Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS CONFERÊNCIAS DE LISBOA – 7

Quando na passada 2ª feira, 10 de Outubro, foi anunciada a atribuição do Prémio Nobel da Economia de 2005 aos Professores Robert Aumann e Thomas Schelling, logo me dirigi à Internet em busca de informação sobre os trabalhos que a ambos haviam merecido tão elevado galardão. Tratava-se da Teoria dos Jogos e dei por mim a entender tanto como se em vez de inglês estivesse a ler mandarim ou cantonês: zero. Fiquei triste ao perceber que não tinha formação suficiente para compreender textos publicados na Internet e supostamente acessíveis ao grande público. Uma liçãozinha de humildade não faz mal a ninguém.

Foi portanto com redobrado interesse que aceitei o convite que o Professor Manuel Ennes Ferreira, na qualidade de responsável pela organização das conferências e seminários no ISEG, me endereçou para assistir hoje, 12 de Outubro, a uma Conferência no edifício da biblioteca daquele Instituto exactamente sobre o tema das minhas desilusões.

A mesa era composta pelo Professor José Pedro Fontes (ISEG), pela Professora Joana Pais (ISEG) e pelo Professor João Gata (Universidade de Aveiro). Na plateia não cabia muito mais gente para além de alunos, docentes e público em geral como eu.

Feito um breve resumo curricular dos laureados, ficámos a saber que o Professor Aumann é essencialmente um matemático e o Professor Schelling economista. Daqui resultam abordagens completamente diferentes à Teoria dos Jogos, na certeza porém de que ambos tomam como base de partida os estudos de John Nash, laureado Nobel em 1994, sobre aquilo que ficou conhecido como o “Equilíbrio de Nash” em jogos estratégicos não cooperativos (1).

Destas diferentes abordagens resultou em Schelling uma teoria da selecção de equilíbrios nos conflitos e nas situações de cooperação, na coordenação de pontos focais, na graduação das ameaças e das promessas credíveis. Tudo isto parece mandarim ou cantonês até que se começa a perceber que tudo está relacionado com a concorrência económica e com o controle de armamento. Schelling viveu intensamente a Guerra-fria junto do mais alto nível decisório americano, teorizou as estratégias da ameaça e da cooperação, sugeriu o estreitamento do leque de hipóteses alternativas no jogo (de gato e rato) em curso entre americanos e russos e propôs a definição da chamada “resposta automática”: se eles fizerem isto, nós respondemos automaticamente com aquilo. A isso chamámos mais tarde a Guerra das Estrelas. Sim, precisamente aquela resposta automática que, mesmo ainda no prelo, desmantelou a União Soviética. Eis o “bluff” perfeito. Bem se compreende assim porque é que a Teoria dos Jogos nasceu pela mão do Pocker.

Aumann dedicou-se sobretudo à questão do conhecimento que cada jogador tem nomeadamente das regras do próprio jogo, da racionalidade de cada interveniente e do conhecimento que cada um tem da racionalidade alheia. Introduziu um novo elemento (o processo repetitivo) na teoria de Nash que passou a chamar-se o “Equilíbrio forte de Nash” daí resultando uma teorização do apuramento das estratégias sucessivas, consolidadas ao longo de milhares de anos, o que lhe terá permitido proceder à análise do Talmud à luz da Teoria dos Jogos. Mas, mais pragmaticamente, permite também uma análise das guerras de preços e das consequências do incompleto conhecimento comum a todos os intervenientes. Tudo, com base matemática e partindo duma matriz de duas entradas.

Não é fácil entrar no tema mas estou certo de que, depois deste desbravamento, a próxima digressão internética já não será em mandarim ou cantonês vernáculos.

Lisboa, 12 de Outubro de 2005

Henrique Salles da Fonseca


(1) http://cepa.newschool.edu/het/profiles/nash.htm


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D