Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 41

 

 

 
 
Título: Guerra Civil de Espanha
         - Intervenção e não intervenção europeia 1936-1939
Autor: Luís Soares de Oliveira
Editores: PREFÁCIO – Edição de Livros e Revistas, Ldª.
Edição: 1ª, Janeiro de 2009
 
 
 
 
 
 
Como diria José Carlos Ary dos Santos,
«As coisas são o somenos que elas são:
                                 O que é um gato é um gato,
                                 O que é um cão é um cão.»
 
Mas na Diplomacia, seguidora de Friedrich Nietzsche sempre que lhe convém, não é exactamente assim: «Não há factos; há apenas interpretações.»
 
Com esta frase de Nietzsche nos dá o Autor um resumo do típico modo de actuação do diplomata, o tal que quando diz sim significa talvez e quando diz talvez significa não. Um diplomata nunca diz não.
 
E com subtilezas interpretativas misturadas com declarações cautelosas e com cautelas subtis enformando declarações interpretativas, eis que se juntam em Londres todos aqueles que apregoam a paz fazendo descaradamente a guerra. Porquê? Porque…
 
A crescente influência da CNT[1] junto dos trabalhadores colocou o estado espanhol nos braços de uma tenaz infernal: - corrupção, à direita; terrorismo, à esquerda. A oligarquia que dominou a vida política espanhola ao longo do século XIX destruiu gradualmente a velha ordem da Monarquia absolutista mas não teve energia para construir outra ordem viável. Comprava poder para que este reprimisse os seus opositores. Ao ascender ao trono[2], Afonso XIII rejeitou a proposta de repressão violenta formulada pelo chefe conservador António Maura – que foi demitido – e optou pelo modelo transformista proposto pelos liberais. O rei pensava que o problema se poderia resolver sem recurso à força. Encarregou a facção liberal de proteger o flanco esquerdo do regime com os seus esquemas de agregação económica. A solução liberal de «co-opção» – participação nos benefícios do sistema – revelava contudo incompreensão da natureza do fenómeno. Os anarquistas não pretendiam beneficiar do sistema; pretendiam acabar de vez com o sistema. Visavam o empobrecimento geral nivelador e não o aumento da riqueza e melhor repartição. A solução liberal era exactamente a que mais desprezavam.
 
E por aqui me quedo com a transcrição pois se continuasse por mais uma linha que fosse, era tentado a copiar o livro todo.
 
E também porque tanto à Alemanha nazi como à URSS se lhes tinha metido nas cabeças que haviam de destronar a hegemonia britânica passando eles a dominar os demais povos, Espanha foi considerada o teatro fundamental para isolar a Europa ocidental do resto do mundo. Quem dominasse a Península Ibérica haveria de controlar a Europa.
 
Aquela de os anarquistas quererem «o empobrecimento geral nivelador», faz-nos lembrar o discurso do PCP no post-25 de Abril de 1974 quando falava em democracia. Sim, passados cerca de 50 anos, o discurso repetiu-se aqui mesmo ao lado de onde foi proferido inicialmente. Dá para repetir a frase de Friedrich Hölderlin que já citei tanta vez: «somos originais porque não sabemos nada» …
 
Cenário internacional de grande fragilidade e França, com um Governo presidido por Léon Blum, a querer conciliar o inconciliável, a demagogia eleitoralista e as exigências sociais a dificultarem ou até mesmo a impedirem as políticas estrategicamente prementes para os superiores interesses do país. A toda esta envolvente se refere o Autor num excepcional desenvolvimento explicativo.
 
Portugal como centro de muitas discussões desde Moscovo a Londres e Salazar a desenvolver uma política de grande clareza na defesa dos princípios em que cria. O xadrez mundial a desenhar-se junto das fronteiras portuguesas e nós, os não comunistas, a termos hoje que reconhecer que o nosso anti-salazarismo poderia ter muitos fundamentos mas não os relativos à guerra civil espanhola.
 
Somos transportados ao longo do livro através de relatos admiráveis; inúmeros os factos históricos descritos que não éramos capazes de imaginar; ficamos com a sensação de estarmos a participar nas reuniões, com os diplomatas a terem que dizer o que os respectivos patrões lhes impunham, a ouvirem coisas para que não estavam preparados, a improvisarem argumentos que os poderiam conduzir à demissão nas situações mais benignas ou à decapitação física nas mais intervencionistas.
 
Nem tudo foram rosas ali sobre o Baluarte do Livramento, foz do Tejo à vista, no Palácio das Necessidades. Difícil a vida dos diplomatas em tempos de guerra.
 
Um bom livro sob inúmeros pontos de vista, nomeadamente para relembrar o discurso estalinista da militância antifascista ainda hoje na boca de tanto rot Gauleiter que nem sequer sabe o que era o fascismo.
 
Finalmente, duas perguntas para espevitar a curiosidade:
- Sabe quem foi Saint John Perse?
- Sabe quem foi Alexis Léger?
 
Livro a não perder.
 
Lisboa, Fevereiro de 2009
 
 Henrique Salles da Fonseca



[1] -Confederação Nacional do Trabalho (anarquista)
[2] - Em 1902, ao completar 16 anos de idade e assim sendo considerado maior de idade

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D