Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AMÉRICA – III

 

 
A ESPERANÇA
 
 
 
John McCain, o candidato presidencial derrotado, deve ter respirado fundo quando soube que o adversário era o vencedor. É que os trabalhos ciclópicos que esperam a nova Administração americana não deixam margem para dúvidas: só uma grande tenacidade, um espírito inovador, uma grande independência relativamente ao passado e uma sabedoria exímia conseguirão levar por diante um programa de acção que rapidamente relance a economia por ter recuperado a confiança nas instituições financeiras, impeça um surto inflacionista ao estilo do Zimbabwe ou da República de Weimar, resolva a questão iraquiana, restabeleça algum pudor no equilíbrio orçamental, traga de volta alguma estabilidade aos preços das matérias-prima, reponha a justiça social donde a Administração anterior a retirou e recupere o orgulho nacional.
 
E tudo isto sobre os ombros de um único homem, o Presidente.
 
Mas se estas são as minhas esperanças, o resto do mundo espera estas e muitas outras coisas. Tantas que não dá para as enumerar.
 
O que me espanta é ouvir os inimigos dos americanos dizerem que «agora, sim, as coisas vão melhorar». E quem são esses inimigos? Toda a esquerda política mundial e seus aliados; todos os inimigos de Israel; todos os “coitadinhos” do terceiro mundo (mas com fabulosas contas bancárias pessoais nos mais escandalosos paraísos fiscais); todos os guerrilheiros espalhados pelas selvas mais recônditas; todos os que não sabem lidar com eles; todos os que se serviram deles para iniciar o processo de desenvolvimento e agora os querem escorraçar; todos os que perante eles têm complexos de inferioridade. E são tantos…
 
Acham que Barack Obama lhes vai fazer todas as vontades: que vai desvalorizar o dólar para que os produtos americanos fiquem relativamente mais baratos; que vai valorizar o dólar para que as exportações para a América fiquem relativamente mais fáceis; que vai apoiar os palestinianos e suspender o apoio a Israel pondo «os judeus americanos na ordem» e abdicando das mais valias do negócio dos diamantes; que vai trazer de volta da China as indústrias que para lá foram transferidas em busca de mão-de-obra barata e simultaneamente vai ignorar os títulos do tesouro americano em mãos chinesas; que vai lançar um ror de dinheiro nos circuitos monetários para relançamento dos mercados financeiros e combater a inflação; que vai permitir a importação de petróleo pago em moedas estrangeiras e aumentar o apoio ao desenvolvimento; que vai reforçar a segurança mundial mas reduzir o esforço militar; que vai reforçar a globalização mas reduzir o imperialismo económico; que vai abdicar da defesa dos interesses estratégicos americanos a favor de quem os conteste. Eis como a lista de incongruências não tem fim…
 
E acham tanta coisa contrária aos mais profundos interesses da Nação americana que não tardará muito para que digam que Obama é uma decepção, um imperialista, um «bandido» igual aos outros todos que passaram pela Casa Branca.
 
Todos, cá fora, temos muita esperança na actuação de Obama como homem do nosso bem mas ele recebeu um inequívoco mandato para exercer o cargo de Presidente dos EUA e não o de traidor ao seu país.
 
Outra coisa é o «american dream».
 
Lisboa, Janeiro de 2009
 
 Henrique Salles da Fonseca

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D