Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 39

 

 
Título: AO ENCONTRO DA PALAVRA – Homenagem a Manuel Antunes
 
 
Autores: Docentes de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Editora: Edições Cosmos
Edição: 1ª, 1985
 
 
Manuel Antunes nasceu na Sertã no ano de 1918 e morreu em Lisboa em 1985. Sacerdote jesuíta exerceu a docência de várias cadeiras do Curso de Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa até que a doença e a morte fizeram a saudade descer sobre estudantes e colegas de docência.
 
Para mais fácil identificação do homenageado, extraio da Wikipedia:
 
«Aos 14 anos, deu entrada num Seminário Menor da Companhia de Jesus, em Guimarães. Com 18 anos tornou-se jesuíta; mais tarde doutora-se em Filosofia e Teologia, com a tese "Panorama da Filosofia Existencial de Kierkegaard a Heidegger", na Faculdade de Teologia de Granada, em Espanha.
Em 1949, com 31 anos, torna-se sacerdote e professor de História da Literatura Grega e de História da Literatura Latina na Sociedade de Jesus. Em 1957, a convite de Vitorino Nemésio, torna-se professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde leccionou várias disciplinas do curso de Filologia Clássica, com realce para a História da Cultura Clássica, onde se manteve até 1983. Em 1981 foi-lhe conferido, pela Faculdade de Letras de Lisboa, o grau de doutor honoris causa.
Os seus primeiros escritos são publicados na revista Brotéria-Revista de Cristianismo e Cultura, de cuja redacção passa a fazer parte em 1955, e cuja direcção assumirá mais tarde, durante cerca de 20 anos. A sua obra escrita abrange temas literários, filosóficos e culturais, muitos deles publicados com 124 pseudónimos. Colaborou igualmente na Revista Portuguesa de Filosofia e na Enciclopédia Luso Brasileira de Cultura. Era um grande amigo de António Sérgio, Vitorino Nemésio, José Régio, de Jorge de Sena e Almada Negreiros. Dele, terá Almada Negreiros dito um dia: "Este homem é só espírito".
Foi um mestre excepcional que marcou para a vida toda milhares de estudantes que, ao longo de mais de um quarto de século, passaram pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa desde 1957. A sua memória continuou viva a iluminar o caminho de muitos. O professor, cuja competência, sentido humanista e abertura à actualidade atraíram o interesse e admiração dos alunos, também estendeu a mais vastos públicos o seu magistério, graças aos inúmeros artigos que foi publicando.
Mais tarde, foi conselheiro do presidente da República, Ramalho Eanes.»
 
A presente homenagem é tão erudita quanto o homenageado e compõe-se de textos exemplares que deixam o leitor comum perfeitamente atónito com particularidades ausentes dos raciocínios vulgares. Apesar de escrito em português, dei por mim a ter que reler algumas frases para lhes absorver o sentido. Espero tê-lo conseguido.
 
Mas esta erudição não obsta a algum sentimento expresso aqui e ali quando menos se espera. Logo na introdução, da responsabilidade solidária dos Autores e intitulada “A nossa Homenagem”, começa-se por referir «MANUEL ANTUNES, o Padre Manuel Antunes, como carinhosa e prestigiadamente era designado na Faculdade de Letras de Lisboa, (…)» e daí passa o leitor aos tais textos fora do comum que nos dão a conhecer um mundo muito mais real do que aquele que esperamos de filósofos a quem costumamos considerar gente levitante. E eis senão quando uma das Autoras – Professora Doutora Mafalda de Faria Blanc – se refere a uma conversa que há muito tivera com o seu antigo Mestre em que dá o tom da sensibilidade presente pela forma da sua iniciativa de diálogo com a expressão «Confessei ao padre…». Da mesma Autora cito: «Alguns anos passaram. Regressei à nossa Faculdade com a missão de ensinar. Perguntei pela velha Eminência. Disseram-me que estava doente, que se tinha retirado. Passou mais algum tempo até que fui surpreendida pela notícia pública da sua morte. (…) o seu nome percutia na minha memória de estudante o som inconfundível das acções que edificam, dos eventos que fazem a nossa pequena história pessoal.» E depois de continuarmos a ser conduzidos por vários Autores através de raciocínios com especial transcendência, somos novamente chamados ao humanismo do homenageado em termos por que não se espera: «(…) a obra académica e literária do P. Manuel Antunes. De tal obra se pode dizer que foi moldada pelo “obrar segundo o próprio de si mesmo”, por aquilo que constituiu a sua razão de ser: a disposição e a exposição aos outros. Ao Outro.»
 
E os temas são tão variados quantos os Autores pelo que não dá para referir aqui a tese que cada um apresenta. Imagine-se o que seria resumir cada uma das seguintes doutas referências:
·        A Noção de Filosofia na Obra de Manuel Antunes. Em torno ao problema das Filosofias Nacionais – Francisco da Gama Caeiro
·        Memória de Estudante – Mafalda de Faria Blanc
·        Sócrates e a Theia Moira – José Trindade Santos
·        A justificação cristã da Palavra em De Magistro de Santo Agostinho – Maria Leonor Xavier
·        Reflexões sobre o Humanismo. O Humanismo no Renascimento – Mário Pacheco
·        Spinoza: O Itinerário da Substância a Deus – Maria Luísa Ribeiro Ferreira
·        Esboço Imaginário de Monadologia – Carlos M. Couto de Sequeira Costa
·        Filosofia – Futuro – Prática. Meditação da filosofia a partir de alguns temas feuerbachianos – José Barata Moura
·        Nietzsche e o Estoicismo – Nuno Nabais
·        Nietzsche e a Europa – Viriato Soromenho Marques
·        Oliveira Martins: A Filosofia da História e a Imagem dos Jesuítas – Pedro Calafate
·        Florestas no Murmúrio Indeciso das Cores. Do Deslocamento da Profundidade em Maurice Merleau-Ponty – Isabel Matos Dias Caldeira Cabral
·        Da Teoria da Arte à Metafísica da Arte – Adriana Veríssimo Serrão
·        A Razão Invejosa – Joaquim Coelho Rosa
·        A Relação de Exemplificação em N. Goodman – Carmo D’Orey
·        A Vida e a Morte dos Sinais. Uma Leitura de «O Nome da Rosa» de Umberto Eco – Joaquim Cerqueira Gonçalves
·        A Consequência Proposicional na Teoria da Demonstração – M.S. Lourenço e J. Branquinho
 
Sempre ouvi dizer que todos os grandes matemáticos são filósofos mas num livro dedicado à Filosofia não esperava encontrar tanto recurso à simbologia matemática.
 
Com a vantagem de que não é imprescindível começar por ler este livro no primeiro capítulo e levar todos de seguida até final, também não faz sentido dá-lo como definitivamente lido. Há que mantê-lo sempre à mão para nos lembrarmos de que nem só de pão vive o homem.
 
E então, já que não damos aqui o tema por encerrado, podemos regressar ao início do livro (pág. 10) e perguntar: o que é a Filosofia? A resposta prima pela evidência: é a «Ciência do universal, do universal enquanto universal».
 
Sim, há que reler o livro.
 
Lisboa, Dezembro de 2008
 
 Henrique Salles da Fonseca

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D