
 A. PALHINHA MACHADO
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D