Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Curupira, um mito do Brasil

 

 
 
O imaginário está presente na mente de todos os homens, em todas as épocas e civilizações. Faz parte da cultura e da história, ajuda a educar  os sentimentos  que não se entende, a interpretar os fenómenos  da natureza, a se posicionar e agir em relação àquilo que se desconhece,  identifica  povos.
 
E não foi diferente quando os europeus chegaram ao novo mundo. Depararam-se com outros mitos e lendas de um povo desconhecido, selvagem, que, mais tarde, miscigenado,  enriqueceu o folclore do Brasil.
 
Já no tempo em que chegaram os primeiros jesuítas, o padre José de Anchieta, em carta de 1560, relatava: “ ... aqui há certos demónios a que os índios chamam de CURUPIRA, que atacam muitas vezes no mato dando-lhes açoites e ferindo-os bastante”. Ele se referia a um ente mitológico tupi-guarani que, para os índios, protegia a floresta. Descreviam-no como um anão, de cabelos vermelhos, dentes verdes e com pés voltados para trás, para despistar os invasores da mata. Seria ele o responsável pelos ruídos misteriosos, pelos medos inexplicáveis que acometiam os homens, e pelo desaparecimento de caçadores, enganados pelas suas pegadas. Na ameaça de tempestades, despertava as árvores sacudindo-as para que acordassem e pudessem reagir aos ventos e à chuva.  Curupira, como outras entidades fantásticas,  gostava de fumo e de cachaça, mas tinha medo da cruz. Quando a encontrava mudava de rumo. Quem o desagradasse não conseguia mais sair da floresta, tinha morte certa. Para agradá-lo os caçadores deixavam esteiras, penas e cobertas nas clareiras, levavam sempre fumo, para lhe oferecer caso o encontrassem.
 
Do Maranhão para o resto do país é confundido com outro mito protector dos animais e das matas, o Caiapora ou Caapora que tem a  imagem idealizada parecida com a do Curupira,  só que com os pés na posição normal, sendo que na região sul do país tem o aspecto de um gigante peludo. É comum este aparecer montado num porco do mato, agitando um galho de japecanga  e , à vezes, seguido por um cachorro,  para assustar e castigar  os caçadores que quebrarem o trato de não pouparem os animais filhotes e as fêmeas da floresta. 
 
Os mitos se misturam e tomam aspectos diferentes de acordo com as tribos e os locais do país onde são contados. Mas o importante é que eles tentam preservar uma identidade cultural que está sendo drasticamente descaracterizada pela aculturação e contacto com o branco, como acontece, por exemplo,  em certas áreas da Amazónia, onde o turismo chegou, em que  o índio e o caboclo aprendem a explorar até  as cobras, como animais domesticados, para ganhar dinheiro dos turistas mais corajosos.   
 
 
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 18/01/09
 
Dados :
Enciclopédia Universal

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D