Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ABASTANÇA, JÁ!

 

 
 
Abastança para todos, JÁ! – eis o slogan de todos os Partidos políticos na oposição sobretudo quando em campanha eleitoral. Contudo, é frequente essas promessas não terem qualquer viabilidade e não passarem de falácias. Daqui resulta a inconsequência em que os Partidos caem quando chegam ao Poder com o frequente incumprimento das promessas eleitorais. Mas o que importa é alcançar o Poder e tudo o mais é minudência porque o objectivo foi alcançado e a ele tudo é devido, mesmo à custa da Ética.
 
Só que ao longo de decénios essas falácias deixaram rasto e despertaram no consumidor vontades anteriormente contidas. O bem-estar deixou de ser um objectivo, passou a ser um direito. Assim nasceu o intento de satisfação imediata de todas as vontades, quiçá de todos os caprichos. E como as poupanças eram insuficientes ou mesmo inexistentes para permitirem tais “luxos”, o recurso ao crédito foi incentivado como forma de estímulo da Economia. O crédito deixou de ser uma conquista pela via do «bom-nome na praça» para passar a ser um «produto» oferecido a qualquer um, cidadão impoluto ou poluído. Assim foi que o consumo entrou na moda. Contudo, em Portugal não fez disparar a produção interna de bens transaccionáveis: fomentou as importações e provocou o descalabro na Balança de Transacções Correntes. Este descalabro só foi disfarçado pela adesão ao Euro e tudo se manteve em aparente normalidade com a especulação bolsista a ditar tudo e a desviar verbas do crédito à produção. Mas não disfarçou o endividamento dos Bancos nacionais perante os homólogos estrangeiros e quando a crise estalou nas «praças internacionais», as repercussões internas não poderiam demorar. E quando tardiamente se descobriu – primeiro nos EUA e depois na Europa incluindo Portugal – que a prudência fora traída e a confiança no sistema podia ser posta em causa, saltaram para a ribalta soluções que provocarão muito significativas tensões inflacionistas pela injecção nos circuitos financeiros de grandes massas monetárias oriundas das reservas se não mesmo das rotativas.
 
O modelo de desenvolvimento especulativo global avisou ter chegado à exaustão. Está na hora de voltarmos à realidade de que globalmente nos afastámos. Não se fala ainda no regresso a um padrão físico mas não se estranhe que, após tanta volatilidade, alguém comece a referir a necessidade de regresso a um padrão qualquer como o ouro, por exemplo.
 
E por cá? O nosso modelo de desenvolvimento teve o mérito de democratizar o acesso à habitação própria a tal ponto que Portugal se encontra nos mais altos níveis do ranking mundial desse indicador. Mais: já dá nas vistas no indicador mundial da segunda habitação, a de lazer. E se esta política foi estrutural até no combate político contra soluções colectivistas revolucionárias, os níveis já alcançados evidenciam que esse não pode continuar a ser o grande instrumento do nosso futuro desenvolvimento.
 
Está na hora de privilegiarmos a produção de bens transaccionáveis e deixarmos – também nós, portugueses – de viver de aparências tudo importando da China. E se não faz sentido regressarmos a um modelo puramente mercantilista como o que vigorou até 1974, teremos certamente que reduzir drasticamente o nível de reivindicações e de recurso ao suporte público quer como entidade empregadora quer como entidade gastadora. O contribuinte português – individual e colectivo – está fiscalmente exaurido e há que enveredar por outras soluções. O caminho da contenção da despesa pública corrente ainda foi ensaiada até meados de 2008 mas a aproximação da campanha eleitoral e o advento da crise financeira mundial deram ao Governo todos os pretextos para regressar a políticas diferentes do equilíbrio por que tanto esforço chegou a ser dispendido. Em vão, afinal.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pandora abre a sua caixa...
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Daqui resulta que 2009 deveria ser o ano de nos entendermos quanto ao rumo estrutural a seguir aproveitando o facto de se tratar de ano eleitoral. Nada melhor para que estas questões entrassem na discussão corrente oferecendo ao eleitor as opções que em Democracia se colocam.
 
 
Sim, isto era o tipo de cenário que deveria prevalecer mas temo que seja bem diferente e que se enverede pela demagogia eleitoralista tendo como pano de fundo um desbragamento da despesa pública fundada na necessidade de «combater a crise», novo pretexto para todas as futuras vilanias.
 
Lisboa, Dezembro de 2008
 
 Henrique Salles da Fonseca

 

14 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D