Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS – X

 

 
                                                        

Galileo Galilei
 
        Nelson DeMille

 

“As coisas divinas que as árvores me dizem, fazem-me esquecer as coisa banais que me dizem os Homens.”
Maria Amália Vaz de Carvalho

 
Um bom 2009 para todos! Mudei, desta vez, o tema e o visual, para dar sorte. Escolhi este postal ilustrado X para deixar uma mensagem aos que colaboram neste blog e aos que nos lêem, aqui em Portugal, e em todo o Mundo. Escolhi não escrever sobre políticas, apesar de política fazermos todos os dias; sobre conselhos, em atitude mais ou menos paternalista; sobre pensamentos velhos ou novos ou outras coisas mais, da minha agenda das palavras. Hoje, optei por ser o mensageiro das minhas preocupações.
 
Começar o ano a preocuparmo-nos é bom, aliás, depende muito das preocupações. Mas, a meu ver, esta preocupação bem merece ser transmitida em início de novo ano, para que outros como eu possam comungar desta. Escolhi um filósofo, matemático e físico que viveu nos Secs. XVI-XVII, Galileo Galilei, italiano, pisantino de nascença; e, escolhi, também, um livro que vou comentar em LEITURAS DE HOJE E DE ONTEM – 3, “A Vingança do Leão”, tradução portuguesa da versão inglesa “Lion’s Game”, de Nelson DeMille, nova-iorquino, autor americano de várias obras recordistas em vendas. E porquê estas escolhas? Porque o primeiro foi vítima da intolerância religiosa e o segundo escreveu este romance em 2000, sobre o terrorismo, expressão máxima e desumana do primado da intolerância religiosa, social e política. Considero o tema actualíssimo e ideal para iniciar o ano e para reflectirmos séria, longa e diariamente, durante este ano que agora entra, sobre o que pensamos da Humanidade e o que desejamos para o Futuro da Humanidade. “E no entanto ela move-se” (epur si muove). Esta frase foi murmurada, não fossem os juízes ouvi-la. Galileu estava a ser julgado pela sua teoria de que a Terra girava à volta do Sol. O Tribunal do Santo Ofício obrigou-o a renegar, em público, a sua teoria, por herética. A intolerância religiosa do Homem, através da História da Igreja Católica, teve sempre como resultado que tudo o que se assemelhasse a discordância da doutrina oficial, era punido com a pena de morte na fogueira (Auto de Fé). Precisamente nesta época, a Igreja tornara-se mais vigilante e endurecera a sua luta contra os hereges, em resultado da cisão marcada pelo luteranismo. Galileu escapou da morte, porque tinha amigos poderosos – O próprio Papa e o Presidente do Tribunal. Na actualidade, os “infiéis” ou “os hereges”, sob o ponto de vista do islamismo radical, dão origem a “guerras santas”. Não existem fogueiras, mas há coisas muito piores: armas e danos colaterais! A Humanidade não aprendeu com os erros e a intolerância internacional, religiosa, social e política continua a ceifar vidas humanas pela senda da terra queimada, ensopada no sangue dos inocentes. ”Detesto burocratas, sempre tão cinzentos e cuidadosos...” (pág. 271, da edição portuguesa do Círculo dos Leitores do Livro aqui citado). Escolhi esta frase do autor DeMille, porque esta frase é o paradigma das mentes cinzentas e cuidadosas e das razões que lhes assistem para nos envolverem, a nós, cidadãos comuns, nestas guerras. Tudo é pensado, dirigido e executado em nosso nome pelos Estados de Direito (?) e em prol dos seus (deles, Estados) superiores interesses (?)... Então reflictamos sobre isto. O que teremos de fazer por um Mundo melhor? O que teremos de fazer para que o Homem deixe de pensar no seu umbigo e pense na Humanidade, porque não pensando nesta, o Homem está a pôr em risco a sua própria sobrevivência. É urgente que usemos mais, cada vez mais, com persistência, a intervenção cívica para combater a intolerância internacional. Resta-nos a esperança de que o intensificar desta intervenção cívica acorde os intolerantes do Mundo, para a urgência e necessidade de refrearem as suas idiossincrasias. Façamos de 2009 o ano da Tolerância!
 
          Luís Santiago
 
 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D