Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

IDENTIDADES E DIFERENÇAS

 

 
Presidente do Tribunal de Contas Juiz Conselheiro Guilherme d'Oliveira Martins Guilherme d´Oliveira Martins, Portugal: Identidade e Diferença. Lisboa, Gradiva, 2007
 
9 – Fala-se muito de identidade, mas há sempre a tentação de valorizar o que é próprio, em vez de cultivar a ligação com o outro. ..Se a memória deve ser preservada, tem de o ser com sentido de equilíbrio, para que a amnésia e a indiferença não se tornem perigosos ingredientes da barbárie, o para ressentimento não ocupe o lugar do respeito e da humanidade…
 
    Quando se fala de Portugal, verificamos amiúde que nós conhecemos mal, que tendemos a cariacaturar-nos por excesso ou por defeito, que nos iludimos quer sobre o mítico bem donde julgamos provir quer sobre o mal onde julgamos    estar e que facilmente se confunde com uma fatalidade .
 
13 – [faz-se] uso de uma espécie de esquecimento de encomenda (não nós lembremos das coisas…mas)
 
 Eduardo Lourenço, The Little Lusitanian House: Essays on Portuguese Culture. Providence, Gávea-Brown, 2003
 
29 – Portugal is…a kind of ongoing miracle, the expression of God´s will – is a constant not only in the country´s historic-political mythology, but also in its cultural mythology.
 
55 – What we played, brilliantly or painfully, was the role of reactor
 
59 – [Portugal´s] ancestral nationalism
 
67 – The critical function has practically ceased to exist in the country
 
87 – [Portugal] cannot bear to be looked at by those unmindful or unaware of
 [its] imaginary life
 
 José Gil, Portugal Hoje: O Medo de Existir. Lisboa, Relógio d´Água, 2005
 
53 – Não vemos mais longe do que…as nossas fronteiras, a nossa região, a nossa cidade, a nossa família colados a um falso presente sem passado (as narrativas míticas dos reis e dos Descobrimentos já não alimentam o nosso presente nem futuro)
 
25 – Não há debate político…com regras predeterminadas
 
26 – Os lugares, tempos…e pessoas formam um pequeno sistema estático que trabalha afanosamente para a sua manutenção
 
 
 Eduardo Lourenço e a Cultura Portuguesa, de Miguel Real, Lisboa, QuidNovi, 2008
 
31 – Sintetizando os seus trabalhos [de Lourenço]…sobre a cultura portuguesa, considera que a dupla posição tradicional portuguesa sobre a Europa que tanto fez deste continente a salvação de Portugal quanto diaboliza o movimento científico, tecnológico, religioso, filosófico, económico e político que tornara a Europa a vanguarda do mundo entre os séculos XVI e XX, incorre no mesmo erro ´ortodoxo´.
 
33 – O delicioso paraíso do autocontentamento mais inexpugnável que se viu neste século, êmulo digno dos bons tempos de D. João V
 
34 – Um dogmatismo sem fendas, transfigurando na prática em suficiência e intolerância.
 
43 – O  irrealismo prodigioso da imagem que os portugueses fazem de si mesmos.
 
 
 John Howard Wolf
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D