Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

DOMÍNIO INGLÊS NO BRASIL - Parte 10

                                   A QUESTÃO PLATINA
 
 
Com o apoio discreto da Inglaterra, da Corte de D. João, a princesa Carlota Joaquina deu início junto a representantes de Buenos Aires, aos acertos concernentes à sua ascenção ao trono no Prata. Ao final os representantes ingleses começaram a temer as suas interferências em um caso tão complexo. É que as relações entre a Inglaterra e a Espanha já não eram a mesma de antes: a Inglaterra estava interessada em apoiar o restabelecimento da dinastia espanhola em sua luta contra Napoleão, que a destruíra; não iria investir agora, pela força, contra as posses da Espanha na América.
 
Carlota Joaquina planeava deslocar-se para Buenos Aires com o apoio do Almirante Sidney Smith e aprovação de Saurnino Peña enviado daquela cidade. Mas chegavam de lá novos apelos. Temia-se ali que as circunstâncias provocassem um movimento republicano. Diante de tal ameaça melhor seria um príncipe assumir o poder. Que fosse D. Pedro. Strangford desaprovou a solução e o Almirante recebeu ordens para deixar o Brasil. Dom João acabou também por combater as pretenções de D. Carlota Joaquina a um trono em Buenos Aires, que representava o esforço de facções conservadoras platinas com o intuito de impedir  o aprofundamento do processo de independência que poderia realmente derivar para a república, não desejada. (...) Muitos julgavam ser mais fácil a emancipação constituindo uma monarquia que não desafiasse o poder conservador do Rei do Brasil. As intrigas palacianas mostram como o processo da independência das antigas colónias ibéricas colocavam as classes sociais em posições antagónicas. A classe dominante preferia submeter-se à Metrópole do que aceitar alterações estruturais contrárias aos seus interesses.
 
Do lado platino, figuras de destaque participavam do movimento emancipador pela solução monárquica, como viria a acontecer no Brasil possibilitando uma transição sem alterações da situação colonial para a autonomia.
 
 
General Manuel Belgrano (1770-1820)
 
"O primeiro homem de talento que, no Prata, abraçou a candidatura da Princesa, D. Manuel Belgrano, o fez no intuito não só de assegurar, por meio de uma solução prática, o desligamento do Vice-Reinado do Prata da Espanha então napoleónica, como de criar para a colónia elevada a Estado uma situação de ligação toda pessoal com o seu soberano, de todo diferente da antiga dependência da Metrópole (...). Belgrano e os que o acompanhavam - Castelei, Pueyrredon, Mariano Moreno entre outros - na disputada propaganda a favor da candidatura da Princesa do Brasil, preferiam obedecer a uma infanta da casa espanhola legitimamente reinante a porem-se às ordens de imprevistos políticos, franceses usurpadores, liberais da mãe-pátria ou conservadores da colónia; cogitavam uma monarquia constitucional, forma que lhes parecia a mais fácil de conciliar a tradição com o progresso, de tornar possível a emancipação alcançando a independência sem sacrifícios  e sem operar uma revolução incruenta".   ( Oliveira Viana: op. cit., p. 318,I ).
 
Continua
 Therezinha B. de Figueiredo
Belo Horizonte, 18 de dezembro de 2008 


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D