Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

burricadas 54

 

os passivos do nosso descontentamento - III
 
v        Não tanto pela crise, mas pelo modo como ela está a ser combatida, cada economia nacional (refiro-me às economias mais desenvolvidas, bem entendido) encontra-se, nos dias de hoje, partida em três pedaços praticamente estanques:
-            O sistema bancário em sentido restrito – onde a liquidez que o Banco Central emite a ele retorna de imediato sob a forma de reservas excedentárias (mais raramente, através da aquisição de TBC/Títulos do Banco Central), ou fica a circular timidamente (isto é, por prazos curtos) nos mercados interbancários;
-            O triângulo formado pelo Banco Central, a Banca Comercial e o Tesouro – com os Bancos Comerciais a utilizarem a liquidez que recebem do Banco Central para subscrever as sucessivas emissões de Dívida Pública (uma maneira despreocupada, mas infalível, de monetizar Dívida Pública);
-            E tudo o resto - agora à míngua de liquidez, porque tem de continuar a servir as suas dívidas, mas não consegue colocar nova dívida (salvo quando passa a ficar coberta por mais uma garantia do Estado).
v        É difícil perceber como, por esta via, a conjuntura económica (o tal “resto”) estabilizará suficientemente para que todos (Banca e Investidores) voltem a fazer uma ideia razoável dos riscos a que se expõem, e consigam atribuir preços confiáveis a esses riscos. Esta mistura de Dívida Pública, garantias do Estado e injecções de liquidez é, não explosiva, mas implosiva.
v        Obviamente, há um patamar abaixo do qual a actividade económica não cairá – porque, com crise ou sem ela, a vida continua (mal, mas continua). Contrariamente ao que aconteceu no passado, porém, a dinâmica demográfica das economias ocidentais (com excepção da norte-americana) já não é de molde a induzir um estímulo autónomo (a procura residencial) que amorteça a crise.
v        A vida continuará também para a Banca - o que implica pagar periodicamente ao seu pessoal e continuar a comprar uma multiplicidade de bens e serviços. Ora, as margens (apesar de tudo, magras) que a triangulação da Dívida Pública lhe vai proporcionando dificilmente darão para suportar por muito tempo estruturas que os “anos dourados” empolaram. A perspectiva é, assim, de despedimentos em grande escala – onde a legislação aplicável o permitir.
v        Mas, cedo ou tarde, a pressão do passado (o peso da estrutura, o serviço da dívida titulada, a insatisfação de accionistas habituados a dividendos mais fartos) trará de volta o apetite, talvez reticente, pelo risco e as operações de crédito bancário - para alívio daquele “resto” onde as conjunturas, afinal, se definem. Neste ponto, vamos todos redescobrir que, no domínio da economia e da finança, é preciso ser paciente e dar tempo ao tempo.
v        Tempo é também uma variável fulcral da acção dos Governos, sobretudo hoje em dia. Tempo e pontaria - para que a Despesa Pública acerte nas zonas mais densas do tecido económico: aquelas para as quais converge o maior número de actividades, a montante e a jusante; aquelas mais trabalho-intensivas; aquelas, enfim, onde cada cêntimo gasto desencadeia uma miríade de trocas monetárias (como vulgarmente se diz: onde o dinheiro se multiplica). E quais são elas? Ouço o Leitor perguntar.
v        A resposta variará de país para país. Mas duas são, com certeza: a construção residencial e a agricultura moderna. Da primeira, talvez não seja bom falar por uns tempos. Quanto à segunda, felizes são os países que ainda a conservem de boa saúde.
v        As trocas transfronteiriças, não sendo propriamente uma dessas zonas (o conceito de comércio internacional é demasiado vago), são, apesar disso, determinantes a vários títulos:
-            Os países podem querer manter dentro das suas fronteiras os efeitos dos estímulos que financiem com o dinheiro dos seus contribuintes (o regresso do proteccionismo);
-            As maiores economias podem hesitar, pensando que uma boa parte dos seus esforços orçamentais irá perder-se em benefício dos seus parceiros comerciais (a síndrome do líder relutante);
-            O saldo da BTC/Balança de Transacções Correntes, em todas as circunstâncias, será a medida do sucesso (ou do falhanço) do combate à crise, a nível nacional;
-            A evolução dos desequilíbrios entre as BTC das economias com maior peso no comércio internacional será, por sua vez, a medida do sucesso (ou do falhanço) das acções concertadas para combater uma crise que é manifestamente global.
v        Bem vistas as coisas, não são só os Bancos Comerciais que devem testar, regularmente, a sua prontidão em cenários de crise financeira (stress tests). Os Governos e os Bancos Centrais também – e em conjunto, para não se atrapalharem mutuamente quando a necessidade apertar. Quem diria? (cont.)
Fevereiro de 2009
 A. PALHINHA MACHADO
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D