Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

O VALOR ÉTICO DO CAPITALISMO

 

 
A recente crise tem revelado muitos e graves vícios morais por parte de altos responsáveis económicos. Mas o aspecto realmente interessante é avaliar o sentido ético do próprio sistema. Na sua natureza profunda, o capitalismo é bom ou mau?

A visão comum é negativa. Toda a gente, não apenas mas sobretudo nestes períodos de turbulência, repudia e acusa um regime centrado no dinheiro, risco e lucro. Podemos simbolizar essa atitude num texto que agora celebra 35 anos.

Foi em Janeiro de 1974, meses antes da revolução, que Álvaro Cunhal publicou na revista Problemas da Paz e do Socialismo o artigo "A superioridade moral dos comunistas". O texto soa hoje estranho, com a sua ética de classe, partido e revolução. Mas muita gente concorda ainda com a descrição dos "sentimentos e comportamento moral da burguesia: individualismo e egoísmo ferozes, indiferença pela sorte dos seres humanos, rapacidade, venalidade, completa falta de escrúpulos, redução a simples mercadorias dos valores culturais e espirituais" (n.º1).
 
 Álvaro Cunhal (1913 - 2005)
 
As coisas porém mudaram em 35 anos. Se Cunhal insulta uma entidade estranha ao seu mundo comunista, os actuais críticos pertencem de alma e coração ao sistema. Burgueses dos quatro costados, participam com empenho no regime, mercado e emprego. Os lamentos actuais incluem pois, uma transposição curiosa. Neles, os "egoístas ferozes, rapaces e venais" não são todos os burgueses, mas um grupo indefinido de maus, que supostamente define o capitalismo e nada tem a ver com os agentes económicos comuns que fazem (e criticam) a realidade do processo.

A maior parte das censuras ao actual mecanismo económico nasce de um equívoco: a ignorância da dureza pré-capitalista. As críticas partem da comparação, necessariamente mítica e injusta, daquilo que é com o que devia ser. Assim se perdem de vista os incríveis ganhos que a livre troca e iniciativa trouxeram à humanidade. Os notáveis avanços na saúde e comunicação, conforto e arte, cultura e liberdade, que tantos vêem como direitos, são inseparáveis do capitalismo. Acima de tudo são incríveis os ganhos na redução da pobreza. A população mundial na situação de carência (menos de 1,25 dólares por dia) caiu de 35% do total para menos de 26% nos últimos dez anos. Isso significou arrancar à miséria 50 milhões de pessoas por ano. Quem fez isto não foi a ajuda ao Terceiro Mundo, a caridade cristã ou a sociedade socialista, mas a entrada na economia de mercado pela globalização.

Estes ganhos, que uma cegueira ideológica de jornais, discursos e programas escolares teima em esconder ou relativizar, pesam muito a favor na avaliação ética do sistema. Claro também que ele está longe de ser o paraíso na Terra e vem cheio de defeitos, injustiças, turbulências, crises e degradações. Não há almoços grátis. Mas poucos estariam dispostos a voltar atrás, rejeitando aspirinas, papel higiénico, automóvel, frigorífico e telefone. Estas coisas não são possíveis sem dinheiro, risco e lucro. Muitos tentaram alternativas, de Lenine a Cunhal, Fourier a Perón, mas falharam redondamente. O capitalismo, como a democracia anexa, permanece o pior dos sistemas, exceptuando todos os outros.

Apesar disso é inegável que ele suscita profundas críticas e fúrias. Essa cólera é justa mas errónea, pois parte de certezas confusas e exageradas. Porque a desigualdade de riqueza interna desceu, não subiu com o progresso; não há "capitalismo selvagem" num Estado de direito; o suposto "neo-liberalismo" é o regime em que lei e governo mais poder e interferência têm; o mercado financeiro constitui a entidade mais regulada e vigiada da humanidade (nem sempre da forma adequada, como se vê).

Não é aí que está a verdadeira crítica ao sistema capitalista. O mal não é externo e estrutural, mas interior: "Onde estiver o teu tesouro aí estará o teu coração" (Mt 6, 21). O problema é que o sucesso do capitalismo pôs-nos a todos debaixo da terrível maldição do camelo e da agulha: “Ai de vós, os ricos, porque já recebestes a vossa consolação!” (Lc 6,24).
 
 João César das Neves
Professor universitário
 – naohaalmocosgratis@fcee.ucp.pt

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D