Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Curupira, um mito do Brasil

 

 
 
O imaginário está presente na mente de todos os homens, em todas as épocas e civilizações. Faz parte da cultura e da história, ajuda a educar  os sentimentos  que não se entende, a interpretar os fenómenos  da natureza, a se posicionar e agir em relação àquilo que se desconhece,  identifica  povos.
 
E não foi diferente quando os europeus chegaram ao novo mundo. Depararam-se com outros mitos e lendas de um povo desconhecido, selvagem, que, mais tarde, miscigenado,  enriqueceu o folclore do Brasil.
 
Já no tempo em que chegaram os primeiros jesuítas, o padre José de Anchieta, em carta de 1560, relatava: “ ... aqui há certos demónios a que os índios chamam de CURUPIRA, que atacam muitas vezes no mato dando-lhes açoites e ferindo-os bastante”. Ele se referia a um ente mitológico tupi-guarani que, para os índios, protegia a floresta. Descreviam-no como um anão, de cabelos vermelhos, dentes verdes e com pés voltados para trás, para despistar os invasores da mata. Seria ele o responsável pelos ruídos misteriosos, pelos medos inexplicáveis que acometiam os homens, e pelo desaparecimento de caçadores, enganados pelas suas pegadas. Na ameaça de tempestades, despertava as árvores sacudindo-as para que acordassem e pudessem reagir aos ventos e à chuva.  Curupira, como outras entidades fantásticas,  gostava de fumo e de cachaça, mas tinha medo da cruz. Quando a encontrava mudava de rumo. Quem o desagradasse não conseguia mais sair da floresta, tinha morte certa. Para agradá-lo os caçadores deixavam esteiras, penas e cobertas nas clareiras, levavam sempre fumo, para lhe oferecer caso o encontrassem.
 
Do Maranhão para o resto do país é confundido com outro mito protector dos animais e das matas, o Caiapora ou Caapora que tem a  imagem idealizada parecida com a do Curupira,  só que com os pés na posição normal, sendo que na região sul do país tem o aspecto de um gigante peludo. É comum este aparecer montado num porco do mato, agitando um galho de japecanga  e , à vezes, seguido por um cachorro,  para assustar e castigar  os caçadores que quebrarem o trato de não pouparem os animais filhotes e as fêmeas da floresta. 
 
Os mitos se misturam e tomam aspectos diferentes de acordo com as tribos e os locais do país onde são contados. Mas o importante é que eles tentam preservar uma identidade cultural que está sendo drasticamente descaracterizada pela aculturação e contacto com o branco, como acontece, por exemplo,  em certas áreas da Amazónia, onde o turismo chegou, em que  o índio e o caboclo aprendem a explorar até  as cobras, como animais domesticados, para ganhar dinheiro dos turistas mais corajosos.   
 
 
Maria Eduarda Fagundes
Uberaba, 18/01/09
 
Dados :
Enciclopédia Universal

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D